PRECONCEITO LINGUÍSTICO: Origem na Sociedade; Término na Escola

Palavras-chave: preconceito linguístico, escola, sociedade

Resumo

No presente artigo, expomos, brevemente, o desenvolvimento e resultado de uma pesquisa que relacionou o preconceito linguístico à educação. Postulamos que o preconceito linguístico é social, mas que somente por meio da escola é possível realizar algo efetivo que o combata. Trabalhamos com a Teoria Sociolinguística e com a pedagogia freireana (FREIRE, 1980) realizando discussões com professores e alunos da educação básica sobre conceitos da variação e preconceito linguístico. Como resultado, pudemos perceber uma mudança na postura e reconhecimento dos professores e alunos com relação à existência e malefícios do preconceito linguístico e a relevância do desenvolvimento de atividades que proponham a conscientização a respeito do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maridelma Laperuta-Martins, Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP-CAr; professora do colegiado de Letras da UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná - CFOZ, desde 2003; professora de Linguística e Língua Portuguesa, orientadora de pesquisas relativas à descrição e ensino de língua portuguesa. E-mail: chomsky1928@yahoo.com.br.  

Referências

ABRAÇADO, J. Entrevista com Maria Marta Pereira Scherre sobre preconceito lingüístico, variação lingüística e ensino. Cadernos de letras da UFF: preconceito lingüístico e cânone literário, Niterói, RJ, v. 36, p. 11-26, 2008.

BAGNO, Marcos A. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 22. ed. São Paulo: Loyola, 2003.

______. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação lingüística. São Paulo: Parábola, 2007.

BAKHTIN, Mikhail M. (VOLOSHINOV, Valentin N.). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1999.

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolingüística em sala de aula. 2. ed. São Paulo: Parábola, 2004.

______. Nós cheguemo na escola, e agora? Sociolingüística e educação. 2. ed. São Paulo: Parábola, 2006.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris; MACHADO, Veruska Ribeiro. Os doze trabalhos de Hércules: do oral para o escrito. São Paulo: Parábola, 2013.

BRITO, Luiz Percival Leme. Língua e ideologia. In: BAGNO, Marcos. Norma linguística. São Paulo: Loyola, 2002.

CARDOSO, Clodoaldo Meneguello. Tolerância e seus limites: um olhar latino americano sobre diversidade e desigualdade. São Paulo: Ed. UNESP, 2003.

CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. 39. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

CYRANKA, Lucia Furtado Marcondes. Atitudes lingüísticas de alunos de escolas publicas de Juiz de Fora-MG. 2007. – Tese – Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.

FARACO, Carlos Alberto. O Brasil entre a norma culta e a norma curta. In.: BAGNO, M.; LAGARES, X. C. (Orgs.). Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2011.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação. 3. ed. São Paulo: Ed. Moraes, 1980.

______. Pedagogia do oprimido. 17.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

______. Pedagogia da autonomia. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GNERRE, Maurizio. Linguagem, escrita e poder. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

LEITE, Marli Quadros. Preconceito e intolerância na linguagem. São Paulo: Contexto, 2008.

MARIANI, B. Entre a evidência e o absurdo: sobre o preconceito lingüístico. Cadernos de letras da UFF: preconceito lingüístico e cânone literário, Niterói, RJ, v. 36. p. 27-44, 2008.

MILROY, James. Ideologias linguísticas e as consequências da padronização. In: BAGNO, M.; LAGARES, X. C. Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2011.

RAMOS, Heloisa. Livro Didático. Disponível em: <http://www.acaoeducativa.org.br/downloads/V6Cap1.pdf>. Acesso em: 30 maio 2011 (em 23 out. 2016, o sítio não se encontrava disponível).

SAVIANI, Demerval. Escola e Democracia. Ed. comemorativa. São Paulo: Autores Associados, 2008.

SCHERRE, Maria Marta Pereira. Doa-se lindos filhotes de poodle: variação lingüística, mídia e preconceito. São Paulo: Parábola, 2005.

__________. Entrevista. Disponível em: <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI110515-17774,00-O+PRECONCEITO+LINGUISTICO+DEVERIA+SER+CRIME.html>. Acesso em: 24 out. 2016

Publicado
2017-03-30
Como Citar
LAPERUTA-MARTINS, M. PRECONCEITO LINGUÍSTICO: Origem na Sociedade; Término na Escola. Revista Observatório , v. 3, n. 1, p. 305-326, 30 mar. 2017.
Seção
Tema Livre / Free Theme / Tema Libre