COMUNICAÇÃO E GÊNERO: reflexões sobre as ações da Defensoría Del Público de Servicios de Comunicación Audiovisual da Argentina

Palavras-chave: Comunicação, Gênero, Argentina, Defensoría del Público

Resumo

O artigo tem como objetivo discutir as ações de comunicação e gênero a partir da experiência da Argentina com a instituição da Defensoría del Público de Servicios de Comunicación Audiovisual, criada em 2012, como um desdobramento da aplicação da Ley nº 26.522 de Servicios de Comunicación Audiovisual, conhecida popularmente como Ley de Medios, sancionada em 2009. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, cujo método utilizado foi a análise documental, que possibilitou conhecer algumas ações da Defensoría del Público voltadas à perspectiva de gênero na comunicação, entre elas, o monitoramento de programas de notícias e publicações. A pesquisa apontou que o organismo atua no combate da reprodução de discursos discriminatórios e lesivos às mulheres nos meios de comunicação audiovisual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cynthia Mara Miranda, Universidade Federal do Tocantins

Doutora e mestre em Ciências Sociais (UnB), graduada em Comunicação Social (UFT) professora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociedade e do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Tocantins (UFT). E-mail: cynthiamara@mail.uft.edu.br.  

Rose Dayanne Santana Nogueira, Universidade Federal do Tocantins

Mestranda em Comunicação e Sociedade (UFT). Graduada em Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo (Ulbra). Integra o Núcleo de Pesquisa e Extensão Observatório de Pesquisas Aplicadas ao Jornalismo e ao Ensino (Opaje-UFT).

Referências

ARGENTINA. Ley nº 26.485, de 11 de março de 2009. Buenos Aires, 2009. Disponível em: http://servicios.infoleg.gob.ar/infolegInternet/anexos/150000-154999/152155/norma.htm. Acesso em: 3 out. 2016.

______. Ley nº 26.522, de 10 de outubro de 2009. Buenos Aires, 2009. Disponível em: http://servicios.infoleg.gob.ar/infolegInternet/anexos/155000-159999/158649/norma.htm. Acesso em: 3 out. 2016.

BARROS, Antônio; DUARTE, Jorge (Org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

BOSCHIERO, Chiara. Derechos Humanos, Género y Medios de comunicación en Argentina: la Ley de Medios analizada desde un enfoque de género. Tesis de maestría. Universidad Nacional de San Martín y Centro Internacional de Estudios Político. Buenos Aires, 2012. Disponível em: http://www.unsam.edu.ar/ciep/wp-content/uploads/2013/06/Tesis-Chiara-Boschiero.pdf. Acesso em: 29 ago. 2016.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CHAHER, Sandra (Org.). Políticas públicas de comunicación y género en América Latina: un camino por recorrer. Buenos Aires: Eudeba, 2014.

______ (Org.). Políticas públicas de comunicación y género en América Latina: entre andares y retrocesos. Buenos Aires: Defensoría del Público, 2016.

DEFENSORÍA DEL PÚBLICO DE SERVICIOS DE COMUNICACIÓN AUDIOVISUAL. Primer informe de gestión, año 2013. Buenos Aires: Eudeba, 2014.

______. Segundo informe de gestión, año 2014. 2. ed. Buenos Aires: Eudeba, 2015.

______. Tercer informe de gestión, año 2015. 3. ed. Buenos Aires: Eudeba, 2016.

______. Informe de gestión 2012-2016. Disponível em: http://www.defensadelpublico.gob.ar/wp-content/uploads/2016/11/DPSCA-INFORME-GESTION-2012-2016.pdf. Acesso em: 16 jan. 2017.

______. Comunicar en clave de géneros. Disponível em: http://www.defensadelpublico.gob.ar/lineas-de-accion/violencia-mediatica/. Acesso em: 3 out. 2016.

MORAES, Dênis. Por que a Ley de Medios da Argentina é referência fundamental para a América Latina. 28 jan. 2013. Disponível em: http://www.alainet.org/pt/active/61215. Acesso em: 1º nov. 2016.

OTTAVIANO, Cynthia. Prólogo. Todavía las palabras nos arrastran de los pelos. In: CHAHER, Sandra (Org.). Políticas públicas de comunicación y género en América Latina: un camino por recorrer. Buenos Aires: Eudeba, 2014.

______. Prólogo. Todavía las palabras nos arrastran de los pelos. In: CHAHER, Sandra. (Org.). Políticas públicas de comunicación y género en América Latina: entre andares y retrocesos. Buenos Aires: Defensoría del Público, 2016.

RICO, Ada Beatriz; TUÑEZ, Fabiana et al. Por Ellas... 5 años de Informes de Femicidios. Observatorio de Femicidios en Argentina. Buenos Aires: La Casa del Encuentro, 2013.

RUBINI, Carolina Inés. El caso de la Defensoría Del Público Argentina en el contexto de observatorios de América Latina. Revista Especializada en Periodismo y Comunicación, Buenos Aires, Facultad de Periodismo y Comunicación Social de La Universidad Nacional Del La Plata, v. 1, n. 40, 2013.

STRAUSS, Anselm; CORBIN, Juliet. Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2008.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2015: Homicídio de Mulheres no Brasil. Brasília. Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), 2015. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015 _mulheres.pdf. Acesso em: 25 nov. 2016.

VIVARTA, Veet (Coord.). Imprensa e agenda de direitos das mulheres: uma análise das tendências da cobertura jornalística. Andi; Instituto Patrícia Galvão. Brasília: 2011. Disponível em: http://www.andi.org.br/inclusao-e-sustentabilidade/publicacao/imprensa-e-agenda-de-direitos-das-mulheres-uma-analise-das-te. Acesso em: 25 nov. 2016.

Publicado
2017-03-30
Como Citar
MIRANDA, C.; NOGUEIRA, R. D. COMUNICAÇÃO E GÊNERO: reflexões sobre as ações da Defensoría Del Público de Servicios de Comunicación Audiovisual da Argentina. Revista Observatório, v. 3, n. 1, p. 33-57, 30 mar. 2017.
Seção
Dossiê Temático / Thematic dossier / Dossier temático

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##