DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA EM NASCENTE DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO EM FILADÉLFIA, TOCANTINS.

  • Ana Paula Ribeiro Dos Santos Universidade Federal do Tocantins
  • Lilyan Rosmery Luizaga de Monteiro Universidade Federal do Tocantins

Resumo

A preservação da qualidade dos recursos hídricos é uma necessidade universal, exigindo maior atenção quando se trata de uma área de preservação ambiental como a Unidade de Conservação-UC do Monumento Natural das Árvores Fossilizadas do Tocantins-MNAFTO. Assim, o presente trabalho objetiva determinar a qualidade microbiológica do Ribeirão Bananeira, localizado dentro da UC no Município de Filadélfia. Para a análise microbiológica foi utilizada a técnica de tubos múltiplos na determinação de Coliformes fecais e totais, assim como a identificação da presença de Escherichia coli. Paralelamente, foram realizadas contagens de bactérias heterotróficas. Nos resultados observamos que todas as amostras estão fora dos padrões para consumo, caso esta seja utilizada como fonte pelos moradores das imediações, ou como água para recreação. A presença de E. coli na amostra 1 e de Coliformes em número elevado em todas as amostras, indicam a contaminação por animais ou pelo homem e outras fontes orgânicas, sugerindo como fonte o gado observado nas imediações. Concluímos que o conhecimento das características de base do Ribeirão Bananeira pode servir como estudo piloto para verificar a qualidade desse ambiente aquático em toda a área do MNAFTO, futuramente estes dados poderiam auxiliar nas estratégias de preservação desta Unidade de Conservação.

Palavras-chave: Qualidade das águas, análise microbiológica, Unidade de Conservação.

Biografia do Autor

Lilyan Rosmery Luizaga de Monteiro, Universidade Federal do Tocantins
Dra Lilyan Rosmery Luizaga de Monteiro
Professora Adjunta IV
Colegiado do Curso de Licenciatura em Biologia   Campus Universitário de Araguaína
Universidade Federal do Tocantins
Av. Paraguai, esq. c/Rua Uxiramas, s/nº
Setor CIMBA - CEP: 77.824-838 - Araguaína, TO Tel. interno: 2112-2248

Referências

ALVES, Eliane Cristina et al. Avaliação da qualidade da água da bacia do rio Pirapó – Maringá, Maringá, Estado do Paraná, por meio de parâmetros físicos, químicos e microbiológicos . 1. ed. Maringá: Acta Sci. Technol., [2008]. 39-48p. v.30. Disponível em: http://file:///C:/Users/Pc%20Home/Desktop/Downloads/3199-8599-1-PB.pdf . Acesso em: 22 maio 2017.
AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION (APHA). Standard Methods For the Examination of Water and Wastewater. Washington: APHA; 1999.Disponível em: https://www.mwa.co.th/download/file_upload/SMWW_1000-3000.pdf. Acesso em: Jul 2017.
BRASIL. Ministério de Agricultura do Abastecimento e da Reforma Agrária/ Secretaría de Defesa Agropecuária. MAPA/SDA. Instrução Normativa No 62, de 26 de agosto de 2003. Oficializa os Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para controle de produtos de origem animal e água. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p.14, de 18 de set. de 2003. Seção 1.
______BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 518/GM em 25 de Março de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Brasília, 2004. Seção 1. 266.
______BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle da qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS /Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde. – Brasília : Funasa, 2014.112 p.
______BRASIL, MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE. Resolução Conselho Nacional do Meio Ambiente nº 357, de 17 de março de 2005. Ministério do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 de março de 2005.
______BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2006.
______BRASIL, MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE –MMA. Caderno da Região Hidrográfica do Tocantins- Araguaia / Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Recursos Hídricos. – Brasília: MMA, 2006.
______BRASIL, Ministério de Saúde. Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasilia, DF. 14 dez. 2011.
CABRAL, J.L.S. Avaliação parcial das condições pluviométricas no Estado do Tocantins, durante o período chuvoso 2015/2016. Relato Técnico Científico. Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos. Fundação Universidade do Tocantins. 22 p. Palmas, TO. 2016.
______BRASIL, CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE – CONAMA (1986). Dispõe sobre a classificação das águas doces, salobras e salinas do Território Nacional. Resoluções n. 20, de 18 de junho de 1986. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res2086.html Acesso em: jan. de 2017.
CUNHA, H. F. A.; LIMA, D. C. I.; BRITO, P. N. de F.; CUNHA, A. C. da; SILVEIRA JUNIOR, A.M. da; BRITO, D. C. Qualidade físico-química e microbiológica de água mineral e padrões da legislação. Ambi-Agua, Taubaté, v. 7, n. 3, p. 155-165, 2012.
CUNHA, D. G. F.; CALIJURI, M. do C.; LAMPARELLI, M. C.; MENEGON JR., N. Resolução CONAMA 357/2005: análise espacial e temporal de não conformidades em rios e reservatórios do estado de São Paulo de acordo com seus enquadramentos (2005– 2009). Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 18, n. 2, p. 159-168, 2013.
FERREIRA, E.A.B.; TOKARSKI, D.J. (org.) Bacia Hidrográfica do Alto Tocantins retrato e reflexões. ECODATA. WWF - Brasil, 2007,102 p.
KAUFFMANN, M.; SECCHI, M. I.,; OSTERKAMP, I. C.; BRANCO, F. R.; JASPER, A.; PIRES, E.F.; CONSTANTIN, A. Gestão de patrimônio paleontológico, situação E ferramentas de conservação: o caso do Monumento natural das árvores fossilizadas do Tocantins. ESTUDO & DEBATE, Lajeado, v. 20, n. 2, p. 115-125, 2013.
______KAUFFMANN, M. Mapeamento geológico e levantamento paleontológico do Monumento Natural das Árvores Fossilizadas, Bacia do Parnaíba, Estado do Tocantins. 2014. 154 f. Tese (Doutorado em geociências na Área de Geologia e Recursos Naturais) Instituto de Geociências. Universidade Estadual de Campinas, SP. São Paulo, 2014.
MATOS, B.A.; PACHECO, A. Ocorrência de microrganismos no aquifero freático do cemintério Vila Nova Cachoeirinha, São Paulo. 1 st Joint World Congress on Groundwater. Associação Brasileira de Águas Subterrâneas – ABAS. Fortaleza. 2000.
MRS/OIKOS (a) Plano de manejo do Monumento Natural das Arvores Fossilizadas do Tocantins. Brasilia: MRS, 2005. Planos de manejo e de uso publico no Monumento Natural das Arvores Fossilizadas do Tocantins e diagnostico biofisico e socio-economico.(Encarte 1). 2005.
______MRS/OIKOS (b) Plano de manejo do Monumento Natural das Arvores Fossilizadas do Tocantins. Brasilia: MRS, 2005. Planos de manejo e de uso publico no Monumento Natural das Arvores Fossilizadas do Tocantins e diagnostico biofisico e socio-economico.(Encarte 4). 2005.
PIRES, J.S.R.; SANTOS, J.E. & DEL PRETTE, M.E. A utilização do conceito de Bacia Hidrográfica para a conservação dos recursos naturais. : In Schiavetti, A. (org.). Conceitos de bacias hidrográficas: teorias e aplicações/ Editores Ilhéus, Ba: Editus, 2002.
293p.
SANTOS, M. E. C. M. ; CARVALHO, M. S. S. Paleontologia das Bacias do Parnaíba, Grajaú e São Luís. Rio de Janeiro, CPRM (Serviço Geológico do Brasil/DIEDIG/DEPAT), 2004.
SILVA, N. I. FONTES, L. O. TAVELLA, L. B. OLIVEIRA, J, B. OLIVEIRA, A. C. Qualidade da água na irrigação. ACSA. Agropecuária Científica no Semiárido. Vol. 07. Nº 03. 2011.
TOCANTINS (ESTADO). Lei Estadual nº 1.179/2000, de outubro de 2000. Cria, na área que especifica o Monumento Natural das Árvores fossilizadas do estado do Tocantins. Ano XII – Palmas, 18 de outubro de 2000. Disponível em: http://www.al.to.gov.br/legislacaoEstadual. Acesso em: 12/08/2017.
TOLEDO, L.G. de; NICOLELLA, G. Water quality index for agricultural and urban watershed use. Sci. agric. (Piracicaba, Braz.). 59 (1), 181-186. 2002.
TORRES, J. L. R.; FABIAN, A. J.; SILVA, A. L.; PESSOA, E. J.; SILVA, E. C.; RESENDE, E. F. Diagnostico ambiental e análise morfométrica da microbacia do córrego Lanhoso em Uberaba, MG. Revista Caminhos de Geografia, v.9, p.1-11, 2008.
VALERIANO, M. M. Modelo digital de variáveis morfométricas com dados SRTM para o território nacional: o projeto TOPODATA. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2005, Goiânia, GO. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2005. p. 3595-3602.
Publicado
2018-10-31
Como Citar
Dos Santos, A. P., & Luizaga de Monteiro, L. (2018). DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA EM NASCENTE DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO EM FILADÉLFIA, TOCANTINS. DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 5(Especial), 74-86. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2018v5nEspecialp74