https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/issue/feed Porto das Letras 2018-12-19T10:08:02-03:00 Carlos Roberto Ludwig revistaportodasletras@gmail.com Open Journal Systems <p>A revista Porto das Letras é uma publicação semestral do Programa de Pós-graduação em Letras da UFT do Campus de Porto Nacional. A revista tem o objetivo de divulgar artigos e resenhas inéditos da área de Literatura, Linguística e Ensino de Língua e Literatura. É voltada a pesquisadores mestres e doutores, discentes de pós-graduação e profissionais da área de Letras e Linguística e apresenta as seguintes seções: Dossiê Temático, Estudos Liguísticos, Estudos Literários, Seção Livre e Resenhas.</p> https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/6299 Expediente 2018-12-18T21:38:03-03:00 César Alessandro Sagrillo Figueiredo cesarpolitika@mail.uft.edu.br Mônica Assunção Mourão cesarpolitika@mail.uft.edu.br 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/6298 Apresentação - Literatura do Testemunho 2018-12-18T21:38:03-03:00 Mônica Assunção Mourão cesarpolitika@mail.uft.edu.br César Alessandro Sagrillo Figueiredo cesarpolitika@mail.uft.edu.br 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/6300 A memória do testemunho e o cinema: representações cinematográficas da ditadura militar 2018-12-18T21:38:03-03:00 César Alessandro Sagrillo Figueiredo cesarpolitika@mail.uft.edu.br <p>O período do regime ditatorial (1964-1985) foi farto de arbítrios e violações contra os direitos humanos, tais atos, medidas e abusos serviram de reminiscências literárias e fílmicas para as vítimas refletirem acerca das experiências traumáticas vividas durante a ditadura militar. Este artigo possui como objetivo principal, especialmente, examinar estas produções fílmicas que retrataram a ditadura militar e os seus reflexos nos personagens que foram protagonistas das lutas do período. Do ponto de vista dos procedimentos metodológicos, tratar-se-á de um trabalho qualitativo, pois visa a análise comparativa dos filmes de acordo com as sucessivas décadas em que foram realizados. Como resultado de pesquisa, compreendemos que a produção fílmica do gênero ditadura militar dialoga fortemente com a Literatura do Testemunho e com a memória dos personagens que tiveram participação ativa nas lutas do período, servindo como um instrumento de ajuste conta possível com a história brasileira.</p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/5114 Barbárie e resistência em Gramática Expositiva do Chão 2018-12-18T21:38:04-03:00 Alinny Rodrigues Pereira Silva alinelitera21@gmail.com <p><strong>Resumo:</strong> Este artigo pretende investigar uma aproximação da ideia de testemunho, imaginário e violência na obra <em>Gramática Expositiva do Chão</em> do poeta Manoel de Barros, por meio da análise de referências à ditadura militar no Brasil. A obra de poesia em prosa apresenta um sujeito lírico-narrador que conta a história de um homem que é preso e que nunca mais voltará, juntamente com a nefasta presença de uma máquina que escolhe pessoas, bichos, coisas para serem triturados exercendo o controle total a favor de uma ordem imposta. Dessa forma, interessa nesta pesquisa traçar um breve percurso da literatura de testemunho na América Latina e entender como o teor testemunhal da barbárie exercida pela ditadura militar brasileira manifesta-se na obra supracitada mediante a linguagem, as imagens e os silêncios, num projeto estético em que a razão e a lógica pulverizam-se no ar dando lugar à imaginação.</p> 2018-12-16T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/6301 A intertextualidade entre a história e a literatura do testemunho: o personagem Preto Chaves 2018-12-18T21:38:04-03:00 Maria Leal Pinto mariazozimo2016@gmail.com <p>Esse artigo possui como tema um diálogo intertextual entre a literatura do testemunho e a história, buscando como objetivo principal investigar a trajetória de vida do militante comunista de Francisco Manoel Chaves, conhecido como Preto Chaves.&nbsp; A vida desse militante aparece na obra de Graciliano Ramos, <em>Memórias do Cárcere</em>, tornando-se um dos personagens políticos que conviveram com o autor na cadeia; muito posteriormente, Preto Chaves reaparece nas bibliografias históricas que versam sobre a Guerrilha do Araguaia, epopeia comunista que ocorreu no início dos anos 70 no Norte de Goiás e Sul do Pará. A fim de trilhar os caminhos desta pesquisa realizamos um trabalho qualitativo através de revisão bibliográfica e entrevistas na região que fora epicentro da guerrilha. Como resultado de pesquisa evidenciamos que podemos tecer a própria história do Brasil no século XX por meio da história de vida desta figura, como se enfeixássemos através do seu personagem a história do país nas suas sucessivas lutas contra a opressão política.