Narrativas de si: contribuições do cinema para a pesquisa e transformação social

Palavras-chave: narrativas de si, cinema e literatura, atuação do psicólogo, arte e psicanálise.

Resumo

O projeto de pesquisa Narrativas de si: o enlace arte, experiências e conhecimentos na produção escrita e nos processos de subjetivação (IMBRIZI, 2014) prevê a análise de filmes que narram trajetórias de vida. Ele prioriza filmes inscritos na linhagem do poder transformador do cinema, com histórias que apresentam vidas transformadas por algum encontro com pessoas, eventos e coisas. Neste artigo, analisamos o filme “A questão humana”, de Nicolas Klotz (2007), que produz um questionamento do modo de produção capitalista e seus impactos sobre a atuação do psicólogo em um setor de Recursos Humanos. O filme se apresenta como produção que visa suscitar sensibilidades diferentes daquelas propiciadas e padronizadas pela máquina do entretenimento. Trata-se aqui de refletir sobre as contribuições desse filme para a produção de narrativas de si reflexivas e questionadoras dos modos de agir propiciados pela sociedade contemporânea. O artigo conclui que a arte pode ser um dispositivo de pesquisa e pode propiciar mudanças nos rumos tomados pela sociedade ao produzir novas percepções de mundo que escapam à lógica da normalização.

Referências

AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz. São Paulo: Boitempo, 2008.

ARANTES, P. Sale boulot: uma janela sobre o mais colossal trabalho sujo da história. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, v. 23, n.01, p.31-66, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702011000100003.

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

CARRETEIRO, T. Acontecimento: categoria biográfica individual, familiar e histórica. In: FÉRES-CARNEIRO, T. (Org.). Família e Casal: arranjos e demandas contemporâneas. São Paulo: Loyola, 2003.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

EMMANUEL, F. A questão humana. São Paulo: Estação Liberdade, 2010.

FORRESTER, V. O Horror Econômico. São Paulo: Editora Unesp, 1997.

FREUD, S. Moisés e o Monoteísmo. In: Obras Completas. Volume XXIII. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

________. O ‘estranho’. In: Obras Completas, v. 17. Rio de Janeiro: Imago, 1975a.

________. Leonardo da Vinci e uma lembrança da sua infância. In: Obras Completas. vol. XI. Rio de Janeiro: Imago, 1975b.

________. O mal-estar na civilização. In: Obras Completas, v. 18. São Paulo: Companhia das Letras, p. 13-122, 2010.

GAGNEBIN, J. M. Memória, História e Testemunho. São Paulo: Editora 34, 2009.

HARVEY, D. O “novo” imperialismo: sobre rearranjos espaciotemporais e acumulação mediante despossessão. Margem Esquerda n. 5, p. 31-41. São Paulo: Boitempo, 2005.

IMBRIZI, J. A Formação do Indivíduo no Capitalismo Tardio. São Paulo: Hucitec, 2005.

IMBRIZI, J., KEPLER, I., VILHANUEVA, M. Grupos dos Novos: relato de uma experiência de estágio com grupos de acolhimento em um Centro de Referência em Saúde do Trabalhador. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. São Paulo, 28 (128), p. 302-314, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572013000200017.

IMBRIZI, J. Narrativas de si: o enlace arte, experiências e conhecimentos na produção escrita e nos processos de subjetivação. Projeto de pesquisa em desenvolvimento na Universidade Federal de São Paulo – Campus Baixada Santista, 2014.

KLOTZ, N. A questão humana. DVD, distribuidora IMOVISION/SONOPRESS, 2007.

LEVI, P. A trégua. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

__________. Os afogados e os sobreviventes. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

MARCUSE, H. Eros e civilização: Uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. 8ª edição. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

______. A Ideologia da Sociedade Industrial: o homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

PARKER, I. Critical Psychology: What it is and what is not. In: Social and Personality Psychology Compass 1/1, p. 1-15, 2007. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1751-9004.2007.00008.x/abstract.

RAGO, M. A Aventura de contar-se: Feminismos, Escrita de Si e Invenções de Subjetividade. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

SANTOS, L. G. A solução final capitalista. Caderno Mais! Folha de São Paulo. 24 de setembro, 2000. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2409200006.htm [último acesso 11.11.2012]

ZIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Boitempo editorial, 2003.

Publicado
2016-03-21