RECONFIGURAÇÕES DO TRABALHO E DA IDENTIDADE DE JORNALISTAS: reflexões com base em pesquisa no período de pandemia de Covid-19

Autores

  • Roseli Figaro University of São Paulo
  • João Augusto Moliani University of Paraná
  • Fernando Felício Pachi Filho University of São Paulo
  • Cláudia Nonato Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0002-5447-9761

DOI:

https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2022v8n1a7pt

Palavras-chave:

identidade profissional de jornalistas, jornalistas, trabalho jornalístico, comunicadores

Resumo

Este artigo traz uma reflexão acerca do que se delineia como identidade profissional dos jornalistas. A análise parte de uma pesquisa  realizada pelo CPCT-ECA/USP em 2021, e cujo corpus é composto por respostas dos profissionais de todos os Estados, que trabalham no jornalismo e em áreas correlatas. A relação das respostas válidas apontou que mais da metade dos respondentes declarou se identificar como jornalista; informação que vem acompanhada, ao longo da pesquisa, pela declaração da função e da atividade que realizam como jornalistas, razão que nos levou a essa reflexão. Para tanto, apresentamos os dados da pesquisa, discutimos o que se entende por identidade profissional, vinculada a valores e, por fim, fazemos algumas ponderações à título de conclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roseli Figaro, University of São Paulo

Associate Professor at the School of Communications and Arts at the University of São Paulo, Research Productivity Scholarship at CNPq Level 2 and coordinator of the Center for Research in Communication and Work (CPCT/ECA-USP).

João Augusto Moliani, University of Paraná

Adjunct professor at the Federal Technological University of Paraná (UTFPR) and researcher at the Center for Research in Communication and Work (CPCT/ECA-USP). moliani@utfpr.edu.br

Fernando Felício Pachi Filho, University of São Paulo

Professor at the Faculty of Thermomechanical Technology, post-doctoral fellow and researcher at the Center for Research in Communication and Work (CPCT/ECA-USP). pro8138@cefsa.edu.br

Cláudia Nonato, Universidade de São Paulo

Post-doctoral fellow, CNPq grantee, at the School of Communications and Arts of the University of São Paulo and vice coordinator of the Research Center in Communication and Work (CPCT/ECA-USP). claudia.nonato@uol.com.br

Referências

ADGHIRNI, Zélia Leal; RIBEIRO, Gilseno de Souza Nunes. Jornalismo online e identidade profissional do jornalista.In: Encontro Nacional da COMPÓS. Anais. DF: Universidade de Brasília, 2011. Disponível em :http://www.compos.org.br/data/biblioteca_1214.pdf. Acesso em: 21 jan. 2022.
ANTUNES, Ricardo . O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.
BARBOSA, S.; SILVA, F. F. da; NOGUEIRA, L.; ALMEIDA, Y. A atuação jornalística em plataformas móveis. Estudo sobre produtos autóctones e a mudança no estatuto do jornalista. Brazilian journalism research, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 10–29, 2013. DOI: 10.25200/BJR.v9n2.2013.549. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/549. Acesso em: 20 jan. 2022.
AUTOR. (Coord) Relatório da pesquisa - Como trabalham os comunicadores no contexto de um ano da pandemia de Covid-19 [recurso eletrônico] : ...1 ano e 500 mil mortes depois – São Paulo : ECA-USP : Centro de Pesquisa em Comunicação e Trabalho, 2021.
FONSECA, Virginia Pradelina S. Questões sobre a identidade do jornalista contemporâneo. Estudos em Jornalismo e Mídia - Ano V - n. 2 pp. XX - XX jul./ dez. 2008. Disponível em: <
https://doi.org/10.5007/1984-6924.2008v5n2p129> Acesso em 20 jan. 2022
FONSECA, Virgínia Pradelina S.; KUHN, Wesley L. Jornalista contemporâneo: apontamentos para discutir a identidade profissional. Intexto. Vol 2 n. 21, 2009. Disponível em:< https://seer.ufrgs.br/intexto/article/view/11053 >Acesso em 20 jan. 2022.
GENRO FILHO, Adelmo.. O segredo da pirâmide. Para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2012.
GROHMANN, Rafael. Plataformização do trabalho: características e alternativas. In: ANTUNES, R. (org.). Uberização, trabalho digital e indústria 4.0. São Paulo: Boitempo, 2020.
AUTOR2. O trabalho em agências de comunicação: processos produtivos e densificação da atividade no jornalismo de rabo preso com o cliente. Tese doutorado. ECA_USP, 2020. Disponível em: https://nuvem.utfpr.edu.br/index.php/s/SMxJwJm5X3kD2zg
MOROZOV, Evgeny. Big Tech. A ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo: Ubu, 2020.
PEREIRA, Fábio Henrique. A elite dos jornalistas brasileiros: representativi¬dade e legitimidade dentro do grupo profissional. Biblioteca online de Ciências da Comunicação (BOCC), 2005. Disponível em http://bocc.ubi.pt/pag/pereira-fabio-elite-dos-jornalistas-brasileiros.pdf>Acesso em 20 jan. 2022.
SCHWARTZ, Y..; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2007.
SRNICEK, Nick. Capitalismo de plataformas. Buenos Aires: Caja Negra Editora, 2018.
TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo. Vol.II A tribo jornalística. Uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular, 2005.

Publicado

2022-04-01

Como Citar

FIGARO, Roseli; MOLIANI, João Augusto; PACHI FILHO, Fernando Felício; NONATO, Cláudia. RECONFIGURAÇÕES DO TRABALHO E DA IDENTIDADE DE JORNALISTAS: reflexões com base em pesquisa no período de pandemia de Covid-19. Revista Observatório , [S. l.], v. 8, n. 1, p. a7pt, 2022. DOI: 10.20873/uft.2447-4266.2022v8n1a7pt. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/13791. Acesso em: 20 jun. 2024.