Arquivos Brasileiros de Educação Física https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/abeducacaofisica <p>A Arquivos Brasileiros de Educação Física é uma revista científica que publica artigos originais, revisões sistemáticas, metanálises, resenhas, ensaios clínicos, estudos de casos e cartas ao editor com temas vinculados à Educação Física.</p> <p>A revista tem como missão principal difundir o conhecimento na área de Educação Física com qualidade científica. Sendo a primeira revista científica na área de Educação Física do norte do Tocantins, a Arquivos Brasileiros de Educação Física tem o árduo desafio de trazer à tona o conhecimento científico no campo da Educação Física desta região, incentivando a publicação de trabalhos científicos que prezem pela ética profissional, qualidade metodológica e crescimento da área na região.</p> Joana Marcela Sales de Lucena pt-BR Arquivos Brasileiros de Educação Física 2595-0096 <h3>Proposta de Aviso de Direito Autoral Creative Commons</h3> <h4>1. Proposta de Política para Periódicos de Acesso Livre</h4> <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>a. Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" target="_new">Licença Creative Commons Attribution</a>&nbsp;que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</p> <p>b. Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</p> <p>c. Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja&nbsp;<a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</p> <p>&nbsp;</p> Resumos Gesporte https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/abeducacaofisica/article/view/6354 <p>Resumos apresentados na&nbsp;9ª Jornada Internacional sobre Gestão do Esporte</p> Joana Marcela Sales ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2019-01-02 2019-01-02 1 2 18 35 10.20873/abef.2595-0096.v1n2p18.2018 Análise dos investimentos para a Copa do Mundo de 2014 e os benefícios gerados a população do Distrito Federal/Brasil https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/abeducacaofisica/article/view/6316 <p><strong>Introdução: </strong>Sediar um grande evento esportivo possibilita para o país um grande destaque no mundo, mas além de firmar-se no cenário internacional do esporte há grandes responsabilidades envolvidas como os investimentos e as mudanças nas&nbsp;cidades sedes. &nbsp;<strong>Objetivo:</strong> Este trabalho procurou analisar as propostas de mudança na cidade de Brasília para a copa do Mundo 2014 e as principais áreas beneficiadas posteriormente ao evento. <strong>Método:</strong> Foi uma pesquisa documental, foram analisados dados e documentos sobre o tema abordado com vista no entendimento de parcerias públicas e privadas e envolvimento nos investimentos para o evento<strong>. Resultados:</strong> A pesquisa constatou que foram previstos para a Distrito Federal mudanças no Aeroporto Internacional de Brasília, no desenvolvimento turístico, na mobilidade urbana e na segurança pública. Dos 9 itens previstos para mudança apenas 2 não foram concluídos, entretanto estes não trouxeram benefícios a população sendo pensados apenas para o bom funcionamento no período do evento. <strong>Conclusão:</strong> Apesar do investimento e de grandes mudanças ocorridas no Distrito Federal no período da Copa 2014 atualmente vê-se pouca utilização do Estádio Nacional de Brasília. E apesar das apostas positivas em alguns fatores como aumento de empregos, melhorias na cidade, maior potencial de vendas e crescimento do turismo, atualmente vê-se que estas mudanças não trouxeram grandes melhorias a população do Distrito Federal.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Wellington Custódio de Souza Custódio Paulo Henrique Azevêdo Gisele Kede Flor ocampo Alexandre Lima de Araújo Ribeiro ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2019-01-03 2019-01-03 1 2 45 54 10.20873/abef.2595-0096.v1n2p45.2018 Terceira idade e saúde mental: Contribuições da psicologia para a saúde mental no projeto Feliz Idade https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/abeducacaofisica/article/view/6344 <p>O objetivo deste trabalho foi promover a saúde mental e qualidade de vida, assim como realizar integração social e oportunizar autonomia aos idosos participantes do Projeto Feliz Idade, desenvolvido pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal em Cacoal/RO. Este estudo consiste em um relato de experiência vivenciado pelas acadêmicas junto às intervenções neste projeto. Através da observação e da escuta terapêutica realizada, observou-se a frequente ocorrência de pensamentos, emoções e comportamentos indicativos de transtornos depressivos nos participantes do projeto. Identificou-se também que as condições socioeconômicas, estilos de vida, doenças crônicas, perdas e habilidades sociais como fatores de influência nos sintomas depressivos dos participantes. Pode-se ainda observar que, apesar de esses fatores serem constantes e intensos na vida dos idosos, grande parte dos participantes do projeto utiliza do suporte social e do pensamento religioso como estratégias de enfretamento. Contudo as mesmas não se fazem suficientes nesse processo, explicitando a necessidade de atuação de profissionais da saúde neste contexto. Portanto, perceber-se através das intervenções realizadas a importância do convívio social para a formação de representações positivas a respeito da velhice, como também, a necessidade de oferta deste tipo de intervenção por parte do poder público a esta população, especialmente visando sua reinserção social; cabendo ao psicólogo neste contexto de promoção de saúde mental dos idosos.