ESTÁGIO SUPERVISIONADO EAD: mesmas diretrizes, novas conexões

Palavras-chave: estágio, plataforma moodle, educação a distância

Resumo

Este artigo descreve a implantação do estágio curricular supervisionado do Curso de Licenciatura em Biologia na modalidade a distância da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Discute teorias de origem positivista do ensino tradicional, contrapondo-as a propostas emergentes do ensino a distância (EaD), e reflete sobre a interação entre (e com) os alunos estagiários da UFT na plataforma Moodle. Ressaltam-se as percepções sobre essas interações, na perspectiva do conhecimento compartilhado e de processos reflexivos mediados pelas tecnologias. Partindo do princípio de que as diretrizes, tanto no estágio curricular presencial quanto no a distância, são baseadas no mesmo decreto 87.497, busca-se levantar questões que demarquem diferenças ou aproximações entre ambas as propostas.

 

PALAVRAS-CHAVE: plataforma moodle; estágio supervisionado; educação a distância.

 

ABSTRACT

This article describes the implantation of the supervised training in undergraduate course of  biology in the distance modality of the Federal University of Tocantins (UFT). It discusses positivistic line theories of traditional education, counterposing them with emerging proposals of e-learning, and reflects on the interaction between (and with) students trainees of UFT in the Moodle platform. The perceptions of these interactions are emphasized, In the perspective of shared knowledge and reflective processes mediated by technologies. Assuming that the guidelines, both online and on-site supervised academic training programs, are based on the same decree 87,497, it seeks to raise issues that demark differences or approximations between both proposals.

 

 

KEYWORDS: moodle platform; supervised training; distance e-learning.

 

RESUMEN

En este artículo se describe la implementación de los estrenamientos curriculares supervisionados en el curso de licenciatura en Biología a distancia de la Universidad Federal de Tocantins (UFT). Discute las teorías de orientación positivista de la enseñanza tradicional, comparándolos con las propuestas que surgen de la enseñanza a distancia y reflexiona sobre la interacción entre (y con) los estudiantes de la UFT en la plataforma Moodle. Se resaltam las percepciones acerca de estas interacciones, desde la perspectiva de compartir conocimientos y procesos reflexivos mediados por la tecnología. Partiendo del principio de que las directrices curriculares, tanto en entrenamiento curricular presencial quanto a distancia, se basan en el mismo decreto 87,497, tratamos de plantear cuestiones que señalen las diferencias o aproximaciones entre ambas propuestas.

 

PALABRAS CLAVE: Plataforma moodle; entrenamiento supervisionado; educación a distancia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marluce Zacariotti, Universidade Federal do Tocantins

Doutora em Educação (PUC/Go); Mestre em Ciências da Comunicação (USP); especialista em Gestão da Comunicação (USP) e Graduada em Jornalismo (UFG). Professora adjunta do curso de Jornalismo da UFT; Professora do Mestrado Profissional em Educação (UFT); coordenadora do grupo de pesquisa CNPq Comunicação, Sociedade e Meio ambiente; vice-coordenadora do PPPGE/UFT e coordinadora do NUJOR. E-mail: marluce@uft.edu.br.

Maria José de Pinho, Universidade Federal do Tocantins

Pós-Doutorado em Educação pela Universidade do Algarve-Portugal Doutorado em Educação - PUC/SP. Pesquisadora Bolsista Produtividade CNPq Categoria 2. É professora no Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Ensino de Língua e Literatura. Também é professora no Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação Acadêmico e Profissional. É membro da Rede Internacional de Escolas Criativas: construindo a escola do século XXI (RIEC Coord.UB/Espanha). Coordenadora no Tocantins da Rede de Escolas Criativas. E-mail: mjpgon@uft.edu.br.

Publicado
2019-05-01
Como Citar
ZACARIOTTI, M.; PINHO, M. J. DE. ESTÁGIO SUPERVISIONADO EAD: mesmas diretrizes, novas conexões. Revista Observatório, v. 5, n. 3, p. 118-144, 1 maio 2019.