Homenagem toponímica a Nina Rodrigues no Estado do Maranhão: apologia implícita à crença na degenerescência étnica pela mestiçagem?

  • Reginaldo Nascimento Neto IFMA
Palavras-chave: Toponímia, etnia., Nina Rodrigues, etnia

Resumo

RESUMO

O objetivo deste artigo é perscrutar se a homenagem toponímica a Raimundo Nina Rodrigues, no Estado do Maranhão, advoga implicitamente o mito, sedimentado pela frenologia, de que a mestiçagem humana produz degenerescência étnica, conforme postulava  esse médico brasileiro (1862-1906), arvorando-se no pressuposto da superioridade da etnia branca (SKIDMORE, 1989). Trata-se de uma investigação de cunho bibliográfico e fundamenta-se nos estudos de (CLOVAL, 2001), (NASH, 2013) e (DICK, 1987, 1990). À princípio,  pretende-se demonstrar que as teses racistas do Dr. Nina Rodrigues, claramente descortinadas por meio do vocabulário que ele emprega, são oriundas de um contexto histórico modelado pelo Darwinismo Social da Europa e pela ideologia escravagista mantida no Brasil mesmo após 1888. Esse paradigma deveria ser rechaçado à  luz das descobertas antropológicas de mais amplo espectro que se tem presentemente. Para tanto, partindo-se de postulados sobre a origem da etnia negra, seus etnônimos e atuação na civilização antiga, chega-se à ilação de que, a deseducação, o tratamento cruel e a constante depreciação procedentes de diversos formadores de opinião social engendram comportamentos e as ditas taras hereditárias degenerativas, isto é, não se trata de índole imanentemente selvagem, mas produto.

Palavras-chave: Toponímia, Nina Rodrigues, etnia.

 

ABSTRACT

This paper purpose is to peer if the toponymic tribute to Nina Rodrigues in the state of Maranhão advocates implicitly the myth sedimented by Phrenology that human interbreeding produces ethnic degeneration, as this Brazilian physician(1862-1906) used to postulate flying on the assumption of a superiority of the white ethnicity. (SKIDMORE, 1989). This is a bibliographic search and it is anchored on the studies of (CLOVAL, 2001), (NASH, 2013) e (DICK, 1987, 1990).  In the beginning, it intends to show that the racist theses of Dr. Nina Rodrigues, clearly unveiled by means of the vocabulary he employs, are arising from a historic context carved out by the European Social Darwinism and the slaveholder ideology, maintained in Brazil, even after 1888, and, that such a paradigm should be rejected at the light of the highest spectrum anthropological discoveries existent today. So, starting from postulates about the negro ethnicity origin, their ethnonyms and acts in the old civilization, it touches the illation that miseducation, cruel treatment, and constant depreciation, coming from several makers of social opinion, build behaviors and the said hereditary degenerative defects, i/o it is not an immanently wild nature, but a product.

Keywords: Toponymy, Nina Rodrigues, ethnicity.Up to three words.

 

RESUMEN

En este artículo se propone investigar si el tributo toponímica Raimundo Nina Rodrigues, en el estado de Maranhão, implícitamente aboga por el mito, sedimentado por la frenología, que el entrecruzamiento humano produce la degeneración étnica, tal como postula que médico brasileño (1862-1906), arvorando- en la superioridad de la raza blanca de la asunción (SKIDMORE, 1989). Esta es una naturaleza bibliográfica de la investigación y se basa en estudios de (CLOVAL, 2001), (NASH, 2013) Y (DICK, 1987, 1990). En primer lugar, tenemos la intención de demostrar que las tesis racistas del Dr. Nina Rodrigues, descortinadas claramente a través del vocabulario que utiliza, venimos de un contexto histórico modelado por el darwinismo social de Europa y la ideología de esclavos que tuvo lugar en Brasil, incluso después de 1888. Este paradigma debe ser rechazada a la luz de los descubrimientos antropológicos espectro más amplio que tiene actualmente. Por lo tanto, a partir de las hipótesis sobre el origen de la raza negro, sus gentilicios y el rendimiento en la civilización antigua, uno llega a la conclusión de que el tratamiento cruel sin educación y la depreciación constante vinieron de otros entrenadores opinión comportamiento social engendran y dichos defectos hereditarios degenerativos, es decir, que no es inmanente naturaleza salvaje, pero en el producto.

Descriptores: Toponimia, Nina Rodrigues, el origen étnico

Referências

AYROSA, Plínio. Têrmos Tupís no Português do Brasil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1937.

BAKTHIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BIDEMAN, M.T.C. Teoria Linguística: Teoria Lexical e linguagem Computacional. 2ª. ed. Martins Fontes: São Paulo, 2001.

BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Simbólicas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva,

________________. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BUENO. M. A Origem Curiosa das Palavras e/ou dos Significados. Rio de Janeiro: José olympio Ed. 2003.

CARVALHINHOS, Patrícia de Jesus. Onomástica e lexicologia: o léxico toponímico como catalizador e fundo de memória. Estudo de Caso: os sociotopônimos de Aveiro (Portugal). In.: Revista USP. São Paulo, n.56, p.172-179, 2002-2003.

CARVALHINHOS , 2016. Disponível em: http://toponimia.fflch.usp.br/node/8 acessado em 10.set.2016, 13h.

CLAEYS, Gregory. A Sobrevivência do mais apto e a Origem do Darwinismo Social – Revista de História das Ideias 61(2): 223-240, 2000. Disponível em:

http://www.historia.uff.br/nec/documentos/revolucao-industrial. Acesso em 19/set/2016.

CLOVAL, Paul. A Geografia Cultural, 2ª. ed. Florianópolis: EduFSC, 2001.

CORREA, Mariza. As Ilusões da liberdade: a escola de Nina Rodrigues e a Antropologia no Brasil. Braganca Paulista: Edusp; editora da Universidade de São Francisco. 1998-2001.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. “Toponímia e Cultura”, in: Rev. Inst. Est. Bras., SP,27:93-101, 1987

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Toponímia E Antroponímia No Brasil. Coletânea de Estudos. 2. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 1990

DURKHEIM, Emile. As Formas Elementares da Vida Religiosa. São Paulo: Abril

Cultural, 1978.

ERWIN, Raisz. Lettering and geographical names’ general cartography. N.Y. London: McGraw-Hill, 1948.

FRANK, Joseph. Dostoievski. 1850-1859 – Os Anos De Provação. Tradução de Vera Ferreira. São Paulo: Edusp, 1999.

FURTADO, Sebastião da Silva, Maj. A Toponímia e a Cartografia. Rio de Janeiro: Ministério da Guerra, 1960.

GIRARDI, Giovana (fevereiro de 2007). «Qual é a origem dos nomes dos Estados brasileiros?». In https://pt.wikipedia.org/wiki/Etimologia_dos_nomes_das_unidades_federativas_do_Brasil#cite_note-galileu-2 Consultado em 15 de maio de 2016.

HERÓDOTO. II, 24.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houass de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: 2004.

JACKSON. John Glover Ethiopia and the Origin of Civilization,,(1939). Disponível em: http://www.archive.org/details/EthiopiaAndTheOriginOfCivilization

JANOTTI, Amaro e LOURDES, Mônaco. A Balaiada. São Paulo: Brasiliense, 1987.

LACERDA, João Batista. Sobre os Mestiços no Brasil. Tradução de Eduardo Dimitrov, Íris Morais Araújo e Rafaela de Andrade Deiab do artigo sur le métis au Brésil, publicado em Premier Congrès Universel des Races: 26-29 juillet 1911. Paris Imprimérie Devouge. 1911.

MARCUSCHI, Luis Antonio. Do Código para a Cognição: O Processo Referencial

Como Atividade Criativa Revista Veredas. Minas Gerais, vol. 6 N. 1, p. 43-69.