</p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/5860 Cinema Brasileiro e Erotismo durante a Ditadura Militar 2018-12-18T21:38:04-03:00 Walace Rodrigues walace@uft.edu.br <p class="western" lang="en-US" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">Este escrito busca refletir sobre o erotismo no cinema brasileiro à época da ditadura militar (1964-1985). Para tal objetivo, utilizamos os filmes “Dona Flor e seus dois maridos”, de 1976, e “A dama do lotação”, de 1978. </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">Esses</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"> filmes podem nos ajudar a pensar sobre o erotismo cinematográfico do período. Esta pesquisa se coloca como teórica de cunho bibliográfico. Julgamos que este assunto seja relevante para pensar as possibilidades críticas do cinema </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">brasileiro</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">. Os resultados desse trabalho mostram a importância fundamental do cinema enquanto arma de resistência estética durante o período militar e que o erotismo das produções cinematográficas da época fazia parte do mecanismo questionador d</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">o regime censorial imposto às artes</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">.</span></span></span></span></p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/5373 O lugar do testemunho: o poder de fala dos entrevistados/personagens no livro-reportagem Holocausto Brasileiro 2018-12-18T21:38:04-03:00 Walquíria Domingues de Souza walquiria.ds@gmail.com <p class="western" align="justify"><a name="__DdeLink__1555_404111899"></a><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;">Este artigo analisa o poder de fala dos entrevistados/personagens do livro-reportagem </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><em>Holocausto Brasileiro</em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;">, de Daniela Arbex, como uma forma de identificar o lugar do testemunho da história performática enquanto lampejo e resistência à grande História, através das teorias de nomes como Georges Didi-Huberman, Giorgio Agamben e Homi Bhabha. Ao considerar as vozes dos entrevistados/personagens contidos na obra jornalístico-literária, nota-se que estes só tiveram espaço para ter sua memória construída através de um gênero institucionalizado jornalística, editorial e socialmente, e percebe-se a relação próxima e delicada entre quem narra e quem escreve. São visitadas também teorias da comunicação que tratam o agendamento da mídia e a função de seleção e filtragem do </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><em>newsmaker</em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"> como critérios para dar voz ou não a determinados temas no espaço institucionalizado dos </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><em>mass media</em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;">, de forma a incitar a reflexão sobre quem realmente tem o poder de fala nesse processo de construção da memória e da identidade: os próprios entrevistados/personagens ou a mídia e o espaço editorial.</span></span></span></p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/6302 Leitura, linguagem e letramento: o uso do conto de fadas nas séries iniciais do ensino fundamental 2018-12-18T21:38:04-03:00 Mônica Assunção Mourão monicamourao_15@hotmail.com Ester Bastos Araujo da Costa monicamourao_15@hotmail.com <p>O presente estudo procurou identificar como ocorre o letramento literário de alunos dos anos iniciais, do ensino fundamental. Para isso foi realizada uma pesquisa em uma turma de 5º ano de uma escola da rede pública municipal em Imperatriz, Maranhão. Na fundamentação teórica foi indispensável à concepção teórica de autores como Vygotsky (1988), Bakhtin (1995, 1997), Bettelheim (2002), entre outros, pois trazem ao centro das atuais discussões o papel da Linguística Aplicada em relação ao entendimento que se tem sobre os gêneros textuais, além de desenvolverem pesquisas que apontam caminhos para um trabalho mais criterioso com gêneros no âmbito escolar. A pesquisa se configura como qualitativa interpretativa com aspectos da pesquisa ação e, além da observação, teve-se como instrumentos a entrevista semiestruturada e o diário de campo. Foi feito ainda uso de produções escritas dos alunos. Os dados revelaram que houve um letramento literário apesar de ser pouco presente em sala de aula. Dessa forma, pode-se dizer que o letramento literário pode ocorrer desde os anos iniciais de escolarização, apesar dos obstáculos, que principalmente as escolas periféricas enfrentam.