PARA A GESTÃO DA APRENDIZAGEM

Palavras-chave: Gestão da aprendizagem, Gestão do ensino, Autonomia, Aprendência

Resumo

RESUMO

Neste trabalho procuramos estruturar uma diretriz epistêmica para o conceito de gestão da aprendizagem e estabelecer o contraponto com estrutura tradicional do pensamento educativo referenciada pela gestão do ensino. Não tivemos a pretensão de historicisar os conceitos, o que propomo-nos é uma discussão contextualizada na crítica contemporânea aos modelos tradicionais de ensino. Trata-se de um estudo ensaístico bibliográfico que aborda a gestão da aprendizagem como uma proposta pedagógica possível na medida em que cada aprendente possa a ser sujeito na aprendência e a linearidade classificatória dá lugar as redes de colaboração da aprendizagem. Entende-se que a aprendência orientada pela gestão da aprendizagem precisa ser delimitada pela contextualização da aprendência; a mediação pedagógica e a avaliação integradora. Assim, é necessário apropriar-se da autonomia para ligar o ainda desconhecido ao já conhecido, indo da superficialidade das informações à profundidade dos conhecimentos. Precisamos avançar e construirmos currículos capaz de apreender as dinâmicas das aprendizagens, para isso é preciso superar os modelos de organização fundados em princípios da gestão do ensino em que o tempo administrativo sobrepõe ao tempo de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Lauro Martins, Universidade Federal do Tocantins

 Doutorado Ciências da Educação pela Universidade do Minho (Portugal), Mestre em Educação pela Universidad Autonoma de Asunción (Paraguai), Licenciado em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná. Professor Adjunto na Universidade Federal de Tocantins – Brasil, Coordenador do programa de mestrado em Ensino em Ciências e Saúde e Membro do Opaje. Email. jlauro@uft.edu.br

Referências

ASSMANN, H. Redes digitais e metamorfose do aprender. Petropolis-RJ: Vozes, 2005.

AUSUBEL, D. P. Adquisicion y Retención del Conocimento: Una Perspectiva Congnitiva. Barcelona: Paidós (Original publicada em 2000), 2002.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

CANARIO, R. A escola tem futuro? Das promessas as incertezas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DUBREUCQ, F. Jean-Ovide Decroly. Tradução de Carlos Alberto Vieira Coelho e Jason Ferreira Mafra. Recife: Editora Massangana, 2010.

FONSECA, V. Aprender a aprender: Educabilidade cognitiva. Porto Alegre: Artmed, 1998.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

FREIRE, P. Educação e Mudança. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1979.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

LEVY, P. As Tecnologias da inteligência. São Paulo: Editora 34, 1993.

MARTINS, J. L. A gestão da aprendizagem em ambiente virtual. Universidade do Minho. Braga; Portugal. 2014. (Disponível em http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/34067). (Tese de doutrorado).

MOORE, M. G. Teoria da Distância Transacional. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, n. Original publicado em Keegan, D. (1993) Theoretical Principles of Distance Education. London: London: Routledge. Traduzido por Wilson Azevêdo, p. 22-38. Disponível em http://goo.gl/5VXFUK, Agosto 2002.

MORAES, M. C.; PERCE, L.; BRUNO, A. R. Pesquisando fundamentos para novas práticas na educação online. São Paulo: RG Editores, 2008.

NUNES, A. H. D. S. R.; ACCIOLY, D. C. D. S.; SOUZA, S. M. D. O. Comunicação e Educação: Bases Epistemológicas Fundamentadas na Perspectiva Dialógica de Paulo Freire. XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo.: [s.n.]. 2016. Disponível em http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016.

OKADA, A. Colearn 2.0 - Coaprendizagem via comunidades abertas de pesquisa, práticas e recursos educacionais. e-Curriculum, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. , v. 7, n. 1, p. 1-15.Disponivel em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=76619165010, 2011 a.

PAIVA, V. L. M. D. O. E. Autonomia e Complexidade: uma analise de narrativas de aprendizagem. In: MAXIMINA M. FREIRE, M. H. V. A. Lingüística Aplicada e Contemporaneidade. Campinas e São Paulo: Pontes e ALAB, 2005. p. 135-153. Acesso em: 10 julho 2012.

POZO, J. I. Teorias cognitivas del aprendizage. 9. ed. Madrid: Morata, 2006.

SILVA, M. Educação presencial e online. Sugestões de interatividade na cibercultura. In: TRIVINHO, E. &. C. E. (. ). A cibercultura e seu espelho. São Paulo: ABCiber ; Instituto Itaú Cultural, 2009.

Publicado
2018-08-01
Como Citar
MARTINS, J. L. PARA A GESTÃO DA APRENDIZAGEM. Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 882-899, 1 ago. 2018.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)