ASPECTOS ETNICO - CULTURAISDO GRUPO DE CONGOS DA COMUNIDADE AÇUDE NO MUNICIPIO DE SANTA ROSA-TO

Palavras-chave: Comunidades tradicionais, Congos, Cultura Afro-Brasileira.

Resumo

Este Artigo tem como principal objetivo, analisar as representações culturais do grupo de Congo da comunidade Açude como um espaço de resistência em comunidades tradicionais afros do Tocantins, com vista a entender como se desenvolve as manifestações culturais e o modo de produção cultural na comunidade. No decorrer do trabalho procurou-se, entender as origens dos Congos da comunidade através de seus costumes e manifestações culturais; os credos e a religiosidade e quais suas relações com as ancestralidades africanas a partir dos rituais dos Congos. Pretendeu - se, investigar, os fragmentos de artes africanas da comunidade através dos ritmos das musicas e das danças dos Congos; Analisar, o processo de inserção da comunidade no mundo urbano; Investigar também sobre, a situação fundiária do território atual e imemorial da comunidade afrodescendente Açude. Diante dos resultados parciais da pesquisa pode-se avaliar e compreender os principais aspectos relacionados ao Grupo de Congo como um símbolo de resistência e preservação de ancestralidade africana no município de Santa Rosa do Estado do Tocantins.

Referências

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Peões, Preto e Congo. Brasília: Ed. UNB, 1977.

CAMPOS, Andrelino. Do Quilombo a Favela. Rio de Janeiro: Bertrand, 2010.

SILVA, Petronilha; Beatriz Gonçalves; BARBOSA, Lucia Maria de Assunção

(Orgas.). O pensamento negro em educação no Brasil: expressões do movimento

negro. São Carlos: EDUFSCar, 1997. 104 p.

______. Pesquisa em Educação com base na Fenomenologia . Rio de Janeiro:

Associação Nacional de Pesquisa em Serviço Social, v.1, Ano 1, 1990. p. 110-131.

GOMES, Elvanir Matos. O Rosário dos Congos na Festa do Carmo. Porto Nacional: Pote, 2004.

GOMES, Horieste. Revistando um Quilombo Brasileiro. Goiânia: Ed. da Universidade Católica, 2001.

HORTA, Maria de L. P. Guia Básico de Educação Patrimonial. Museu Imperial, 1999.

MEIHY, José C. S. B. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 1996.

MAIA, Doralice S. A Geografia e o Estudo das Tradições. Terra Livre, AGB, São Paulo, n.16, 2001.

MATTOSO, Kátia de Queirós. Ser Escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003.

NEVES, Maria de Fátima Rodrigues das. Documentos sobre a escravidão no Brasil. 3 ed. São Paulo: Contexto, 2002.

PIRES, Antônio Liberac; OLIVEIRA, Rosy (orgs.). Sociabilidades Negras. Comunidades Remanescentes, Escravidão e Cultura. Belo Horizonte: Gráfica Daliana Ltda., 2006.

REIS, João José; GOMES, Flávio dos Santos (orgs.). Liberdade por um fio: História dos Quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

SANTOS, José Luiz dos. O que é Cultura. São Paulo: Brasiliense, 1996.

ALGARVE, Aparecida Valéria. SOUZA, Liliane Carvalho. Cultura negra na sala de aula: Pode um cantinho africanidades elevar a auto estima de crianças negras e melhorar o relacionamento entre crianças negras e brancas? 2004. 274p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação e Ciências Humanas, Programa de Pós - Graduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos, 2004.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; REIS, Letícia Vidor de Souza. Negras Imagens: Ensaios sobre Cultura e Escravidão no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1996.

SAHR, Cicilian L. L. et. al. Geograficidade Quilombola: estudo etnográfico da comunidade de São João, Adrianopolis, Paraná. Ed. UEPG, 2011.

PIRES, Antônio Liberac; As Associações dos homens de cor e a Imprensa Negra Paulista: Movimentos negros, cultura e política no Brasil Republicano (1915 a 1945). Ed.Gráfica Dalianaltda, BH, 2006.

Publicado
2016-03-17