RESPONSABILIDADE CIVIL EM DECORRÊNCIA DE ALIENAÇÃO PARENTAL DE IDOSOS

  • Nayana Guimarães Souza de Oliveira Poreli Bueno Faculdade de Ciências Jurídicas de Paraíso do Tocantins- FCJP
  • Oacilene Alves Maciel Marques Faculdade de Ciências Jurídicas de Paraíso (FCJP)
Palavras-chave: Alienação Parental Inversa, Idoso, Responsabilidade Civil

Resumo

A alienação parental de idosos, ou alienação parental inversa, não conta com regramento legislativo específico, embora existam casos de alienação praticada por filhos, cuidadores ou pessoas próximas ao idoso, que geram danos tanto a este, quanto à pessoa alienada do convívio do idoso. O objetivo do trabalho é estudar se o alienador pode ser responsabilizado civilmente pela prática da alienação inversa e em que situações ocorre essa responsabilização. A hipótese é a de que surge a responsabilidade civil do alienador quando se constata a violação do dever de proteção do idoso, com a prática de condutas previstas na Lei nº 12.318/2010, lei esta que, embora regulamente a alienação parental praticada em face de crianças e adolescentes, pode ser aplicada analogicamente no caso de alienação inversa. Para alcançar esse fim, utilizou-se o método dedutivo, partindo de premissas gerais para alcançar uma conclusão específica. O procedimento de pesquisa foi a consulta à legislação, especialmente à Constituição Federal de 1988, ao Código Civil, ao Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003) e à Lei de Alienação Parental (Lei nº 12.318/2010), bem como consulta à doutrina e à jurisprudência sobre o tema. Ao final, a hipótese foi confirmada, verificando-se a possibilidade de responsabilização do alienador em casos de alienação inversa, através da fixação de indenização por danos morais causados à pessoa alienada e ao idoso.

PALAVRAS-CHAVE: Idoso; Alienação Parental Inversa; Responsabilidade Civil.

 

ABSTRACT

 

Parental alienation of the elderly, or inverse parental alienation, does not have specific legislative rules, although there are cases of alienation practiced by children, caregivers or people close to the elderly, which cause damage to both estudothe alienated person and the elderly themselves. The purpose of this research is to study if the alienator can be held civilly responsible for the practice of reverse alienation.
The hypothesis is that the alienator's civil liability arises when it occurs the violation of the duty to protect the elderly, with the practice of conduct foressen in Law No. 12.318/2010, which, although regulating parental alienation practiced in the face of children and adolescents, can be applied analogously in the case of reverse alienation. To reach the objective, the deductive method was used, starting from general premises to reach a specific conclusion. The research procedure was to consult the legislation, especially the Federal Constitution of 1988, the Civil Code, the Elderly Statute (Law No. 10.741 / 2003) and the Parental Alienation Law (Law No. 12.318 / 2010), as well as the doctrine and the jurisprudence. In the end, the hypothesis was confirmed, concluding by the alienator’s liability in cases of reverse alienation, by setting compensation for moral damages caused to the alienated person and the elderly.

 

KEYWORDS: Elderly; Inverse Parental Alienation; Civil Responsability.

Biografia do Autor

Nayana Guimarães Souza de Oliveira Poreli Bueno, Faculdade de Ciências Jurídicas de Paraíso do Tocantins- FCJP

Mestra em Direito Agrário pela Universidade Federal de Goiás. Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Ouro Preto. Professora na Faculdade de Ciências Jurídicas de Paraíso (FCJP). Assessora Jurídica na 1ª Vara Cível de Paraíso do Tocantins-TO

Oacilene Alves Maciel Marques, Faculdade de Ciências Jurídicas de Paraíso (FCJP)

Bacharel em Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas de Paraíso (FCJP). Conciliadora na Defensoria Pública de Paraíso do Tocantins – TO

Referências

AKIYAMA, Paulo. Alienação Parental Inversa. Jornal Preliminar. 2019/08/05. Disponível em: https://www.jornalpreliminar.com.br/noticia/35410/alienacao-parental-inversa---paulo-akiyama. Acesso em: 05 set. 2019.

BELTRÃO, Kaizô Iwakami et al. Dinâmica populacional brasileira na virada do século XX. Rio de Janeiro: Ipea, 2004. Disponível em http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1873/1/TD_1034.pdf. Acesso em: 14 Jan. 2020.

BRASIL, Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF. (3ª Turma Cível). Agravo de instrumento nº 0700732-41.2018.8.07.0000 - Segredo de Justiça. Relator: Gilberto Pereira de Oliveira, 27 de setembro de 2018. Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/631852906/7007324120188070000-segredo-de-justica-0700732-4120188070000?ref=serp. Acesso em: 09 out. 2019.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Presidência da República, 2020. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 23 jun. 2020

______. Decreto-Lei nº 4.657, de 4 de setembro de 1942. Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro (Redação dada pela Lei nº 12.376, de 2010). Presidência da República, 2020. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del4657compilado.htm. Acesso em: jan. 2019.

______. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Presidência da República, 2020. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm. Acesso em 23 jun. 2020

______. Lei nº 12.318 de 26 de agosto de 2010. Dispõe sobre a Alienação Parental e altera o art. 236 da Lei nº 8.069, de 13 de julho 1990. Presidência da República, 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12318.htm. Acesso em: 10 ago. 2019.

______.Tribunal de Justiça de Santa Catarina (1ª Câmara de Direito Civil). Apelação n. 0006690-70.2012.8.24.0005. Apelante: VLR Apelada: WRL. Relator: Des. Domingos Paludo, 25 de agosto de 2016. Disponível em: http://busca.tjsc.jus.br/jurisprudencia/buscaForm.do#resultado_ancora. Acesso em: 11 out. 2019.

CARDIN, Valéria Silva Galdino. Dano moral no direito de família. São Paulo: Saraiva, 2012.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de Responsabilidade Civil. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

DIAS, Maria Berenice (Coord.). Incesto e alienação parental: realidade que a Justiça insiste em não ver. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

______. Manual de direito das famílias. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

FREITAS JUNIOR, Roberto Mendes de. Direitos e garantias do idoso: doutrina, jurisprudência e legislação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2015

GARDNER, Richard. A. O DSM-IV tem equivalente para o diagnóstico de Síndrome de Alienação Parental (SAP)? Rita Rafaeli (trad.). Síndrome da Alienação Parental. Disponível em https://sites.google.com/site/alienacaoparental/textos-sobre-sap-1/o-dsm-iv-tem-equivalente. Acesso em 23 jun. 2020.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: responsabilidade civil.13. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

MAZOTTI, Marcelo. As escolas hermenêuticas e os métodos de interpretação da lei. Barueri, SP: Minha Editora, 2010.

MELO, Natália Calais Vaz de et al. Arranjo domiciliar de idosos no Brasil: análises a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (2009). Rev. bras. geriatr. gerontol. Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 139-151, fev. 2016. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-98232016000100139&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 14 jan. 2020.

MENDES, Ana Tarna dos Santos; LIMA, Gabriela Nascimento. Direito sistêmico e o seu olhar para a alienação parental em face dos idosos. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 22, n. 4969, 7 fev. 2017. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/55533. Acesso em: 16 jan. 2020.

OLIVEIRA, Glaucia da Silva Destro de. Os velhos como sujeitos de direitos: uma análise da gestão de velhice nos conselhos de idosos. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Campinas-SP: Universidade Estadual de Campinas, 2015.

SARLET, Ingo Wofgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. São Paulo: Saraiva Educação, 2018

SILVA, Maria do Rosário de Fátima; YAZBEK, Maria Carmelita. Proteção social aos idosos: concepções, diretrizes e reconhecimento de direitos na América Latina e no Brasil. Rev. katálysis [online]. 2014, vol.17, n.1 pp.102-110. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802014000100011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 14 jan. 2020.

SOUSA JUNIOR, Ariolino Neres. A Lei da Alienação Parental em prol das pessoas idosas. In: SOUSA JUNIOR (et. al.). Direitos Humanos: juridicidade e efetividade. Rio de Janeiro-RJ: Multifoco, 2019. Disponível em: https://www.caedjus.com/wp-content/uploads/2019/08/Direitos_humanos_juridicidade_e_efetividade_miolo.pdf. Acesso em: 03 out. 2019.

Publicado
2020-12-03
Como Citar
Bueno, N. G. S. de O. P., & Marques, O. A. M. (2020). RESPONSABILIDADE CIVIL EM DECORRÊNCIA DE ALIENAÇÃO PARENTAL DE IDOSOS. Revista Vertentes Do Direito, 7(2), 203-225. https://doi.org/10.20873/uft.2359-0106.2020.v7n2.p203-225
Seção
Artigo Científico