Porto das Letras https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras <p>A revista Porto das Letras é uma publicação trimestral do Programa de Pós-graduação em Letras da UFT do Campus de Porto Nacional. A revista tem o objetivo de divulgar artigos e resenhas inéditos da área de Literatura, Linguística e Ensino de Língua e Literatura. É voltada a pesquisadores mestres e doutores, discentes de pós-graduação e profissionais da área de Letras e Linguística e apresenta as seguintes seções: Dossiê Temático, Estudos Liguísticos, Estudos Literários, Seção Livre e Resenhas.</p> pt-BR Porto das Letras 2448-0819 <p>Os autores concordam com os termos da Declaração de Direito Autoral, que se aplicará a esta submissão caso seja publicada nesta revista (comentários ao editor podem ser incluídos a seguir).</p> Expediente https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/14384 Daiane Ferreira Alexandre de Melo Sousa André Nogueira Xavier Karylleila dos Santos Andrade Copyright (c) 2022 Porto das Letras 2022-05-23 2022-05-23 8 2 TOPONÍMIA EM LIBRAS: A CRIAÇÃO DE NOVOS SINAIS DE LIBRAS REFERENTES AOS BAIRROS DE PETRÓPOLIS https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/13176 <p><strong>Resumo</strong>: A Libras como meio de comunicação dos surdos, reconhecida pela Lei 10.436/02, vem sendo cada vez mais utilizada na sociedade, assim a produção de topônimos que possam ser usados na interação entre os surdos, bem com ouvintes que transitam junto à comunidade surda, faz-se necessária para viabilizar a comunicação nos ambientes frequentados pelos surdos. O presente trabalho que analisa 22 topônimos da cidade de Petrópolis, RJ, visa demonstrar como as relações de surdos jovens e adultos, incluído os da terceira idade, podem culminar com a criação de topônimos na Libras, respeitando a estrutura gramatical da mesma, a partir de palavras frequentemente utilizadas para nomear os bairros da cidade. A falta de sinais específicos pode levar ao uso excessivo da datilologia, o que muitas vezes leva a uma barreira para a comunicação efetiva, pois alguns surdos, principalmente os mais velhos, e muitos ouvintes têm dificuldade de compreender o que está sendo sinalizado. E mesmo entre as crianças surdas, muitas desconhecem o endereço de sua casa, escola, avós, por não terem acesso aos sinais próprios dos bairros por onde transitam. A análise toponímica dos sinais de 21 bairros de Petrópolis, certamente, levará a melhor compreensão de sua historicidade e relação cultural com seus usuários.</p> <p><strong>Palavras chave: </strong>Libras, topônimos, criação de sinais, bairros, Petrópolis.</p> Luciane Cruz Silveira Copyright (c) 2022-05-23 2022-05-23 8 2 a22001 a22001 ASPECTOS ESTRUTURAIS E MOTIVACIONAIS DOS SINAIS TOPONÍMICOS DOS BAIRROS DE IMPERATRIZ/MA https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/14382 <p>Este artigo tem como objetivo analisar, pelo viés fonomorfológico e motivacional, os sinais toponímicos dos bairros de Imperatriz/MA, criados pelos membros de uma comunidade surda local. Trata-se de um estudo bibliográfico, de cunho exploratório e descritivo, com uma abordagem qualitativa. Foi realizada uma consulta aos surdos da cidade para constatar os sinais utilizados para os seus bairros. Três surdos foram convidados a discorrer sobre os sinais toponímicos que conheciam a fim de serem registrados em fichas lexicográficas toponímicas que abarcassem as especificidades da Língua Brasileira de Sinais (Libras). Para isso, foi utilizada a ficha lexicográfica de Sousa e Quadros (2019) e a adaptada de Dick (2004). Também foram consultados os seguintes autores: Biderman (1998), Costa (2015), Couto <em>et al</em>. (2016), Dick (1990, 1992), Lara (2006), Lyons (1981), abordaram o conhecimento do léxico e da toponímia; Stokoe (1960), Batisson (1974), Brito (1995), Faria-Nascimento (2009), Quadros e Karnopp (2004), Strobel (2018) e Sousa (2019; 2021; 2022) ofereceram fundamentos teóricos dos estudos linguísticos em Língua de Sinais, associados ao léxico, ao sinal toponímico e à cultura surda. A relevância deste estudo está em poder contribuir com a análise e com a divulgação dos sinais toponímicos, no nível macro e micro, apresentando as marcas culturais dos surdos a partir da criação de sinais no contexto regional. &nbsp;</p> Zanado Pavão Sousa Mesquita Márcia Suany Dias Cavalcante Maria Célia Dias de Castro Alexandre Melo de Sousa Copyright (c) 2022 Porto das Letras 2022-05-23 2022-05-23 8 2 a22002 a22002 TOPÔNIMOS EM LIBRAS: UM ESTUDO DA MOTIVAÇÃO DOS SINAIS EM QUATRO MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CARAJÁS https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/14038 <p>O presente estudo surgiu de inquietações a respeito da motivação dos sinais de quatro municípios do estado do Pará, especificamente da região dos Carajás, localizado no sudeste deste estado, composto por doze municípios. Contudo, para esta pesquisa dos topônimos em Libras, escolhemos apenas quatro municípios por serem os mais conhecidos na região, bem como os mais utilizados pelas comunidades surdas: Canaã dos Carajás, Eldorado dos Carajás, Marabá e Parauapebas. Para tal análise utilizamos os topônimos apresentados na obra denominada de “Cidades do Pará em Libras” elaborada por Santiago-Vieira et al (2018). Dessa forma, surge a seguinte questão: Quais as motivações para a criação dos topônimos em Libras de quatro municípios da região dos Carajás? &nbsp;Assim, objetivamos analisar as motivações da criação dos topônimos em Libras de quatro municípios da região dos Carajás. Como procedimentos metodológicos, seguindo o modelo taxonômico de Dick (1990) e Souza-júnior (2012), primeiramente analisamos e apresentamos as motivações dos topônimos em Língua portuguesa para posteriormente analisarmos as motivações e os tipos toponímicos em Língua Brasileira de Sinais, realizando também descrição fonológica dos sinais a partir dos cinco parâmetros. Nesse sentido, foi possível identificarmos os topônimos dos tipos historiotopônimo, hidrotopônimo e litotopônimo além de percebermos que dos quatro topônimos analisados três utilizam a taxonomia grafotoponima, sendo identificado mais de uma motivação para a criação de alguns sinais. Notamos ainda que a criação dos topônimos em Libras dos quatro municípios analisados, não possuem relação com as motivações dos topônimos em Língua portuguesa.</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>Toponímia; Libras; Região dos Carajás.</p> Floriete Assunção Ribeiro Melissa Maynara dos Passos Leal Jaqueline Freitas de Miranda Copyright (c) 2022 Porto das Letras 2022-05-23 2022-05-23 8 2 a22003 a22003 TOPONÍMIA EM LIBRAS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIO BRANCO https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/14383 <p>Este artigo tem como objetivo analisar 10 sinais toponímicos de 20 escolas públicas de Rio Branco (AC). A análise desenvolvida foi em relação ao aspecto estrutural, quanto aos tipos de formações morfológicas, e ao aspecto semântico-motivacional, quanto aos possíveis referentes que influenciaram os surdos no ato de criação dos sinais toponímicos. Para tanto, buscamos: i) identificar e catalogar os sinais em Língua Brasileira de Sinais (Libras) das escolas de Rio Branco, de acordo com a ficha proposta de Sousa e Quadros (2019b); ii) classificar os tipos de formações morfológicas dos sinais toponímicos selecionados; iii) identificar os fatores motivacionais dos sinais em Libras que nomeiam 10 escolas de Rio Branco; iv) classificar os sinais (em Libras) que nomeiam as 10 escolas selecionadas, seguindo a proposta taxonômica de Dick (1990, 1992) e colaboradores. Como resultado das análises, identificamos: quanto aos aspectos estruturais, oito são sinais do tipo simples híbrido e dois são sinais do tipo simples; quanto aos aspectos semântico-motivacionais, os sinais apresentaram forte influência da Língua Portuguesa, pois as configurações relacionadas às letras das palavras correspondentes à língua oral estavam presentes em oito dos 10 sinais analisados.</p> Utemara Cristina e Silva Paiva Alexandre Melo de Sousa Copyright (c) 2022 Porto das Letras 2022-05-23 2022-05-23 8 2 a22004 a22004 ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO TOPONÍMICA NA CRIAÇÃO DO SINAL EM LIBRAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL NORTE DO TOCANTINS - UFNT https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/13302 <p>Nomear é uma necessidade humana, quer seja numa língua oral ou em uma língua de sinais. Em alguns casos, é possível rastrear as influências motivadoras que culminam na escolha e na aceitação do nome de um local ou de uma instituição. Em nosso artigo buscamos trilhar as fontes inspiradoras da criação do sinal em Libras da Universidade Federal Norte do Tocantins (UFNT). A pesquisa bibliográfica sobre a Toponímia nos ajudou a alcançar o objetivo do estudo, a saber, compreender como se dá o processo de criação de um sinal em Libras e também nos valemos de uma busca documental para descrever o processo de criação do sinal da Universidade. Nos valemos dos seguintes autores para a construção deste trabalho: Dick (1990) (1992), Seabra (2014), Souza-Junior (2012), Carneiro (2016) e Carneiro; Souza; Costa; Ludwig (2019) além de consultas ao site da Universidade tutora responsável pelo processo de transição, a saber, a Universidade Federal do Tocantins (UFT).&nbsp; Como resultado, registramos os detalhes da criação do sinal em Libras da nova Universidade tocantinense e constatamos a motivação toponímica presente nesse referente da língua de sinas</p> Fernando Eustáquio Guedes Fabiane Silva Barroso Copyright (c) 2022 Porto das Letras 2022-05-23 2022-05-23 8 2 a22005 a22005