HISTÓRIA ORAL E FOLKCOMUNICAÇÃO: em busca de uma abordagem interdisciplinar na Festa do Divino Espírito Santo de Natividade –Tocantins

Palavras-chave: História Oral, Folkcomunicação, Divino Espírito Santo, Festas religiosas, Natividade.

Resumo

Este artigo busca compreender os aspectos comunicacionais dos elementos religiosos da Festa do Divino Espírito Santo de Natividade – Tocantins, além de trazer da memória do grupo participante dessa manifestação algo mais antigo e que tenha relação entre a produção dos saberes e a ocupação dos espaços por grupos sociais que buscam assegurar a reprodução de suas marcas identitárias, utilizando o campo da folkcomunicação e da história oral como referencial metodológico e suporte teórico. A pesquisa é participante, na qual aplicamos a vertente da tradição oral, com entrevistas e observação, como método que dá suporte à interdisciplinaridade. Com isso, percebemos que será pelos processos históricos de produção, reprodução e negociação dessas memórias e identidades religiosas que percebemos a importância da perspectiva da metodologia da História Oral e da Folkcomunicação para prover a abordagem interdisciplinar que a pesquisa necessita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Haizenreder Ertzogue, UFT - Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professora Associada. Leciona no curso de História na Universidade Federal do Tocantins (UFT). Docente do Programa de Pós-graduação em Ciências do Ambiente (CIAMB) Mestrado e Doutorado. Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociedade (Mestrado) - UFT. E-mail: marina@mail.uft.edu.br.

Poliana Macedo de Sousa, UFT - Universidade Federal do Tocantins

Mestra em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins - UFT (2012), graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo (2007) e especialista Lato Sensu em Cidadania e Cultura (2009) pela mesma instituição. Atualmente é Servidora Pública Federal atuando como técnico administrativo na Diretoria de Pesquisa da UFT, Professora convidada do curso de Jornalismo na disciplina "Comunicação Comunitária" da UFT e Editora Administrativa da Desafios - Revista Interdisciplinar da Universidade Federal do Tocantins. E-mail: polimacedo@uft.edu.br.

Referências

ABREU, Martha. O império do Divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro, 1830-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: Fapesp, 1999.

BELTRÃO, Luís. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez Editora, 1980.

BENJAMIN, Roberto. Folkcomunicação: da proposta de Luiz Beltrão à contemporaneidade. Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, 8-9, enero/diciembre 2008. Disponível em: <http://www.alaic.net/portal/revista/r8-9/cientifica_06.pdf>. Aceso em: 15 Nov 2011.

BOLL, Armindo, OLIVEIRA, Marcelo Pires de. A Pesquisa de Campo em Folkcomunicação - Escolhas de métodos de coleta de dados – o caso da história oral na pesquisa com as figureiras de Tabuaté. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE FOLKCOMUNICAÇÃO. 8, 2005, Teresina. Disponível em: <http://encipecom.metodista.br/mediawiki/images/7/73/GT1-007-Pesquisa_de_campo-_Armindo_e_Marcelo.pdf>. Acesso em: 02 jul 2010.

CORREIA, Silvia. A CGTP, a história oral e o estudo dos trabalhadores. In: Le Monde diplomatique (edição portuguesa) – II série, nº 51- Janeiro 2011.

DURKHEIN, Emile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. 3ª Ed. São Paulo: Paulus, 2008.

FERREIRA, Marieta de Moraes & AMADO, Janaína (orgs.). Usos e abusos da história oral. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 1991.

HUFF JUNIOR, Arnaldo Érico. Campo religioso brasileiro e história do tempo presente. Cad. CERU, São Paulo, v. 19, n. 2, dez. 2008. Disponível em: <http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-45192008000200004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 18 jan. 2012.

HUSSERL, Edmund. A idéia da Fenomenologia. Tradução: Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1990.

JOUTARD, Phillip. Memória coletiva. In: BURGUIÉRE, A. (Org.). Dicionário das ciências históricas. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. 5ª ed. - São Paulo: Edições Loyola, 2005

MELLO MORAES, Filho. Festas e tradições populares do Brasil. Belo Horizonte – Rio de Janeiro: Editora Itatiaia, 1999.

MESSIAS, Noeci Carvalho. Religiosidade e devoção: as festas do Divino e do Rosário em Monte do Carmo e em Natividade – TO. 2010, 352 f. Tese (Doutorado em História). Faculdade de História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010. Disponível em:

<http://portais.ufg.br/uploads/113/original_Tese_Noeci_Carvalho_Messias.pdf>. Acesso em 23 ago 2011.

PREFEITURA DE NATIVIDADE. História e Localização geográfica. Disponível em: <http://www.natividade.to.gov.br/> Acesso em: 19 jul 2010.

PRINS, Gwyn. História Oral In: BURKE, Peter. A Escrita da História: novas perspectivas. 2ª ed. - São Paulo: UNESP, 1992.

SANDIOCA, Elena Hernandez. Tendencias historiográficas actuales – Escribir historia hoy. Madrid: Ediciones Akal, 2004.

SANTOS, Claudefranklin Monteiro. A Festa como objeto de pesquisa histórica no campo da religiosidade. In: ENCONTRO SERGIPANO DE HISTÓRIA. 12, 2008, Aracaju. Disponível em: . Acesso em: 13 mai 2010.

SILVA, Edna Lúcia da. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação/Edna

Lúcia da Silva, Estera Muszkat Menezes. – 3. ed. rev. atual.– Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.

Fonte Oral

ARAÚJO, Simone Camêlo. [47 anos]. [Outubro/2011]. Entrevistador: Poliana Macedo de Sousa. Natividade, Tocantins. Entrevistada em 03 de outubro de 2011

Publicado
2016-05-30
Como Citar
ERTZOGUE, M. H.; SOUSA, P. M. DE. HISTÓRIA ORAL E FOLKCOMUNICAÇÃO: em busca de uma abordagem interdisciplinar na Festa do Divino Espírito Santo de Natividade –Tocantins. Revista Observatório, v. 2, n. 2, p. 380-402, 30 maio 2016.