Isolamento e sensibilidade a quimioterápicos de streptococcus spp envolvidos na mastite clínica e subclínica de bovinos da microrregião de Araguaína, Tocantins

Palavras-chave: mastite, qualidade do leite, resistência antimicrobiana

Resumo

A mastite bovina é a principal doença do gado leiteiro devido a sua prevalência acarretando grande impacto econômico mundial. Sua etiologia é complexa, sendo o principal agente o Staphylococcus aureus, seguido pelo Streptococcus spp. O presente trabalho tem por objetivo isolar os microrganismos pertencentes ao gênero Streptococcus, presentes no leite de vaca da microrregião de Araguaína, Tocantins, e testar a sensibilidade destes aos diversos quimioterápicos disponíveis no mercado. Foram utilizados 148 animais, totalizando 544 quartos mamários viáveis. Destes, foram colhidos assepticamente 294 amostras de leite de vaca oriundas de cinco propriedades denominadas de A a E, sendo 121 amostras da propriedade A, 36 da B, 20 da C, 74 da D e 43 da E. As propriedades de A a C realizam ordenha mecânica e as D e E, ordenha manual. Foram observados 30,51% (166/544) de prevalência geral para a enfermidade, sendo de 4,78% (26/544) e 25,74% (140/544) a prevalência para a mastite clínica e subclínica, respectivamente. As análises laboratoriais das amostras (arranjo e catalase) não foram sugestivas para microrganismos do gênero Streptococcus, sendo sugestivo o envolvimento de microrganismos do gênero Staphylococcus e microrganismos bastonetes. Conclui-se que o gênero Streptococcus não é expressivo na prevalência da mastite tanto clínica quanto subclínica em vacas da microrregião de Araguaína, Tocantins.

Palavras-chave: Mastite; qualidade do leite; resistência antimicrobiana

ABSTRACT

The bovine mastites is the main dairy cattle’s disease due to its prevalence, causing a severe economic impact in the world. Its etiology is complex, but the main agente is the Staphylococcus aureus, followed by the Streptococcus spp. The present study aims at isolating the micro-organismes belonged to the gender Streptococcus and presented in the cow’s milk of the Araguaina’s micro-region, and test its sensitivity to several drugs available at the market. A total of 148 animals were used, totaling 544 mammary quarters available. Into these quarters, 294 milk’s samples were asseptically recolted among five properties designed from A to E, in which 121 samples are from A’s property, 36 from B, 20 from C, 74 from D and 43 from E. The properties A and C employ the mechanic milking, while the properties D and E employ hand milking. There were observed an overall prevalence of 30,51% (166/544) for the disease, in which 4,78% (26/544) and 25,74% (140/544) were detected clinical and subclinical mastitis, respectively. The laboratorial analysis of the samples (arrangement and catalase) didn’t shown any evidence of Streptococcus’ microorganisms, thus being an evidence of the involving of Staphylococcus and rod bacteria. Consequently, it is concluded that the gender Streptococcus isn’t significant into the prevalence in both of mastitis – clinical and subclinical’s one – in the micro-region of Araguaina, Tocantins.

Keywords: Mastitis; Milk’s quality; Antimicrobial resistance

Referências

BALDASSI, L.; FILHO, M.F.; HIPÓLITO, M.; MOLIN, A.A.P.; CALIL, E.M.B.; PIRES, D.C. 1991. Etiologia da mastite subclínica na Bacia Leiteira de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo. Arquivo Instituto Biológico de São Paulo, São Paulo. 58: 29-36.

BARBOSA, C.P.; BENEDETTI E.; GUIMARÃES, E.C. 2009.Incidência de mastite em vacas submetidas a diferentes tipos de ordenha em fazendas leiteiras na região do triângulo mineiro. Bioscience Journal, Uberlândia. 25(6): 121-128.

BLOOD, D.C., RADOSTITS, O.M. 1991. Clínica Veterinária, 7ª Ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. cap. 15: 424-463.

BRAMLEY, A.J., COLLOR, J.S., ERSKINE, R.J. 1996. Current concepts of bovine mastitis. Madison: National Mastitis Council, 4ª Ed., 64p.

COMBELLAS, J.; TESORERO, M.; GABALDÓN, L. 2003. Effect of calf stimulation during milking on milk yield and fat content of Bos indicus X Bos taurus cows. Livestock Production Science, Amsterdan. 79:227-232.

COSER, S.M.; LOPES, M.A.; COSTA, G.M. 2012. Mastite bovina: controle e prevenção. Boletim Técnico. Lavras. (93):1-30.

COSTA E.O.; BENITES, N.R.; MELVILLE, P.A.; PARDO, R.B.; RIBEIRO, A.R.; WATANABE,E.T. 1995.Estudo etiológico da mastite clínica bovina. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, Belo Horizonte.17:156-158.

COSTA, E. O.; RIBEIRO, A. R.; WATANABE, E. T. et al. 1996. An increased incidence of mastitis caused by Prototeca species and Nocardia species on a farm in São Paulo, Brazil.

Veterinary Research Communications, Amsterdam. 20(3):237-241.

