O Leitor e suas Implicações em Uma Certa Felicidade, de Sonia Coutinho

  • Luciana Asadczuk Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: Leitor, Memórias, Sonia Coutinho.

Resumo

O leitor é peça fundamental para o funcionamento da literatura. Mas nem sempre foi assim. Por muito tempo a estética se preocupou somente com a importância do autor, deixando de lado o leitor. Hoje, o leitor é quem contribui na construção de narrativas, dando sentido a elas. Isso trouxe outras implicações. Surgiu-se o leitor-modelo, autor-modelo, pontos de indeterminações a serem preenchidos pelo leitor, que nem sempre conseguem ser preenchidos. Muitas vezes a leitura não satisfaz o leitor, pois ele precisa saber jogar o jogo da narrativa para compreendê-la.  Pensando nisso, este artigo tem como objetivo analisar o conto Uma certa felicidade da autoria de Sonia Coutinho. Serão observados o leitor e o autor-modelo, como estes são construídos na narrativa, bem como as memórias da personagem principal e suas implicações. Trata-se de uma narrativa confusa e lacunar, o que faz com que o leitor sinta-se desafiado a ir mais a adiante na leitura para uma melhor compreensão. Para a análise serão observados os conceitos de Umberto Eco (1994), W. Iser (1999), Vicent Jouve (2002), Jauss (1979) e Henri Bergson (1999).

Biografia do Autor

Luciana Asadczuk, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Licenciada em Letras Português/Francês e Respectivas Literaturas pela UEPG. Especialista em Literatura e Cultura pelo Centro Universitário Barão de Mauá-Ead. Mestranda em Linguagem, Identidade e Subjetividade na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Publicado
2016-12-22