FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR NO JORNALISMO: uma experiência de articulação entre as disciplinas de Linguagem de Programação Visual e Oratória

Palavras-chave: aplicativos, formacao, jornalismo, pesquisa aplicada, imperatriz

Resumo

Este artigo é resultado de uma pesquisa aplicada que interligou as disciplinas de Oratória e Linguagem de Programação Visual no curso de Jornalismo na UFMA de Imperatriz. A proposta foi testar uma didática interdisciplinar e prática com o intuito de promover uma reflexão inicial sobre a formação na área e a viabilidade em incluir nesse processo estudos sobre linguagem de programação por meio da criação de aplicativos. A proposta de levar alunos, sem experiência anterior com a linguagem de softwares, a produzir conteúdo e o próprio APP teve o objetivo de levantar a discussão sobre o quanto uma formação mais convergente, incluindo domínio técnico de algumas linguagens, como softwares, e interdisciplinar, pode contribuir para o desenvolvimento de um jornalista mais preparado o mercado e mais autônomo para atuar na condução da sua própria carreira.

 

PALAVRAS-CHAVE: Aplicativos; Formação; Jornalismo; Pesquisa Aplicada; Imperatriz.

 

 

ABSTRACT

This article is the result of an applied research that interconnected the subjects of two classes - Oratory and Laboratory of Graphic Design - in the course of Journalism of the Federal University of Maranhão, in the city of Imperatriz. The aim was to test an interdisciplinary and practical didactics that intends to promote a reflection about the formation in the area of Communication and the feasibility of adopting  programming languages as curriculum through the creation of applications. This effort meant to encourage students unexperienced with programming languages to produce content and publish the application itself. Our main goal was to discuss how  convergent, technical training, is essential to the development of a journalist more prepared and autonomous, that is able to steer his or her career in a better way..

 

KEY WORDS: Applications; Formation; Journalism; Applied research; Imperatriz.

 

 

RESUMEN

Este artículo es el resultado de una investigación que se aplica a las disciplinas de la Oratoria y el Laboratorio de la Programación Visual y el curso del Periodismo en la UFMA de Imperatriz. La propuesta fue probar una didáctica interdisciplinaria y práctica con el propósito de promover una reflexión inicial sobre la formación en el área y la viabilidad en incluir en ese proceso estudios sobre lenguaje de programación a través de la creación de aplicaciones para móvil. La propuesta de llevar alumnos, sin experiencia previa con el lenguaje de software, a producir contenido y el propio APP tuvo el objetivo de plantear la discusión sobre cuánto una formación más convergente, incluyendo dominio técnico de algunos lenguajes, como softwares, e interdisciplinarios, puede contribuir al desarrollo de un periodista más preparado el mercado y más autónomo para actuar en la conducción de su propia carrera.

 

PALABRAS CLAVE: Aplicaciones; Formación; Periodismo; Investigación avanzada; Imperatriz.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Santiago Arraes Reino, Universidade Federal do Maranhão

Doutorado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, mestrado em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília  e graduação em Jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). E-mail: lucas@ufma.br.

Thaísa Bueno, UFMA

Doutorado em Comunicação Social pela PUC do Rio Grande do Sul, Mestrado em Letras pela UFMS e graduação em Comunicação Social – Jornalismo pela UFMS. Professora do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Comunicação na UFMA de Imperatriz.

Mariana Guedes Conde Falcão, UFMA

Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (PósCom - UFBA) e Graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Professora substituta do Departamento de Jornalismo da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), campus Imperatriz.

Referências

ABREU, Antônio Suaréz. A arte de argumentar. Gerenciando razão e emoção. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2013.

ALBORNOZ, Luis A. Periodismo digital:los grandes diarios en la Red. Buenos Aires: La Crujía, 2006.

BARBOSA, Suzana. Jornalismo convergente e continuum multimídia na quinta geração do jornalismo nas redes digitais. In: CANAVILHAS, J. Notícias e mobilidade-54. Disponível: http://migre.me/hUrFq. Acesso em: 07 de: o jornalismo na era dos dispositivos móveis. Covilhã, PT: Livros LabCom, 2013, p. 33 out.de 2013.

BECKER, Maria Lúcia. Convergente por formação: o novo paradigma e os desafios para as futuras gerações profissionais e os cursos de jornalismo. Revista Latino Americana da Jornalismo. Paraíba, v.3, n.1, p.100-124, 2016.

BUENO, T. C.; REINO, L. S. A. Entre a tabloidização e o teaser publicitário: uma análise dos títulos caça-cliques. Revista Observatório, v. 4, n. 3, p. 675-707, 29 abr. 2018.

CALADO, Karolina de Almeida; JÚNIOR, José Afonso da Silva. Reflexos do mobile no Jornalismo. Esferas. São Paulo, v.4, n. 6, p. 41-48, jan.jun. 2015.

CASTELLS, M. A Galáxia da Internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Trad.: Maria Luiza Borges. Revisão: Paulo Vaz. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

CASTELLS, M. et al. Mobile communication and society: a global perspective. Cambridge: MIT Press, 2007.

FÁBRICA DE APLICATIVOS. Sobre a Fábrica de Aplicativos. Fábrica de Aplicativos S/A, 2019. Disponível em: https://suporte.fabricadeaplicativos.com.br/hc/pt-br/articles/360000530606-Sobre-a-Fábrica-de-Aplicativos. Acesso em: 26 fev. 2019.

FRANCISCATO, Eduardo Carlos. A atualidade no jornalismo. Bases para sua delimitação teórica. Salvador: Facom/ UFBA, 2003. [Tese de doutorado]

____________________________. Uma proposta de incorporação dos estudos sobre inovação nas pesquisas em jornalismo. Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 7 n. 1, p. 8-18, 2010.

JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patología do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

LEMOS, André. Cibercultura e Mobilidade: a Era da Conexão. Revista Razón y Palabra. out-nov, 2004. Disponível em: http://bit.ly/2hMZo0D. Acesso em: 13 ago. 2015.

SILVA, Rafael Pereira; LOPES, Boanerges Balbino. Mudanças estruturais e ensino de Jornalismo: o papel do professor nos novos rumos do jornalismo brasileiro. Intexto, Porto Alegre, UFRGS, n. 35, p. 137-153, jan./abr. 2016.

MACHADO, Elias; PALACIOS, Marcos. Um modelo híbrido de pesquisa: a metodologia aplicada pelo GJOL. In: LAGO, Cláudia; BENETTI, Marcia (Orgs.). Metodologia de Pesquisa em Jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2010.

MARCONDES FILHO, Ciro. A saga dos cães perdidos. São Paulo, Hacker-Editores, 2000.

MARCONI, Maria; LAKATOS, EVA Maria. Metodologia do Trabalho Científico. 4a ed. São Paulo, Ed. Atlas, 1992.

MARSHAL, Leandro. O novo perfil do jornalista brasileiro; indiferença política é marcante. Disponível em: <http://desacato.info/o-novo-perfil-do-jornalista-brasileiro-indiferenca-politica-e-marcante/ >. Acesso em: 2 ago. 2018.

MORETZSOHN, Silvia. Jornalismo em tempo real: o fetiche da velocidade. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

SAAD, Elizabeth Corrêa. Estratégias para a mídia digital: Internet, informação e comunicação. São Paulo: Senac, 2003.

______. Centralidade, transversalidade e resiliência: reflexões sobre as três condições da contemporaneidade digital e a epistemologia da Comunicação. In: CONGRESSO INTERNACIONAL IBERCOM, XIV., 2015, São Paulo. Anais. São Paulo: USP, 2015.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação e Pesquisa – Projetos para Mestrado e Doutorado. São Paulo: Hacker Editores, 2001.

SANTOS, Raissa Nascimento dos. Jornalismo do Século XXI: profissão, identidade, papel social, desafios contemporâneos. João Pessoa, 2014. Disponível em: < http://portalintercom.org.br/anais/nordeste2014/resumos/R42-0360-1.pdf >. Acesso em: 21 de ago. 2017.

SCOLARI, Carlos Alberto. A comunicação móvel está no centro dos processos de convergência cultural contemporâneos. Entrevista concedida a Alan César Belo Angeluci. Intercom – RBCC. São Paulo, v.39, n.2, p.177-184, maio/ago. 2016.

SCHWINGEL, Caru. Entrevista Caru Schwingel defende incluir programação digital na formação do novo jornalista. Observatório. Palmas, v1, n.2, p.285-264, set/dez. 2015.

Publicado
2019-10-01
Como Citar
REINO, L. S. A.; BUENO, T.; FALCÃO, M. G. C. FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR NO JORNALISMO: uma experiência de articulação entre as disciplinas de Linguagem de Programação Visual e Oratória. Revista Observatório, v. 5, n. 6, p. 249-271, 1 out. 2019.