Jornalismo e despolitização

Palavras-chave: Midiatização, Despolitização, Jornalismo

Resumo

Este artigo trata de jornalismo e despolitização da política, considerando a literatura nacional e internacional. Ele tem como referência as críticas a um modelo normativo típico que descreve/prescreve a relação da organização e da atividade econômica da imprensa com a política e a democracia, a partir de uma analogia com a concepção liberal da economia e da política: as pressões de mercado não levam à diversidade de conteúdos e à politização, ao contrário, elas tendem a reforçar a despolitização da política. A literatura sobre mídia e política no Brasil é analítica, qualificada e volumosa, mas não trata das relações entre os processos de midiatização e de despolitização da política. Já a literatura internacional dispõe textos que revelam várias práticas e processos do espaço do jornalismo que caracterizam a despolitização da política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio José Pedroso Neto, Universidade Federal do Tocantins

Sociólogo. Doutor em Ciências Sociais (UFSCar). Professore Adjunto IV da UFT. Pesquisador do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da UFT. Desde 2009 é bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq com projetos sobre mídia e economia no Brasil, especialmente sobre o jornalismo econômico. E-mail: ajpedrosoneto@uol.com.br. 

Referências

ARAUJO, V. T. Enquadramentos do governo Dilma na mídia impressa brasileira. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, UFT, 2014.

AZEVEDO, F. A. CHAIA, V. L. M. O Senado nos editoriais dos jornais paulistas (2003 - 2004). Opinião Pública, v. 14, n. 1, 2008.

AZEVEDO, F. A. Mídia e democracia no Brasil: relações entre o sistema de mídia e o sistema político. Opinião Pública, v. 12, n. 1, 2006.

BENSON, R. La logique du profit dans lesv medias americains. Actes de la Recherche en Sciences Sociales. v. 131-132, 2000.

BIROLI, F. Gênero e política no noticiário das revistas semanais brasileiras: ausências e estereótipos. Cadernos Pagu, n. 34, 2010.

BIROLI, F. MANTOVANI, D. Disputas, ajustes e acomodações na produção da agenda eleitoral: a cobertura jornalística ao Programa Bolsa Família e as eleições de 2006. Opinião Pública, v.16, n.1, 2010.

BOURDIEU, P. A distinção: critica social do julgamento. São Paulo/Porto Alegre: Edusp/Zouk, 2006.

BOURDIEU, P. O campo econômico. Política & Sociedade, n. 6, 2005.

BOURDIEU, P. O mercado dos bens simbólicos. In: BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

BOURDIEU, P. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

CALDAS, S. Jornalismo Econômico. São Paulo, Editora Contexto, 2003.

CHAIA, V. TEIXEIRA, M. A. Democracia e escândalos políticos. São Paulo em Perspectiva, v. 15, n. 4, 2001.

CHAMPAGNE, P. A visão midiática. In: BOURDIEU, P. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHAMPAGNE, P. Faire l`opinion. Le neuveau jeu politique. Paris: Minuit, 2015.

CHAMPAGNE, P. La double dependance. Quelques remarques sur les rapports entre les champs politique, économique et journalistique, Hermes, 17-18, 1995.

COMBY, J. B. L'individualisation des problèmes collectifs: une dépolitisation politiquement située. Savoir/Aagir, Paris, n. 28, 2014.

FINAMORE, C. M. CARVALHO, J. E. C. HOFF, J. Mulheres candidatas: relações entre gênero, mídia e discurso. Rev. Estud. Fem, v. 14, n. 2, 2006.

GRÜN, R. Escândalos, marolas e finanças: para uma sociologia da transformação do ambiente econômico. Dados, vol. 51, n. 2, 2008a.

GRÜN, R. Guerra cultural e transformações sociais: as eleições presidenciais de 2006 e a "blogosfera". Sociedade e Estado, v. 23, n. 3, 2008b.

HORKHEIMER, M. ADORNO, T. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. In: LIMA, L. C. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

KACIAF, N. Communication politique et distanciation journalistique. Les transformations contemporaines des pages Politique de la presse écrite française. Savoir/Aagir, Paris, n. 28, 2014.

KACIAF, N. Les Pages "politique". Histoire du journalisme politique dans la presse écrite française (1945- 2006). Rennes: PUR, 2003.

KUSCHNIR, K. