O PDI da UFT: instrumento burocrático ou instrumento de gestão? Uma breve análise

Palavras-chave: IFES, PDI, Planejamento estratégico, UFT

Resumo

 

Diante do desafio em se adequar às constantes e rápidas transformações do mundo contemporâneo, as Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) vem desenvolvendo novos processos de gestão frente a situação atual. Neste trabalho, destacou-se o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) como instrumento de planejamento estratégico das IFES, criado pelo Decreto nº 5.773/2006. A pesquisa consistiu em uma análise documental dos PDIs da Universidade Federal do Tocantins (UFT) com o objetivo de avaliar se os PDIs da Universidade estão condizentes com as exigências legais. Através da análise, observou-se uma evolução e aperfeiçoamento na elaboração do PDI, do ponto de vista de que este deixa de ser apenas um instrumento burocrático, para se tornar um instrumento de gestão.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Míriam Lucas da Silva Parente, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Graduada em Administração pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), Especialista em Gestão Pública, Mestranda em Gestão de Políticas Públicas na Universidade Federal do Tocantins (GESPOL-UFT). Email: miriamlsp@uft.edu.br.

Francisco Gilson Rebouças Porto Junior, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Francisco Gilson Rebouças Pôrto Júnior é doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (UFBA), mestre em Educação pela Faculdade de Educação (UnB) e graduado em Comunicação Social/Jornalismo (ULBRA) e Pedagogia (UnB). Atualmente é líder do Núcleo de Pesquisa e Extensão e Grupo Lattes Observatório de Pesquisas Aplicadas ao Jornalismo e ao Ensino (OPAJE-UFT). É professor na Fundação Universidade Federal do Tocantins (UFT). Coordena pesquisas em ensino de jornalismo digital e preservação da Memória. Pesquisa sobre formação, ensino e processos educativos no Brasil, na União Europeia, CPLP/PALOPS e BRICS.

Referências

ALDAY, Hernan E. C. O planejamento estratégico dentro do conceito de administração estratégica. Rev. FAE, v. 3, nº 2. Curitiba, 2000.

ANDRADE, Maria Edgleuma de. Universidades estaduais no contexto da expansão do Ensino Superior. Disponível em: Acesso em: 11 ago. 2014.

ARAÚJO, Maria A. D. Planejamento estratégico: um instrumental à disposição das universidades? Rev. Adm. Pública, v. 30, nº 4. Rio de Janeiro, 1996.

BERTERO, Carlos Osmar. Mudança organizacional e processo decisório. Revista de Administração de Empresas, v.16, nº 2. Rio de Janeiro, 1976.

BODINI, Vera L. Planejamento Estratégico em Universidades. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1998. Disponível em: Acesso em: 11 ago. 2014.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

_________. Decreto-Lei nº 200 de 25 de fevereiro de 1967. Dispõe sobre a organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Brasília, DF, 1967. Disponível em: Acesso em: 10 jul. 2014.

__________. Decreto nº 3.860, de 9 de julho 2001. Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2001.

__________. Decreto nº 5.773 de 9 de maio de 2006. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos de graduação e seqüenciais no sistema federal de ensino. Brasília, DF, 2006.

__________. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996.

__________. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2004.

__________. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Estado. Brasília, DF, 1995.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, v. 47 n.1, jan./abr. 1996.

CAVALIERI, Adriane; MACEDO-SOARES, T. Diana L. v. A. de; THIOLLENT, Michel. Avaliando o Desempenho da Universidade. Rio de Janeiro: Ed. PUCRio; São Paulo: Loyola, 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (Brasil). Parecer CNE/CES nº. 1366, de 12 de dezembro de 2001. Dispõe sobre o recredenciamento, transferência de mantença, estatutos e regimentos de instituições de ensino superior, autorização de cursos de graduação, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos superiores, normas e critérios para supervisão do ensino superior. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2001.

__________. Resolução nº. 10, de 11 de março de 2002. Dispõe sobre o recredenciamento, transferência de mantença, estatutos e regimentos de instituições de ensino superior, autorização de cursos de graduação, reconhecimento e renovação de reconhecimento. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2002.

COSTA, Eliezer Arantes da. Gestão Estratégica, da empresa que temos para a empresa que queremos. São Paulo: Saraiva, 2008.

ESTRADA, R. J. S. Os Rumos do Planejamento Estratégico nas Instituições Públicas de Ensino Superior. In.: Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Salvador: 2001) Salvador: Faculdade de Tecnologia e Ciências, 2001. Disponível em: < http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2001_TR72_0180.pdf>. Acesso em: 11.08.2014.

FILIPAK, Sirley Terezinha. Sustentabilidade acadêmica e o plano de desenvolvimento institucional. 2011. Tese de doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, 2011.

FRANCISCO, Thiago Henrique Almino. Análise das ações que confirmam a relação entre o IGC e o PDI em Faculdades Isoladas no sul de Santa Catarina. Dissertação Mestrado Profissionalizante em Administração Universitária da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2012.

GELBCKE, F., MATOS, E., et al. Planejamento estratégico participativo: um espaço para a conquista da cidadania profissional. Revista Texto Contexto Enfermagem. Florianópolis, 2006. Disponível em: Acesso em: 11 de ago. 2014.

MEYER JR., Victor. Novo Contexto e as Habilidades do Administrador Universitário. In: MEYER JR., Victor; MURPHY, J. Patrick (Org.). Dinossauros, gazelas e tigres: novas abordagens da administração universitária. 2ª ed. ampliada. Florianópolis: Insular, 2003.

OSBORNE, David; GAEBLER, Ted. Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público. Brasília: MH Comunicação, 1994.

PADILHA, R. P. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico da escola. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2001.

SANTOS, Jane Lúcia Silva; et al. Modelo de planejamento estratégico em uma universidade Pública Brasileira: Desenvolvimento e Implementação na Universidade Federal de Alagoas. Florianópolis: 2009. Disponível em: Acesso em: 11 ago. 2014.

SEGENREICH, Stella C. D. O PDI como referente para avaliação de instituições de educação superior: lições de uma experiência. Ensaio: Aval. Políticas Públicas Educacionais, v.13, nº 47. Rio de Janeiro, 2005.

SGUISSARDI, V. Modelo da expansão da educação superior no Brasil: predomínio privado/mercantil e desafios para regulação e a formação universitária. Educação e Sociedade. Campinas, SP, 2008.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Plano de Desenvolvimento Institucional -- PDI 2006-2010. Palmas: Universidade Federal do Tocantins, 2006. Comissão Própria de Avaliação, 2012. Disponível em: Acesso em: 11 ago. 2014.

__________. Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI 2011-2015. Palmas: Universidade Federal do Tocantins, 2010. Disponível em: Acesso em: 11 ago. 2014.

Disponível em: Url: http://opendepot.org/id/eprint/2711

Abrir em (para melhor visualização em dispositivos móveis - Formato Flipbooks):

Issuu / Calameo

Publicado
2015-12-26
Como Citar
PARENTE, M. L. DA S.; PORTO JUNIOR, F. G. R. O PDI da UFT: instrumento burocrático ou instrumento de gestão? Uma breve análise. Revista Observatório, v. 1, n. 3, p. 317-335, 26 dez. 2015.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >>