O PODER DA PREFEITURA, RELAÇÕES ÍNTIMAS E O VOTO RETROSPECTIVO: Uma análise da dinâmica eleitoral municipal através do método qualitativo

Palavras-chave: Eleitor, Método qualitativo, Voto retrospectivo

Resumo

Esse artigo mostra as visões de mundo dos eleitores para com o processo eleitoral de dois municípios de Pernambuco através do método qualitativo. A técnica focus groups (grupos focais) foi utilizada para a coleta de dados e posterior construção da interpretação dos contextos sociais abordados. Inicialmente, narramos as visões de mundo dos eleitores. Nesta narrativa evidenciamos o que os eleitores pensam sobre economia local, problemas da cidade e como ocorre a disputa eleitoral.  Em seguida, os dados contidos na narrativa sofrem interpretação. Dela surgem conceitos que clarificam a dinâmica eleitoral dos municípios pesquisados. O poder da prefeitura na disputa eleitoral, a relação íntima entre indivíduo e político e a limitação explicativa do voto retrospectivo para a compreensão da escolha do eleitor são as principais conclusões deste artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutor em Ciência Política. Professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Autor de diversos livros sobre eleições, dentre os quais Eleições não são para principiantes: interpretando eventos eleitorais no Brasil, Editora Juruá, 2014. E-mail: adrianopolitica@uol.com.br

Carlos Gadelha, Instituto de Pesquisa Uninassau

Mestre em Estatística pela UFPE. Estatístico do Instituto de Pesquisa Uninassau. E-mail: carlos.gadelha@hotmail.com

Simara Costa, Instituto de Pesquisa Uninassau

Mestre em Estatística pela Universidade Rural de Pernambuco. Estatística do Instituto de Pesquisa Uninassau. E-mail: simaracosta@hotmail.com

Referências

ALMEIDA, Alberto Carlos. A cabeça do eleitor: estratégia de campanha, pesquisa e vitória eleitoral. Rio de Janeiro: Record, 2008.

ACHEN, Christopher H; BARTELS, Larry M. Democracy for realists – Why elections do not produce responsive government. New Jersey: Princeton University Press, 2016.

BARBOSA, Lívia. O jeitinho brasileiro: a arte de ser mais igual que os outros. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BOUDON, Raymond (Dir.). Tratado de sociologia. Tradução de Teresa Curvelo. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1995.

DAHL, Robert. Análise política moderna. Tradução de Sérgio Bath. Brasília: UNB, 1981.

FIORINA, Morris. Retrospective voting in American national elections. New Haven; London: Yale University, 1981.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. P. 93 – 369.

GONDIM, Sônia Maria Guedes. Revista Paidéia, Ribeirão Preto, v. 12, n. 24, p. 149-161, jan./abri. 2002.

GUSMÃO, Luís de. O fetichismo do conceito – Limites do conhecimento teórico na investigação social. Rio de Janeiro: Topbooks, 2012.

KEIL, Ivete Manetzeder. Grupo Focal: Algumas notas sobre questões práticas. Revista Debates, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 49-59, jan./abri. 2015.

KING, Gary, KEOHANE, Robert, VERBA, Sidney. 1994. Designing Social Inquiry: Scientific Inference in Qualitative Research. New Jersey. Princeton University Press.

KUSCHNIR, Karina. Antropologia da política. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

______. O cotidiano da política. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

LAVAREDA, Antonio, TELLES, Helcimara (org). A lógica das eleições municipais. Rio de janeiro: FGV, 2016.

______, Antonio, TELLES; Helcimara (org). Como o eleitor escolhe seu prefeito – Campanha e voto nas eleições municipais. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

MEAD, Margaret; BENEDICT, Ruth; SAPIR, Edward. Cultura e personalidade. Organização Celso Castro. Tradução Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2015.

OLIVEIRA, Adriano. (org.). Eleições não são para principiantes: interpretando eventos eleitorais no Brasil. Curitiba, PR: Juruá, 2014.

OLSON, Marcun. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: Edusp, 1999.

SOUZA, Jessé. Os batalhadores brasileiros – Nova classe media ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

VEIGA, Luciana; GONDIM, Sônia Maria Guedes. A Utilização de Métodos Qualitativos na Ciência Política e no Marketing Político. Opinião Pública, Campinas, Vol. VII, nº1, pp. 1-15, 2001.

VILELA, Jorge Mattar. Política e eleições no sertão de Pernambuco – O povo em armas. Campinas: Pontes Editores, 2008.

Publicado
2017-08-01
Como Citar
OLIVEIRA, A.; GADELHA, C.; COSTA, S. O PODER DA PREFEITURA, RELAÇÕES ÍNTIMAS E O VOTO RETROSPECTIVO: Uma análise da dinâmica eleitoral municipal através do método qualitativo. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 472-500, 1 ago. 2017.