___________. Cognição e Linguagem: Praticas Interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna,

Mayr, E. The Growth Of Biological Thought: Diversity, Evolution And Inheritage. Cambridge- Harward UN press. 1982.

MCKISSIC, William Dwight. Beyond Roots: In Search of Blacks in the Bible Paperback – June, 1990.

MOORE, R. A Evolução. Rio de Janeiro: José Olímpio. 1970.

MORIN, Edgard. Por uma Reforma do Pensamento.Tradução de Ribas, M.C. conferencia introdutória ao colóquio “reforme de la penseé et système educatif”, promovido pela Unesco, Paris, set, 1994.

NASH, Joshua. Insular Toponymies. Place-naming on Norfolk Island, South Pacific and Dudley Peninsula, Kangaroo Island. Amsterdam, Netherlands: John Benjamins Publishing Co., 2013.

NEIVA, Arthur Hehl. Povoamento do Brasil No Século XVIII. São Paulo: Indústria Gráfica, 1952.

PETRIE , W. M. F. The Making of Egypt. London. 1939, p. 67

RODRIGUES, Raimundo Nina. Os mestiços Brasileiros. Gazeta médica da Bahia 21 (9): 401-407; 497-503, 1890.

RODRIGUES, R. Nina. Mestiçagem, degenerescência, e crime. Tradução de Mariza Corrêa do artigo "Métissage, dégénerescence et crime", publicado nos Archives d'Anthropologie Criminelle, v.14, n.83, 1899. O exemplar usado para esta tradução, cópia do existente na Faculdade de Medicina da Bahia, trazia uma dedicatória em francês, manuscrita, para Alfredo Britto, na qual só é legível a palavra amitié, assinada por Nina Rodrigues e com a data de 10 de janeiro de 1900. Abaixo, a informação sobre a editora: Lyon, A. Storck & Cie, Imprimeurs-Éditeurs.

SANTOS, Maria Villela. A Balaiada e a Insurreição dos Escravos no Maranhão. São Paulo: Ática, 1983.

SCHNERB, R., tomo VI – in História Geral das Civilizações, vol.XIV, DIFEL, 1961, pág. 233

SIMPSON, George Gaylord. The major features in evolution. Nova York: Columbia University Press, 1953. p. 96.

SKIDMORE, Thomas Elliot. Preto no branco. Raça e Nacionalidade no Pensamento Brasileiro. 2ª. ed. Trad. R.S. Barbosa. Rio de janeiro. Paz e terra, 1989 (col estudos brasileiros, vol.9)

STEFANO, Waldir. Octavio Domingues e a Eugenia no Brasil: Uma perspectiva ‘mendeliana’. São Paulo, 2001. Dissertação (mestrado em história da Ciência) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

TIBIRIÇÁ, Luís Caldas. Dicionário de topônimos Brasileiros de origem Tupi: Significado dos nomes geográficos de origem tupi. Brasil. Traço, 1985.

VASCONCELOS, J. Leite de. Opusculus Vol III Onomatologia. Coimbra: Imprensa da Universidade. 1931.

VIEIRA FILHO, Domingos. Breve História das Ruas e Praças de São Luís. Editora: Gráfica Olimpica. 1971.

WILLIAMS, Raymond. Darwinismo Social na Avaliação crítica de Helbert Spencer. John oferta. ed. P. 186-199, 2000.

WILLIAM, E. Marxismo e literatura. 1979.

WHITE, Ellen, Review and Herald, June 6, 1893.

___________, para E. J. Waggoner, 22 de Janeiro de 1893, Carta 78, 1893, EGWE.

.

Publicado
2017-02-13
Como Citar
Neto, R. N. (2017). Homenagem toponímica a Nina Rodrigues no Estado do Maranhão: apologia implícita à crença na degenerescência étnica pela mestiçagem?. DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 4(1), 62-75. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2017v4n1p62
Seção
Artigos