BENEFÍCIOS PEDAGÓGICOS DO USO DE EQUIPAMENTOS CELULARES EM SALA DE AULA

Palavras-chave: Telefone celular, aprendizagem significativa, estrutura cognitiva, representação social

Resumo

A utilização do telefone celular em sala de aula tem alcançado visibilidade diante de seu inadequado uso, que gera insatisfação tanto nos professores e equipe envolvida no órgão institucional quanto dos alunos. Em consideração a essa conjuntura a proposta da Aprendizagem Significativa vai ao encontro da necessidade apresentada através de uma dinâmica interacional que sugestiona um adequado uso do aparelho eletrônico. O presente artigo visa propostas de execução dos princípios contidos na teoria de Ausubel e Vygotsky. Foi constatado que os professores, depois de conscientizados, buscaram métodos além do estímulo-resposta. No entanto, barreiras como a não-estimulação da autonomia obtida na formação precisam ser superadas.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jocyléia Santana dos Santos, Universidade Federal do Tocantins

Doutorado em História pela Universidade Federal de Pernambuco (2006), Mestrado em História pela Universidade Federal de Pernambuco (1996), Graduação em Historia pela Universidade Católica de Goiás (1991, Fundação Universidade Federal do Tocantins – UFT, Campus Palmas, Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), e-mails: <ppgedu@uft.edu.br>,  <jocyleia@uft.edu.br> <jocyleiasantana@gmail.com>

Erisnalva Pereira da Silva, Universidade Federal do Tocantins

Graduação em Letras e Pedagogia (UNITINS). Mestranda em Educação pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). E-mail: erisnalva.silva@ifto.edu.br.

Isabel Auler Cristina Pereira, Universidade Federal do Tocantins
(In Memorian) Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Literatura Brasileira pela UnB. Graduação em Letras Inglês/Português, Especialista em Avaliação Institucional e em Ensino de Língua Portuguesa. Reitora da Universidade Federal do Tocantins. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE-UFT). E-mail: isabel@uft.edu.br.

Referências

BAUM, W.M. Compreender o Behaviorismo. Porto Alegre: Artmed, 1999.

BAUMAN, Z. Vida para consumo. Rio de Janeiro: Jorge Hazar, 2008.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Da Educação. Brasília, DF: Senado Federal: Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm> Acesso em: 13 mar. 2017.

_______. Projeto de Lei n.º 331/2012. Disponível em: <http://sapl.al.to.gov.br/sapl/sapl_documentos/materia/31774_texto_integral>. Acesso em: 13 mar. 2017.

CIDADANIA. Dicionário Aurélio, 10 mar. 2017. Disponível em: <https://dicionariodoaurelio.com/cidadania>. Acesso em: 10 mar. 2017.

CIDADÃO. Dicionário Aurélio, 11 mar. 2017. Disponível em: <https://dicionariodoaurelio.com/cidadão>. Acesso em: 10 Mar. 2017.

DESENVOLVIMENTO. Dicionário Aurélio 11 mar. 2017.. Disponível em: <https://dicionariodoaurelio.com/desenvolvimento>. Acesso em: 10 mar. 2017.

QUALIFICAÇÃO. Dicionário Aurélio, 11 mar. 2017. Disponível em: <https://dicionariodoaurelio.com/qualificacao>. Acesso em: 11 mar. 2017.

CATANIA, A.C. (1999). Aprendizagem: comportamento e cognição. Porto Alegre: Artmed, 1999.

GARCIA, V. A. Um sobrevôo: o conceito de educação não-formal. In: PARK, M. B & FERNANDES, R. S. Educação não-formal: contextos, percursos e sujeitos. Campinas: Unicamp/CMU, set. 2005.

JORDÃO, F. História: a evolução do celular, 22 mai. 2009. Disponível em: <https://www.tecmundo.com.br/celular/2140-historia-a-evolucao-do-celular.htm>. Acesso em: 13 mar. 2017.

KOHN, K; MORAES, C H. O impacto das novas tecnologias na sociedade: conceitos e características da sociedade da informação e da sociedade digital, 2 mai. 2007. Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2007/resumos/R1533-1.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2017.

LANE, S T. M. O que é psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 2006.

LIBÂNEO, J C. Adeus professor; Adeus professora? Novas exigências educacionais e a profissão docente. São Paulo: Cortez, 1999, p. 22

LOPES, R C S. A relação professor aluno e o processo ensino aprendizagem. 2009. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1534-8.pdf> Acesso em: 13 mar. 2017.

MOREIRA, M A. Aprendizagem significativa. Brasília: Universidade de Brasília, 2009. 129 p.

MOYSÉS, L. O desafio de saber ensinar. 2 ed. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 1995. 138 p.

SILVA, M G. O uso do aparelho em sala de aula, 2012. Disponível em: <http://www2.unifap.br/midias/files/2016/04/O-USO-DO-APARELHO-CELULAR-EM-SALA-DE-AULA-MARLEY-GUEDES-DA-SILVA.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2017.

Publicado
2018-08-01
Como Citar
SANTOS, J. S. DOS; DA SILVA, E. P.; PEREIRA, I. A. C. BENEFÍCIOS PEDAGÓGICOS DO USO DE EQUIPAMENTOS CELULARES EM SALA DE AULA. Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 536-556, 1 ago. 2018.