ESVAZIAMENTO DO SUJEITO PELO DISCURSO: mídia e a prática do esquecimento

Palavras-chave: Afrodescendente, discurso de mídia, invisibilização, memória, ações afirmativas

Resumo

Esse trabalho pretende compreender como a mídia esvazia de sentido determinado segmento da sociedade, a exemplo do afrodescendente, historicamente subalternizado e esquecido já no próprio ato da abolição, que foi feita em dois parágrafos. Livre, o ex­­-escravizado não adquiriu cidadania de fato, saindo da condição de mercadoria para o nada de condição. Parafraseando Rancière, o homem foi substituído pelo discurso sobre o homem, este sendo esvaziado midiaticamente em sua subjetividade. Pretendo trabalhar com o conceito de memória, de Pollack e Pierre Nora. A base teórica desse trabalho também se apoia em Jacques Rancière em Frantz Fanon e Muniz Sodré.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zilda Martins Barbosa, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da UFRJ – ECO. Mestre em Comunicação pela mesma universidade e jornalista pela Facha. Professora voluntária da Escola de Comunicação da UFRJ, coordenadora do Grupo de Estudos sobre Relações Raciais no Brasil do LECC – Laboratório de Estudos em Comunicação Comunitária da ECO/UFRJ. Contato: zildamarti@yahoo.com.br.

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Parecer sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, ADPF/186 (2010), apresentada ao Supremo Tribunal Federal. 2012.

ALVES, U. F. José do Patrocínio: a imorredoura cor do bronze. Rio de Janeiro: Ed. Garamond, 2009.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: teatro das sombras. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2006.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬__________. Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 2012.

CHANDLER, Daniel; MUNDAY, Rod. Oxford A Dictionary of Media and Communication. Current Online Version, 2014. Disponível em www.oxford reference.com. Acesso em 14/05/2015.

COSTA, Emilia Viotti da. Da monarquia à república: momentos decisivos. São Paulo: Ed. Unesp, 2007.

CUTI. Quem tem medo da palavra negro. Belo Horizonte, Mazza Ed. 2010.

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci: Um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 2007.

COUTINHO, E. Granja. A Comunicação do Oprimido e outros ensaios. Rio de Janeiro, Mórula Editoria, 2014.

DOMÍNGUEZ, María Eugênia. O ‘Afro’ entre os imigrantes em Buenos Aires: Reflexões sobre as diferenças. Dissertação de Mestrado. PPG-Antropologia/UFSC. Florianópolis, 2004.

DURKHEIM, Émile; MAUSS, Marcel. Algumas formas primitivas de classificação - Contribuições para o estudo das representações coletivas (1903). In Ensaios de Sociologia. São Paulo, Ed. Perspectiva, 1981.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Ed.EdUFBA, 2008.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Ed. USP, 2007.

FREIRE, José R. Bessa. Universidade, Ações afirmativas e reação de intelectuais: depoimento. [22 de maio, 2015]. Rio de Janeiro. Entrevista concedida a Zilda Martins.

FIGUEIREDO, Fabio Bagueiro. A história da África – Módulo 1. Brasília: Ministério da Educação. Secretária de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Salvador: Centro de Estudos Afro Orientais, 2011.

GUÉRIOS, Rosário Ferâni Mansur. Tabus Lingüísticos, aum. 2ª ed. São Paulo: Editora Nacional, 1979.

LA MADRID, Maria. Evento Tempos da América Latina Afro-indígena: Segregação, Dissimulação, Integração. Mesa de Debate da I Mostra Afro em Foco. Argentina, 2006. Disponível: http://www.ipeafro.org.br/10_afro_em_foco/ TEMPOS_DA_AMERICA_LATINA.pdf. Acesso em 26.06.2011.

LOPES, Nei. Nei Lopes, Negros na cultura brasileira. In: SANTOS, Joel Rufino dos; LOPES, Nei; COSTA, Haroldo. Nação Quilombo. Rio de Janeiro, ND Comunicação, 2010.

LORENZI-CIOLDI, Fabio. Les représentations des groupes dominants et dominés. – Saint-Martin-d’Hères (Isère): PUG, 2002.

NABUCO, Joaquim. Manifesto da Sociedade Brasileira contra a Escravidão. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 28/09/1880, p.3. Disponível em: http://hemerotecadigital.bn.br/acervo-digital/gazeta-noticias/103730. Acesso em: 02/04/2013.

NORA, Pierre. Entre Memória e História: a problemática dos lugares. Tradução; Yara Aun Khoury. In: Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, n. 10, Educ – Editora da PUC, São Paulo, 1993.

PAIXÃO, Marcelo. A Lenda da Modernidade Encantada: por uma crítica ao pensamento social brasileiro sore relações raciais e projeto de Estado-Nação. Curitiba, Ed. CRV, 2014.

POLLACK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. 1989. Disponível em: http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf. Acesso em: 23/08/2011.

RICOEUR, Paul. O esquecimento. In A memória, a história e o esquecimento, Campinas: Ed. Unicamp, 2007.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart; BRASILIENSE, Danielle Ramos. Memória e narrativa jornalística. In: RIBEIRO, Ana Paula Goulart; FERREIRA, Lucia Maria Alves (Orgs.). Mídia e Memória – A produção de sentidos nos meios de comunicação. Rio de Janeiro, Ed. Mauad X, 2007.

RANCIÈRE, Jacques. Entrevista Jacques Rancière. A associação entre arte e política, segundo o filósofo Jacques Rancière. Por Gabriela Longman e Diogo Viana. Revista Cult, edição 139, 2009. Disponível em: http://revistacult .uol. com. br/home/2010/03/ entrevista-jacques-ranciere/. Acesso em 25/07/2014.

SALGADO, Joaquim Carlos. A ideia de justiça em Hegel. São Paulo, Edições Loyola, 1996.

SANTOS, Joel Rufino dos. A Metamorfose do Negro. In: SANTOS, Joel Rufino dos; LOPES, Nei; COSTA, Haroldo. Nação Quilombo. Rio de Janeiro, ND Comunicação, 2010.

SODRÉ, Muniz. A Ciência do Comum: Notas para o método comunicacional. Petrópolis: Ed. Vozes, 2014.

___________. Joaquim Barbosa é um lugar. Observatório da Imprensa. (2014). Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/jornal-de-debates/_ed 807_ joaquim_ barbosa _e_um_lugar/. Acesso em: 25/07/2014.

__________. Reinventando a Educação. Rio de Janeiro. Ed. Vozes, 2012.

__________. A verdade seduzida. Rio de Janeiro, DP&A Editora, 2005.

__________. Claros e Escuros. Rio de Janeiro, Ed. Vozes, 2000.

Publicado
2018-08-01
Como Citar
BARBOSA, Z. M. ESVAZIAMENTO DO SUJEITO PELO DISCURSO: mídia e a prática do esquecimento. Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 434-460, 1 ago. 2018.
Seção
Dossiê Temático II / Thematic dossier II / Dossier temático II