O TERRITÓRIO E A IDENTIDADE QUILOMBOLA

o caso da comunidade afrodescendente Mata Grande no município de Monte do Carmo – TO

  • Olegário B. Ribeiro Neto Universidade Federal do Tocantins
  • Elizeu Ribeiro Lira Universidade Federal do Tocantins
Palavras-chave: Território, Identidade, Comunidade

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar algumas considerações acerca do Território e da identidade quilombola, e a territorialidade quilombola expressas pela comunidade afrodescendente da Mata Grande no município de Monte do Carmo - TO. Dentre os principais tópicos estão os conceitos de “território, identidade territorial quilombola e comunidade quilombola”, para compreender o processo de construção da identidade quilombola. A metodologia empregada foram por meio de questionário, associando ao aparato teórico da Geografia e das Ciências afins, que enfocam a importância do território como condição de reprodução social da vida. As comunidades quilombolas tomaram maior visibilidade a partir da Constituição Federal de 1988, que garantiu o direito a propriedade da terra a esses grupos sociais. O Decreto nº 4887/2003 reconheceu como critério de definição a auto-determinação dessas comunidades.

Referências

ALMEIDA, M.G. e TAVARES, M.E.G. Fronteiras Étnico-Raciais: O Negro Na Formação Da Cultura Tocantinense. In, Território E Diversidade Territorial No Cerrado: CIDADES, PROJETOS REGIONAIS E COMUNIDADES TRADICIONAIS. Ed. Kelps, Goiânia-GO, 2013.

ANJOS, Rafael Sânzio Araújo dos. Quilombos – Geografia Africana, Cartografia, Étnica, Territórios Tradicionais. Brasília: Mapas Editora e Consultoria, 2009.

AWDRIN, J. M. “Os Sertanejos que eu Conheci”, Rio do Janeiro. Livraria José Olympio Editora, 1963.

BATISTA, Paula Carolina. Políticas Públicas Culturais Para Construção da Identidade Quilombola. CELACC/ECA – USP 2011.

BORBA, Carolina dos Anjos de. Território Quilombola: identidade e inclusão social – O caso de Rincão dos Martimianos, Restinga Seca/RS. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC Vol. 3 n. 1 (1), agosto-dezembro/2006, p. 86-99 ISSN 1806-5023.
BORDO, Adilson Aparecido. et. al. As Diferentes Abordagens do Conceito de Território. “O tempo, o espaço e o território: uma questão de método”, ministrada no nível de Mestrado junto à FCT/UNESP em 2004. http://geopibidufv2011.blogspot.com.br/2012/05/as-diferentes-abordagens-do-conceito-de.html.

COELHO, Leonidia. Batista. Relatório Antropológico de reconhecimento da comunidade Quilombola Mata Grande. Palmas, maio 2008.

CRESPO, Matheus Pepe. Um estudo sobre o conceito de território na análise geográfica. III Encontro de Geografia e VI Semana de Ciências Humanas a geografia e suas vertentes: reflexões 16 a 19 de novembro 2010 Instituto Federal Fluminense Campos dos Goytacazes – RJ centro acadêmico de geografia ISSN 2179-3263
FIABANI, Adelmir. Mato, palhoça e pilão: o quilombo da escravidão às comunidades remanescentes (1532-2004). 1.ed.São Paulo: Expressão Popular, 2005.

FUNDAÇÃO CULTURAL DO ESTADO DO TOCANTINS. Relação das comunidades reconhecidas como remanescentes de quilombos – Tocantins. 2014.

GOMES, Elvanir Matos. Rosário dos Congos na Festa do Carmo. Porto Nacional: Pote, 2004.

HAESBAERT, Rogério (2002). Territórios Alternativos. Niterói: EdUFF, São Paulo. Contexto.

LIRA, E.R. e VALADARES, A.R. Aspectos Socioculturais E Econômicos Da Comunidade Afrodescendente São Joaquim No Município De Porto Alegre-TO. In, Território E Diversidade Territorial No Cerrado: CIDADES, PROJETOS REGIONAIS E COMUNIDADES TRADICIONAIS. Ed. Kelps, Goiânia-GO, 2013.

LIRA, E. R. Os Congos do Tocantins: Africanidade e resistência cultural. Mimeo: 2003.
LIRA, E. R. Os Congos na Festa do Carmo: Alguns Entendimentos Iniciais. Almanaque cultural do Tocantins, ano 02, volume 12, Palmas Nov. 2000.

LOPES, Maria Aparecida de Oliveira: Experiências Históricas dos Quilombos no Tocantins: Organização, Resistencia e Identidade. UNESP-FCLAS- CEDAP, V, 5, N-1, P.107-126-out-2009.

MALCHER, Maria Albenize. Identidade Quilombola e Território. In: Comunicações do III Fórum Mundial de Teologia e Libertação. Belém,21 a 25 de janeiro, 2009, pp. 399 421.

MONTEIRO, Karoline dos Santos; GARCIA, Maria Franco.Tradição e resistência dos territórios “remanescentes” de quilombos: a Comunidade Negra de Gurugi, Paraíba. ENG, Porto Alegre, 2010.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Modo capitalista de produção e agricultura. 2. ed. São Paulo: Ática, 1987.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Modo capitalista de produção, agricultura e reforma agrária. São Paulo: GESP/LABUR/FFLGH/USP, 2007.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

RANGEL, Kátia Souza. De bairro rural a território quilombola: um estudo da comunidade do Mandira. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-25052012-085900/en.php.

SANTOS, Milton. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1985.

SANTOS, Milton.Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2002a.

SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A. de; SILVEIRA, M. L. (org.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec; Annablumme, 2002b.

SILVA, Elson Alves da. A Educação Diferenciada para o Fortalecimento da Identidade Quilombola: Estudo das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Vale do Ribeira. dissertação de mestrado em Educação: História, Política, Sociedade, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2011).

SILVA, Jamile Santos Melo; SOUZA, Suzane Tosta. Quilombo de Barrocas em Vitória da Conquista/BA: histórias e tradições de um povo.
http://www.uesb.br/eventos/sbga/anais/arquivo/arquivo%2030.pdf

SILVA, Martiniano José da. Quilombos do Brasil Central: séculos XVIII e XIX (1719-1888). Introdução ao Estudo da Escravidão. Universidade Federal de Goiás – UFG. Dissertação de Mestrado. Goiânia 1998.

SILVEIRA, Aline da Fonseca Sá de. A Identidade Quilombola e o Processo de Reconhecimento de Terras. XXI Encontro Nacional de Geografia Agrária. A IDENTIDADE QUILOMBOLA E O PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE TERRAS. 2012.

TRECCANI, Girolamo Domenico (2006). Terras de Quilombos, Programa Raízes. Fontes Primárias.
Publicado
2017-01-19
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo(s) mesmo(s) autor(es)