PENSANDO CURRÍCULO COMO PRÁTICA DE LIBERDADE: entre concepções de infâncias representadas em filmes e narrativas cotidianas de praticantespensantes da educação

Palavras-chave: cinema

Resumo

RESUMO

Este texto tem por objetivo apresentar resultados parciais do projeto de pesquisa CINEMA, INFÂNCIAS E DIFERENÇA: problematizando a educação, o cotidiano da escola e o currículo. O projeto visa a problematizar concepções de infâncias e diferença a partir de imagens e sons produzidos no cinema, oportunizando aos praticantespensantes do cotidiano educacional – professores da rede básica de ensino – pensar de forma diferente o que vem sendo pensadopraticado na educação escolar.  Neste texto, realizamos um exercício para pensar o currículo como prática de liberdade a partir do filme Yaaba (dirigido por Idrissa Quedraogo, 1989) e das narrativas dos professores, praticantespensantes dos cotidianos escolares.

 

 

PALAVRAS-CHAVE: cinema; infâncias; diferença; currículo.

 

ABSTRACT

This paper aims to present the partial results of the research project CINEMA, CHILDHOODS AND DIFFERENCE: problematizing education, daily school routine and the curriculum. The project is intended to problematize conceptions of childhoods and difference based on images and sounds produced in the cinema, thus enabling the thinkingpractitioners of the educational routine – basic education teachers – to think differently about what has been thought and practiced in school education. In this paper, we do the exercise of thinking about the curriculum as a practice of freedom by considering both the movie Yaaba (directed by Idrissa Ouedraogo, 1989) and the narratives of the teachers, the thinking practitioners of daily school routines.

 

KEYWORDS: cinema, childhoods; difference; curriculum.

 

 

RESUMEN

Este texto tiene como objetivo presentar resultados parciales del proyecto de investigación CINE, INFANCIAS Y DIFERENCIAS: problematizando la educación, lo cotidiano de la escuela y el currículo. El proyecto intenta problematizar concepciones de infancias y diferencias a partir de imágenes y sonidos producidos en el cine, dando oportunidad a los practicantespensantes del cotidiano educacional - profesores de la red básica de enseñanza - de pensar de forma diferente a lo que viene siendo pensadopracticado en la educación escolar. En este texto, realizamos un ejercicio para pensar el currículo como práctica de libertad a partir de la película Yaaba (dirigido por Idrissa Ouedraogo, 1989) y de las narraciones de los profesores, practicantes/pensantes de los cotidianos escolares.

 

 

PALABRAS CLAVE: Cine; Infancias; Diferencia; Currículo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maritza Maciel Castrillon Maldonado, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2009); realizou estágio de doutorado sanduíche na Universidade Complutense de Madrid, Espanha (CNPq); concluiu pós-doutorado no PROPed/UERJ (2015); mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001) e graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado de Mato Grosso (1993). É professora adjunta da Universidade do Estado de Mato Grosso, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação como professora da disciplina Estudos de Currículo e no curso de Pedagogia, ministrando a disciplina Educação Infantil. É Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Escola, Currículo, Sociedade e Cultura Contemporâneos – CNPq e coordenadora do Ateliê de Imagem e Educação – AIE – UNEMAT. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, currículo, cotidiano, subjetivação, cinema, tempo. E-mail: maritzacmaldonado@gmail.com

João de Deus dos Santos, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006); mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001); graduado em Pedagogia pela Universidade do Estado de Mato Grosso (1991). É professor adjunto da Faculdade de Educação e Linguagem (Facel) do Campus Universitário “Jane Vanini” da Universidade do Estado de Mato Grosso, em Cáceres. É vice-líder Grupo de Estudos e Pesquisas em Escola, Currículo, Sociedade e Cultura Contemporâneos – CNPq e membro do Ateliê de Imagem e Educação – AIE – UNEMAT. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo, dispositivos disciplinares, subjetivação, cinema. E-mail: j.zeuss@terra.com.br 

Referências

ALVES, Nilda Guimarães. As diferenças pensadas a partir de imagens das mulheres professoras - questões à formação. In PORTUGAL, F. T.; JACÓ-VILELA, A. M. Clio-Psyché - Gênero, psicologia, história. Rio de Janeiro: Nau/Faperj, 2012.

_________. Projeto de Pesquisa: Redes educativas, fluxos culturais e trabalho docente – o caso do cinema suas imagens e sons. Financiamentos CNPq, FAPERJ e UERJ. 2011.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Trad. Aurelio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

__________. O que é a filosofia? Trad. Bento Prado Jr. E Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Ed 34. 1992.

__________. A arte da conversa. In: SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Trad. Giane Lessa. Rio de janeiro: DP&A, 2003.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Org. e trad. de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal,1999.

__________. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

_________. História da Sexualidade 2: o uso dos prazeres. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

GALLO, Sílvio. Currículo. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janete Magalhães. (Orgs.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Rio de Janeiro: Editora DP et Alii, 2012.

LARROSA, Jorge. A libertação da Liberdade. In: BRANCO, Guilherme Castelo; PORTOCARRERO, Vera (orgs.) Retratos de Foucault. Rio de Janeiro, NAU, 2000a.

__________. Pedagogia Profana: Danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga-Neto, - Belo Horizonte, Autêntica, 2000b.

__________. A arte da conversa. In: SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Trad. Giane Lessa, Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

MALDONADO, Maritza Maciel Castrillon. Espaço Pantaneiro: Cenário de Subjetivação da Criança Ribeirinha. Tese de Doutorado. Niterói-RJ, UFF, 2009.

__________. Espaço Pantaneiro: Cenário de Subjetivação da Criança Ribeirinha. Curitiba: CRV, 2017.

__________. A rotina do currículo na Educação Infantil. E a potência do ritmo? In: GRANDO, Beleni (org) Crianças – infâncias, culturas e práticas educativas. Cuiabá: EdUFMT, 2012.

__________. Experiência Coletiva: a força política da narrativa sobrevive no pantanal mato-grossense. In: CARMO, Jefferson Carriello do (org.) Instituição escolar na diversidade: políticas, formação e práticas pedagógicas. Campinas: Mercado das Letras, 2014.

__________. saberes ribeirinhos: o pantanal dobrado na alma das crianças que o habitam. In: RIBETTO, Anelice (org.) Políticas, poéticas e práticas pedagógicas (com minúsculas). Rio de Janeiro: Lamparina, FAPERJ, 2014.

__________. Amizade... um refúgio necessário à educação de crianças (um filme, uma abertura à infância e ao mundo). Seminário REDES, ProPED, UERJ, 2014.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de; GARCIA, Alexandra (Orgs.). Aventuras de conhecimento: utopias vivenciadas nas pesquisas em educação. Petrópolis: De Petrus; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2014.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos e pesquisas com os cotidianos: o caráter emancipatório dos currículos pensadospraticados pelos praticantespensantes dos currículos das escolas. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janete Magalhães. (Orgs.) Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Rio de Janeiro: Editora DP et Alii, 2012.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: Uma introdução às Teorias do Currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

Publicado
2019-01-14
Como Citar
MALDONADO, M. M. C.; SANTOS, J. DE D. DOS. PENSANDO CURRÍCULO COMO PRÁTICA DE LIBERDADE: entre concepções de infâncias representadas em filmes e narrativas cotidianas de praticantespensantes da educação. Revista Observatório, v. 5, n. 1, p. 94-109, 14 jan. 2019.
Seção
Dossiê Temático / Thematic dossier / Dossier temático