DEMEU, F. A. 2009. Simulação do impacto econômico da mastite em rebanhos bovinos leiteiros. Lavras, MG. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Lavras. 177p.

FERREIRO, L.1981. Ocorrência e etiologia da mastite bovina na “Zona da Mata” do estado de Minas Gerais. Arquivo da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 33(1): 31-37.

FETROW, J.; STEWART, S.; EICKER, S.; FAMSWORTH, R.; BEY, R. 2000. Mastitis: an economic consideration. National Mastitis Council Annual Meeting Proceedings. p.3-47.

JUNQUEIRA, F.J. 2004.Comparação zootécnica e econômica da ordenha de vacas F1 Holandês x Gir na presença ou ausência de suas crias. Belo Horizonte, MG. Dissertação (Mestrado em Produção Animal) – Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas

Gerais. 45 f.

LANGONI, H. 1999. Complexidade etiológica na mastite bovina In: ENCONTRO DE PESQUISADORES EM MASTITES, III. Botucatu, SP. Anais... Botucatu. 3-18.

LANGONI, H.; da SILVA, A.V.; CABRAL, K.G.; DOMINGUES, P.F. 1998. Aspectos etiológicos da flora bacteriana aeróbica. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, Belo Horizonte.20:204-209.

MARTINS, R. P.; SILVA, J. A. G., NAKAZATO, L.; DUTRA, V. e ALMEIDA FILHO, E. S. 2010. Prevalência e etiologia infecciosa da mastite bovina na microrregião de Cuiabá,MT. Ciência Animal Brasileira, Goiânia. 11(1):181-187.

PARDO, P. E.; METTIFOGO, E.; MÜLLER, E. E.; NASCIMENTO, E. R.; BUZINHANI, M.; YAMAGUTI, M. e FREITAS, J. C. 1998. Etiologia das infecções intramamárias em vacas primíparas no período pós-parto. Pesquisa Veterinária Brasileira, Rio de Janeiro. 18(3-4):1027-1032.

PHILPOT, W.N.; NICKERSON, S.C. 1991. Mastitis: counter attack. Louisiana Agricultural.Experiment station: Babson Bros.Co. Cap.01, p. 3-7.

QUINN, P.J., MARKEY, B.; CARTER, M.E.; DONNELLY, W.J.; LEONARD, E.C. 2005.Microbiologia veterinária e doenças infecciosas, São Paulo: Artmed, p. 512.

RADOSTITS, O.M.; GAY, C.C.; HINCHCLIFF, K.W.; CONSTABLE, P.D. 2007.Veterinary medicine. A textbook of the disease of cattle, horses, sheep, pigs and goats. 10ª ed. Philadelphia: Saunders Elsevier. p.2156.

REIS, G. L. et al. 2005.Efeito do tipo de ordenha sobre a saúde do úbere e a qualidade do leite. Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte. 48:6-13.

RIEDNER, S., ALBUQUERQUE, A.J.D., BADKE, M.R.T.; WEIBLEN, R. 1987. Prevalência de mastite em dois tambos de Santa Maria – RS. Revista Centenário de Ciência Rural, Santa Maria. 17(3): 261-273.

SMITH, H.W. 1974. Antibiotic-resistant bactéria in animal: the danger to human helth. Brazilian Veterenary Journal, 130:110-119.

SMITH, H.K.; TODHUNTER, D.A.; SCHOENBERGER, P.S. 1985. Enviromental mastitis: cause, prevalence, prevention. Journal of Dairy Science, Champaign. 68:1531-53.

SMITH, B. 1994.Tratado de Medicina Interna de Grandes Animais, V.2, São Paulo: Manole, p. 1045-1056.

TRABULSI, L.R.; ALTERTHUM, L. 2008. Microbiologia. 5ª ed. São Paulo: Atheneu, 760 p.

UGARTE, J.; PRESTON, T.R. 1975. Amamantamiento restringido. VI. Efectos sobre la producción de leche, comportamiento reproductivo e incidencia de mastites clínica a través de la lactancia. Revista Cubana de Ciencias Agrícolas, San Jose de Las Lajas. 9(1):17-28.

VIANNI, M.C.E.; & LÁZARO, N.S. 2003. Perfil de suscetibilidade a antimicrobianos em amostras de cocos Gram-positivos, catalase negativo, isolados de mastite subclínica bubalina. Pesquisa Veterinária Brasileira, Rio de Janeiro. 23(2):47-51.

WATTS, J.L. 1988. Etiological agents of bovine mastitis. Veterinary Microbiology, Amsterdan. 16:41-66.

ZECCONI, A.; HAMANN, J.; BRONZO, V. et al. 1992. Machinenduced test tissue reactions and infection risk in a dairy herd free from contagious mastitis pathogens. Journal of Dairy Research, Cambridge. 59(3):265-271.

Publicado
2015-11-17
Como Citar
Isolamento e sensibilidade a quimioterápicos de streptococcus spp envolvidos na mastite clínica e subclínica de bovinos da microrregião de Araguaína, Tocantins. (2015). DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 2(Especial), 156-170. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2015v2nespp156