</p> Maihelly Martins Jennifer Carolina dos Santos Guimarães Jhenifer Luana Barreira Cazé Valéria Menegate dos Reis Michele Nascimento Romão ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2019-01-09 2019-01-09 1 2 37 44 10.20873/abef.2595-0096.v1n2p37.2018 Perfil dos idosos participantes do Grupo dos Mais Vividos do Serviço Social do Comércio do Distrito Federal - Sesc/DF https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/abeducacaofisica/article/view/6251 <p>Este artigo aborda características gerais acerca dos idosos participantes do Grupo dos Mais Vividos (GMV) do Serviço Social do Comércio do Distrito Federal (Sesc/DF). Conhecer as características dos idosos significa abordar aspectos que vão além dos dados demográficos, pois o processo de envelhecimento é complexo e não se pode analisá-lo isolado de uma realidade social dinâmica. O objetivo deste estudo foi identificar e conhecer, por meio de dados concretos, o perfil dos idosos participantes dos grupos existentes nas unidades operacionais: 913 Sul, 504 Sul, Taguatinga Norte, Taguatinga Sul, Guará, Ceilândia e Gama, elencando os aspectos sociais, como idade, escolaridade, renda familiar, composição familiar e quem é o responsável pelo sustento familiar. A pesquisa realizada é de caráter quantitativo e aplicou questionários estruturados aos participantes do grupo no momento de cadastro e recadastro nas atividades do ano de 2018. A escolha deste método proporciona a identificação de uma população correlacionando as variáveis apresentadas com teorias sociais. O trabalho foi realizado com rigor metodológico científico e aprovado em Comitê de Ética pela Faculdade de Saúde-UnB CAAE:56891516.6.0000.0030. Os resultados retratam a descrição da população idosa participante do GMV, sendo o público atendido com média de idade fixada dentro da faixa etária de 60-70 anos, com baixa escolaridade sendo os maiores índices de ensino fundamental incompleto, com renda mensal familiar entre um recorte significativo de 1 a 3 salários mínimos, com relação à composição e responsabilidade pelo sustento familiar. Pôde-se observar que os idosos não estão vivendo sozinhos ou em situações de abandono familiar, contudo, a maioria significativa dos idosos vem assumindo tarefa de sustento do lar. Dessa forma, evidencia-se que os idosos não estão sozinhos, mas são responsáveis por arcar, muitas vezes de forma integral, a manutenção do lar, constituindo-se como o indivíduo economicamente ativo. Essas categorias escolhidas para análise são justificadas devido à possibilidade de conhecer as dimensões sociais da vida dos idosos que se configuram como campo interventivo do profissional assistente social, que atualmente é o responsável pela coordenação das atividades dos grupos. A metodologia de trabalho com grupos permite a integração de atividades de diversos níveis, espaço de acolhimento e socialização dos idosos, criando um novo espaço para o exercício da cidadania e construção de novos papéis sociais, estimulando a participação social e a vivência dessa faixa etária com dignidade.</p> Roslilane Santos Ana Carolina Castro Pereira da Cunha Maria Weila Coêlho Almeida ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2019-01-09 2019-01-09 1 2 55 – 68 55 – 68 10.20873/abef.2595-0096.v1n2p55.2018 Mapeamento dos recursos financeiros utilizados para o Esporte de Alto Rendimento no Brasil https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/abeducacaofisica/article/view/6319 <p>Introdução: o fomento financeiro ao Esporte de Alto Rendimento (EAR) realizado historicamente por meio de isenções de taxas, tributos e impostos às próprias entidades esportivas, nos últimos anos foi somado a uma série de ações governamentais e pelo patrocínio de empresas privadas. Objetivo: identificar as fontes de recursos financeiros federais e privadas disponíveis para o EAR brasileiro, além de descrever os destinos e as formas de aplicação para tais recursos. Métodos: foi realizada uma análise documental, na Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, em páginas eletrônicas oficiais e por meio de questionário eletrônicos para catalogar e categorizar dados sobre as fontes, os destinos e as formas de aplicação dos recursos financeiros investidos no esporte olímpico e paralímpico brasileiro. Resultados: evidenciou-se que o EAR brasileiro possui oito fontes de financiamento. Os recursos destas fontes podem ser destinados tanto para pessoas físicas como para pessoas jurídicas e aplicados de 13 formas diferentes: atletas, recursos humanos, treinamento, competição, material esportivo, equipamento esportivo, instalação esportiva, pesquisa científica, capacitação, tecnologia, despesa administrativa, avaliação da saúde e do desempenho, além dos investimentos com marketing. Conclusão: a categorização de informações do financiamento do EAR, apresentadas nesse trabalho, pode colaborar substancialmente com a avaliação e formulação de políticas e ações governamentais, visto que a estratégia de identificação dos destinos e das formas de aplicação dos recursos financeiros pode colaborar com futuras pesquisas que objetivem avaliar os investimentos de duas ou mais fontes de recurso, simultaneamente, podendo-se determinar “o que” é investido e “como” os recursos são utilizados.</p> Alan de Carvalho Dias Ferreira Alberto Reinaldo Reppold Filho, Sr. ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2019-01-15 2019-01-15 1 2 68 81 10.20873/abef.2595-0096.v1n2p69.2018