A PRESENÇA MARANHENSE EM PALMAS-TOCANTINS: identidade social, estigma e preconceito

Palavras-chave: Maranhenses, preconceito, identidade, estigma

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar o resultado de um estudo desenvolvido em Palmas, capital do estado do Tocantins, sobre a construção do estigma e preconceito presentes nas relações entre a população oriunda do Estado do Maranhão e os habitantes da nossa capital, no sentido de compreender a construção do estigma de “maranhense”, atribuído geralmente às pessoas consideradas inferiores ou com alguma dificuldade no desempenho de suas atividades. Para tanto, são levados em consideração os conceitos de identidade no contexto da migração, tendo em vista que a cidade de Palmas conta com uma população que comporta pessoas das mais variadas regiões do país que para aqui se deslocaram em busca de melhores condições de vida. A metodologia utilizada contemplou primeiramente a revisão da literatura e, em seguida, uma pesquisa qualitativa através da aplicação de questionários abertos e entrevistas direcionadas aos maranhenses residentes em Palmas. Foram aplicados 37 questionários para ambos os sexos, sendo 19 para sexo feminino e 18 para o sexo masculino.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Vandilo dos Santos, Universidade Federal do Tocantins

Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Mestre em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Bacharel em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Licenciado em Ciências Sociais também pela UFPB. Professor da UFT, campus Palmas. e-mail: jvandilo@uft.edu.br

Odisséia Aguiar Campos, Universidade Federal do Tocantins

Graduanda em Arquitetura e Urbanismo-UFT. Bolsista de Iniciação Científica. E-mail: seinha01@hotmail.com

Referências

ADAMS, Cristina; MURRIETA, Rui; NEVES, Walter. (Orgs.) Sociedades caboclas amazônicas – Modernidade e invisibilidade. São Paulo : Annablume, 2006.

ALBUQUERQUE JR. Durval Muniz de. Preconceito contra a origem geográfica e de lugar – As fronteiras da discórdia. São Paulo: Cortez, 2007.

ALMEIDA, Alberto Carlos. A cabeça do brasileiro. 2. Ed. Rio de Janeiro: Record, 2007.

BARROS, Otávio. Tocantins, Conhecendo e Fazendo História, SECOM, Palmas, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Rio de Janeiro : Zahar, 2005.

BDALA JÚNIOR, Bejamin (org.) Margens da cultura: mestiçagem, hibridismo e outras misturas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

CANCLINE, Nestor Garcia. Culturas híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 1997.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. 2. ed. São Paulo : Paz e Terra, 2000.

ELIAS, Nobert. Os estabelecidos e os Outsiders. Rio de Janeiro : Jorge Zahar Ed., 2000.

GOFFMAN, Erving. Estigma – notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro : Ed. Guanabara, 1988.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 3. ed. Rio de Janeiro : DP&A, 1999.

___________. Da Diáspora – Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte : Ed. UFMG, 2006.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização – Do “fim dos territórios” à Multiterritorialidade. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 2004.

MACHADO, Cristina Gomes. Multiculturalismo, muito além da riqueza e da diferença. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. (o que você precisa saber sobre....)

MARTINS, José de Souza. A sociabilidade do homem simples – Cotidiano e História na modernidade anômala. São Paulo : Contexto, 2008.

REVISTA SOCIOLOGIA, São Paulo: Ed. Escala, n. 51, março/abril/2014. ISSN 1980-8747.

SCHWARCZ, M. Lilia e QUEIROZ, Ramos S. (orgs.), Raça e diversidade. São Paulo: Ed. USP, 1996.

SODRÉ, Muniz. Claros e escuros. Petrópolis : Vozes, 1999.

______; PAIVA, Raquel. O império do grotesco. Rio de Janeiro: MAUAD, 2002.

SOUZA, Octávio. Fantasia de Brasil – As identificações na busca da identidade nacional. São Paulo : Editora Escuta, 1994.

WOODWARD, Kathryn. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org). Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. 6. ed. Petrópolis-RJ : Vozes, 2000.

Publicado
2016-08-31
Como Citar
SANTOS, J. V. DOS; CAMPOS, O. A. A PRESENÇA MARANHENSE EM PALMAS-TOCANTINS: identidade social, estigma e preconceito. Revista Observatório, v. 2, n. 3, p. 308-324, 31 ago. 2016.