IMPACTOS DA PRISÃO PROVISÓRIA NO BRASIL

  • Karine Cordazzo Centro Universitário da Grande Dourados
  • Gabriela Bricatte Machado Centro Universitário da Grande Dourados UNIGRAN
Palavras-chave: Presos, Penitenciária, Judiciário

Resumo

É evidente no cenário atual que o cárcere é um problema social que merece a devida atenção, posto que a cada dia os índices aumentam com relação ao número de presos. Neste liame cumpre debater a respeito dos presos provisórios, que fazem parte de uma porcentagem considerável dos encarcerados no Brasil. Os acusados são inseridos na penitenciária sem que tenham sido julgados, ficando privados de sua liberdade e expostos à criminalidade, à violência e às opressões por tempo indeterminado, dependentes do andamento da máquina judiciária para que possam ser sentenciados. Assim se faz necessário à discussão acerca do tema para a análise da pertinência da prisão provisória em demasia, bem como a explicitação de dados referentes aos presos provisórios e importância da implementação de medidas diversas a privação de liberdade.

Biografia do Autor

Karine Cordazzo, Centro Universitário da Grande Dourados

Mestre em Fronteiras e Direitos Humanos pela Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD (2019) - Bolsista CAPES. Especialista em Ciências Penais pela Universidade Anhanguera - Uniderp (2017). Graduada em Direito pelo Centro Universitário da Grande Dourados - UNIGRAN (2015). Diplomada em Saber Penal y Criminología pela Asociación Latinoamericana de Derecho Penal y Criminología - ALPEC (2019). Professora da Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Público do Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN). Professora de Direito Penal e Direito Processual Penal do Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN). Professora do curso de Direito na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Advogada. https://orcid.org/0000-0003-3465-0792

Gabriela Bricatte Machado, Centro Universitário da Grande Dourados UNIGRAN

Discente do curso de Direito no Centro Universitário da Grande Dourados - UNIGRAN.

Referências

BARCELLOS, Ana Paula de. Violência urbana, condições das prisões e dignidade humana. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 254, mai. 2010. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/8074/6862>. Acesso em: 06 nov. 2019.

BARROSO, Luís Roberto. A Dignidade da Pessoa Humana no Direito Constitucional Contemporâneo: Natureza Jurídica, Conteúdos Mínimos e Critérios de Aplicação. Versão provisória para debate público. Mimeografado, dezembro de 2010.

BRASIL. Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689compilado.htm>. Acesso em 07 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 7.960, de 21 de dezembro de 1989. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7960.htm>. Acesso em 07 de nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.106, de 2 de dezembro de 2009. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12106.htm>. Acesso em 06 nov. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADPF 347 MC. Ministro Marco Aurélio. Julgado em 09/09/2015. Disponível em <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=10300665>. Acesso em 07 nov. 2019.

CAPPELLARI, Mariana. Presos provisórios, danos permanentes: (re)pensando o cárcere. 2015. Disponível em: < https://canalcienciascriminais.com.br/presos-provisorios-danos-permanentes-repensando-o-carcere/>. Acesso em 30 ago. 2019.

FREITAS, Alexandre José Salles de. Prisão Preventiva e drogas: “a polícia prende e a Justiça não solta”. UFJF. Juiz de Fora, 2017.

GRECCO, Rogério. Curso de Direito Penal. – 17.ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2015.

LIMA, Renato Brasileiro de. Manual de Processo Penal: volume único, 5.ed. rev., ampl., e atual – Salvador: Ed. JusPodivm, 2017.

MOURA, Marcos Vinícius. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional, jun. 2017. Disponível em <http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen/relatorios-sinteticos/infopen-jun-2017-rev-12072019-0721.pdf>. Acesso em 30 ago. 2019.

Mutirão Carcerário. Conselho Nacional de Justiça. 2019. Disponível em <https://www.cnj.jus.br/sistema-carcerario/at-mutirao-carcerario/>. Acesso em 06 nov. 2019.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Direito Penal. 12.ed. rev., atual e ampl. – Rio de Janeiro: Forense, 2016.

PIMENTA, Izabella Lacerda. Diagnóstico Sobre a Política de Monitoração Eletrônica. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional. 2018. Disponível em < http://depen.gov.br/DEPEN/dirpp/monitoracao-eletronica/arquivos/diagnostico-monitoracao-eletronica-2017.pdf> . Acesso em 30 ago. 2019.

RAMOS, Maria Carolina de Jesus. O abuso das prisões provisórias. 2019. Disponível em: <https://canalcienciascriminais.com.br/o-abuso-das-prisoes-provisorias/> . Acesso em 30 ago. 2019.

TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de Direito Processual Penal: 10.ed. rev., ampl., e atual – Salvador: Ed. JusPodivm, 2015.

VELASCO, Clara .et al. Superlotação aumenta e o número de presos provisórios volta a crescer no Brasil, 2019. Disponível em <https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/2019/04/26/superlotacao-aumenta-e-numero-de-presos-provisorios-volta-a-crescer-no-brasil.ghtml>. Acesso em 30 ago. 2019.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. A Questão Criminal. 1.ed. – Rio de Janeiro: Revan, 2013.

Publicado
2020-12-07
Como Citar
Cordazzo, K., & Bricatte Machado, G. (2020). IMPACTOS DA PRISÃO PROVISÓRIA NO BRASIL. Revista Vertentes Do Direito, 7(2), 405-425. https://doi.org/10.20873/uft.2359-0106.2020.v7n2.p405-425
Seção
Artigo Científico