</p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/4974 Atribuição de autoria: o enigma por trás da autoria do livro Sátiras e outras subversões 2018-12-18T21:38:04-03:00 JONIEL DA COSTA BARBOSA jonielcosta1985@gmail.com <p>Esta pesquisa traz como tema a análise estilométrica do livro Sátira e outras subversões na qual investigamos a autoria de alguns dos textos contidos na obra. Teve como objetivo geral analisar a autoria dos textos reunidos por Felipe Botelho Corrêa no livro, para comprovar ou não a autoria de Lima Barreto. Buscamos identificar se os métodos adotados são eficazes e podem ser utilizados para atribuir autoria de um texto e ainda investigar se é possível chegar a resultados satisfatórios, para que se possa comprovar a autoria do livro utilizando a estilometria, com o auxílio de programas de computador. Para a realização deste trabalho foram utilizados três programas de computador, o PDFelement 6 Pro responsável por transformar os textos digitalizados para o formato Docx, o programa Word que foi utilizado para transformar os textos para o formato Txt, e, finalmente o programa Lexico 3 que é responsável por analisar o corpus e gerar dados estatísticos. Com base nos dados analisados, foi possível constatar que os 10 (dez) textos analisados e comparados ao texto extraído do livro Recordações do Escrivão Isaias Caminha realmente teriam sido escritos por Lima Barreto, fato este que corrobora a autoria atribuída por Felipe Botelho Corrêa. É importante ressaltar que, para se afirmar que todos os 164 textos contidos no livro teriam sido escritos por Lima Barreto, é necessário fazer uma pesquisa mais ampla, pois seria necessário analisar todos os textos.</p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/4921 Mediadores da leitura e formação do leitor 2018-12-18T21:38:05-03:00 Mario Ribeiro Morais moraismarioribeiro@gmail.com Elizangela da Rocha Fernandes elizan_gbi@hotmail.com <p>Práticas didáticas que comtemplam, para além da leitura analítica, a subjetividade do leitor no ensino da arte de ler e a existência de boas bibliotecas escolares com acervo dinamizado são alguns dos fatores que podem contribuir para a formação de leitores. Entretanto, práticas de leitura de textos que tratam a materialidade da obra, sobretudo as literárias, como mero aporte para o ensino da língua portuguesa ou como cronologia de escolas literárias, estilos e autores não formam o gosto pela leitura. Os dados analisados que sustentam as discussões, com base no paradigma interpretativista e no método quanti-qualitativo, foram gerados em duas escolas públicas do município de Palmas. Para sair do impasse que denuncia práticas inoperantes na formação leitora, analisamos e discutimos a importância da formação de mediadores de leitura, como família, escola, professor e bibliotecário. No âmbito da leitura em sala de aula, apresentamos a leitura subjetiva, a voz como instrumento de interação leitora, primando pela revalorização do leitor e do ato de ler, como estratégia de abordagem para a construção dos sentidos, e, consequentemente, do leitor.</p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/5390 A Linguagem Literária: alguns recursos linguísticos-literários usados na construção da obra O Primo Basílio 2018-12-19T10:08:02-03:00 Camila Ferreira de Carvalho camilaprofa@outlook.com Ray da Silva Santos sobreray@outlook.com <p>A presente pesquisa possuiu a finalidade de identificar alguns recursos linguísticos e literários utilizados para a construção da obra clássica <em>O Primo Basílio</em>, de Eça de Queirós. Após a identificação, foi analisado como esses recursos ajudam a definir as personagens, dando-lhe características e permitindo assim a construção mental da imagem dos sujeitos com riqueza de detalhes. Para tanto, realizou-se o fichamento do livro literário e posteriormente uma análise qualitativa, com auxílio das referências pertinentes ao tema. Percebeu-se a presença constante de adjetivos e figuras de linguagem e assim foi possível conhecer alguns recursos utilizados por Eça de Queirós que permitem ao leitor penetrar na obra e viver o que está escrito e sentir um misto de sensações que só a literatura pode proporcionar com a ajuda da linguística.</p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/6303 Cacos de sonhos - cartas de uma ex-prisioneira na Vila Militar (1971-1974) 2018-12-18T21:38:05-03:00 Betânia Oliveira Barroso cesarpolitika@mail.uft.edu.br <p>Esta é uma resenha sobre a obra&nbsp;<em>Cacos de sonho</em>s: cartas de uma ex-prisioneira na Vila Militar (1971-1974), de Lúcia Velloso Maurício.&nbsp;</p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/6305 Que bom te ver viva: testemunho, memória e reparação 2018-12-18T21:38:05-03:00 Nice Rejane da Silva Oliveira cesarpolitika@mail.uft.edu.br <p><em>Que bom te ver viva</em> lança um olhar sobre os traumas físicos, psicológicos e sociais que são enfrentados por essas mulheres sobreviventes do processo de tortura. O filme procura compreender como as depoentes vivem, passados cerca de vinte anos de suas respectivas prisões, qual é a leitura que elas têm de todo o processo, como é a vida pós-prisão política, pós tortura e pós abertura política. &nbsp;De que maneira elas têm se integrado à vida cotidiana, e como têm conseguido se reinserir na sociedade brasileira.&nbsp; De que forma lidam com os traumas e reorganizam suas vidas e ainda como conseguem seguir vivendo após terem sido torturadas, como estão se refazendo, juntando os pedaços de si mesmas, tanto devido a sua história quanto devido ao fato de estar o Brasil reinventando sua identidade.</p> 2018-12-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement##