Análise microbiológica da água do Rio Itapecuru em Caxias-MA, Brasil

Palavras-chave: Qualidade da água. Contaminação dos rios. Escherichia Coli.

Resumo

A qualidade da água ao redor de nosso planeta tem se deteriorado de forma crescente, especialmente nos últimos 50 anos em decorrência dos aumentos significativos nos processos de urbanização e industrialização. Os poluentes alcançam águas superficiais e subterrâneas de formas bastante diversas tornando a qualidade da água tão ou mais importante quanto à disponibilidade de água. O presente trabalho justifica-se pela relevância da analise do nível de contaminação da água do rio Itapecuru, importante fonte para o abastecimento de água da cidade e municípios. O objetivo foi analisar a qualidade da água do rio Itapecuru no perímetro urbano do município de Caxias. A pesquisa foi realizada, no mês de junho de 2015, às margens do rio Itapecuru. O método empregado para a análise das amostras para determinação de coliformes totais (CT), fecais (CF) e Escherichia colli (EC), foi o de Número mais Provável (NMP) e a técnica foi a de tubos múltiplos baseados nos recomendados pela Associação Americana de Saúde Pública adotado no manual prático de análises de água da Fundação Nacional de Saúde. Os resultados mostraram que a água está contaminada por coliformes fecais e, portanto, imprópria para consumo e balneabilidade.

Referências

ALCÂNTARA, E.H. Caracterização da bacia hidrográfica do rio Itapecuru, Maranhão – Brasil. Revista caminhos de geografia, Uberlândia, v. 5, n. 11, p. 97-113, 2004.

BARROS, M.C. Biodiversidade na Área de Proteção Ambiental Municipal do Inhamum. São Luís: UEMA, 2012.

BATISTA, L.M.R. O sistema ITALUIS na participação do abastecimento de água da capital do Maranhão. UFMA. 1997.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) – Resoluções n° 357 de 2000.

Disponível em: . Acesso em: 10/06/

BUNCE, N. Environmental Chemistry. 2. ed. Winnipeg: Wuerz Publishing Ltd, 1994.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE – FUNASA. Manual prático de análise de água. 2ª ed. Brasília: FUNASA, 2006. 146p.

LIMA, W.S. Qualidade da água em Ribeirópolis: o açude do Cajueiro e a barragem do João Ferreira. 2008 119 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Universidade Federal de São Cristovão - UFS, Sergipe, Brasil, 2008.

MANUAL DE TREINAMENTO DE AGENTES AMBIENTAIS. Instituto do Homem, São Luis, Estação Gráfica, 1999.

SHIBATA, T.; SOLO-GABRIELE, H.M.; FLEMING L.E. et al. Monitoring marine recreational water quality using multiple microbial indicators in an urban tropical environment. WaterResearch, v.38, p. 3119-3131, 2004.

SOUZA L.C.; IARIA S.T.; PAIM G.V. et al. Bactérias coliformes totais e coliformes de origem fecal em águas usadas na dessedentação de animais. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 17, p. 112-122, 1983.

TUNDISI, J.G. TUNDISI, T.M.A.; Água. São Paulo: Publifolha, 2005. 120p.

VANDERZANT, C.; SPLITTSTOESSER, D.F. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. 3. ed. Washington: American Public Health Association – APHA, 1992.

YAMAGUCHI M.U, CORTEZ L.E.R., OTTONI, L.C.C. et al. Qualidade microbiológica da água para consumo humano em instituição de ensino de Maringá-PR, 2013.

Publicado
2016-03-21