A CRIMINALIZAÇÃO DO NEGRO E DAS PERIFERIAS NA HISTÓRIA BRASILEIRA

  • Enio Walcacer de Oliveira Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
Palavras-chave: criminalização, direito penal, estigmatização, negro, preconceito

Resumo

 O presente artigo busca estudar a criminalização do negro no Brasil, como consequência do processo de colonização e escravidão operado no país à partir do Século XVI, fazendo um paralelo histórico entre o período de escravidão e o regime nazista estudado por Bauman, e a manutenção da segregação social e da seletividade operada pelo sistema penal no Brasil em face dos negros, como fator derivado desta (des)construção humana. Para tanto é feito no decurso deste artigo um estudo estatístico sobre a seletividade das mortes por arma de fogo no Brasil, e ainda sobre a segregação dos negros nas prisões brasileiras, em uma demonstração da operacionalização segmentada e direcionada a um grupo no que se pode determinar como uma tentativa de “branqueamento” por meio da violência na história brasileira.

 

 

Biografia do Autor

Enio Walcacer de Oliveira Filho, UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Mestre em Prestação Jurisdicional e Direitos Humanos, pós-graduado em Ciências Criminais e em Direito e Processo Administrativo, graduado em Comunicação Social e Direito, todos pela Universidade Federal do Tocantins. Coordenador de Iniciação Científica, Extensão e Pós-Graduação e titular da cadeira de Processo Penal na Faculdade Serra do Carmo - FASEC. Escritor das obras Constituição & Inquisição (Lumen Júris) e A tutela penal das Modernas Biotecnologias (PerSe),bem como organizador de obras jurídicas. Servidor efetivo da Polícia Civil do Tocantins e colunista de jornais e sites jurídicos.

Referências

ADORNO, Sérgio. Racismo, Criminalidade Violenta e Justiça Penal: Réus Brancos e Negros em Perspectiva Comparativa. Revista Estudos Históricos, FGV, v. 9, n. 18 (1996), p. 283-300. Disponível em: < http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2034/1173> acesso em: 08/07/2015.

BAUMAN, Zigmunt. Modernidade e Holocausto. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

Brasil. Presidência da República. Secretaria Geral. Mapa do encarceramento: os jovens do Brasil / Secretaria-Geral da Presidência da República e Secretaria Nacional de Juventude. – Brasília : Presidência da República, 2015. Disponível em < http://www.pnud.org.br/arquivos/encarceramento_WEB.pdf>, acesso em 01/10/2015.

CASTRO, Leonardo. Escravidão e resistência no Brasil. Disponível em http://novahistorianet.blogspot.com.br/2009/01/escravido-e-resistncia-no-brasil.html acesso em: 07/07/2015.

GALEANO, Eduardo H. As veias abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM, 2015.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

OLIVEIRA, Litiere; CARDOSO, Monique; GUIMARÃES, Mercedes. Escravidão, um passado para esquecer? On line, disponível em < http://www.areliquia.com.br/artigos%20anteriores/41escrav.htm> ,acesso em: 12 de agosto de 2015.

MENEZES , Cinara. Ecos da escravidão. Carta Capital. 10/03/2011. Disponível em < http://www.cartacapital.com.br/politica/ecos-da-escravidao-2> acesso em: 04 de outubro de 2014.

MOURA, Clóvis. A história do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1989.

PASSOS, Walter. A maldição de Cam – mentiras para escravizar e explorar o povo preto. Disponível em: < http://cnncba.blogspot.com.br/2008/03/maldio-de-cam-mentiras-para-escravizar.html> acesso em: 05 de junho de 2014.

ROCHA, Edmar José; ROSEMBERG, Fúlvia. Autodeclaração de cor e/ou raça entre escolares paulistanos(as). Disponível em < http://www.academia.edu/740031/Autodeclara%C3%A7%C3%A3o_de_cor_e_ou_ra%C3%A7a_entre_escolares_paulistanos_as_> Acesso em: 13 de janeiro de 2015.

UCHOA, Pablo. Brasil dominou tráfico de escravos no mundo. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/reporterbbc/story/2007/04/070405_escravos_database_pu.shtml> Acesso em: 22 de outubro de 2014.

Publicado
2016-06-23
Como Citar
de Oliveira Filho, E. W. (2016). A CRIMINALIZAÇÃO DO NEGRO E DAS PERIFERIAS NA HISTÓRIA BRASILEIRA. Revista Vertentes Do Direito, 3(1), 60-75. https://doi.org/10.20873/uft.2359-0106.2016.v3n1.p60-75
Seção
Artigo Científico