EXISTEM ELEITORES QUE COMERCIALIZAM O VOTO?

Palavras-chave: Comportamento do eleitor, Comércio do voto, Determinantes do voto

Resumo

Através de pesquisas de opinião pública realizadas no período eleitoral revelamos que existem eleitores dispostos a comercializarem o voto. Este é o principal objetivo deste artigo. Vasta literatura sobre o comportamento do eleitor existe. Contudo, com uma única exceção, não existem pesquisas acadêmicas que revelam à disposição do eleitor em troca o voto por alguma coisa. Este artigo foge do lugar-comum, ao mostrar que o comércio do voto existe, inclusive entre eleitores que declaram que não desejam mudar a sua escolha eleitoral às vésperas da eleição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutor em Ciência Política. Professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Autor de diversos livros sobre eleições, dentre os quais Eleições não são para principiantes: interpretando eventos eleitorais no Brasil, Editora Juruá, 2014. E-mail: adrianopolitica@uol.com.br

Carlos Gadelha, Instituto de Pesquisa Uninassau

Mestre em Estatística pela UFPE. Estatístico do Instituto de Pesquisa Uninassau. E-mail: carlos.gadelha@hotmail.com

Simara Costa, Instituto de Pesquisa Uninassau

Mestre em Estatística pela Universidade Rural de Pernambuco. Estatística do Instituto de Pesquisa Uninassau. E-mail:simaracosta@hotmail.com.

Referências

CARREIRÃO, Yan de Souza. A eleição presidencial de 2002: uma análise preliminar do processo e dos resultados eleitorais. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 22, p. 179-194, jun. 2004.

FIORINA, Morris. Retrospective voting in American national elections. New Haven; London: Yale University, 1981.

GUSMÃO, Luís de. O fetichismo do conceito – Limites do conhecimento teórico na investigação social. Rio de Janeiro: Topbooks, 2012.

LAVAREDA, Antonio. Emoções ocultas e estratégias eleitorais. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2009.

LAVAREDA, Antonio, TELLES, Helcimara (orgs). A lógica das eleições municipais. Rio de janeiro: FGV, 2016.

OLIVEIRA, Adriano; GADELHA, Carlos; COSTA, Simara. Os sentimentos explicam a escolha dos eleitores? DEBATES, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 193-212, jan-abri. 2016.

OLIVEIRA, Adriano. O estado da arte dos determinantes do voto no Brasil e as lacunas existentes. Sociedade e Cultura, v. 15, n. 1, p. 193-206, jan./jun. 2012.

PIMENTEL JÚNIOR, Jairo Tadeu Pires. Razão e emoção: o voto na eleição presidencial de 2006. Opinião Pública, Campinas, v. 16, n. 2, p. 516-541, nov. 2010.

PEIXOTO, Vítor; RENNÓ, Lúcio R. Mobilidade social ascendente e voto: as eleições presidenciais de 2010 no Brasil. Opinião Pública, v. 17, p. 304-332, 2011.

SINGER, André. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro. São Paulo: Edusp, 2000.

SINGER, André. As raízes sociais e ideológicas do lulismo. Novos Estudos, n. 85, p. 82-103, dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2017.

SPECK, Bruno Wilhelm. A compra de votos: uma aproximação empírica. Opinião Pública, Campinas, v. IX, n. 1, p. 148-169, nov. 2003.

Publicado
2018-06-29
Como Citar
OLIVEIRA, A.; GADELHA, C.; COSTA, S. EXISTEM ELEITORES QUE COMERCIALIZAM O VOTO?. Revista Observatório , v. 4, n. 4, p. 816-832, 29 jun. 2018.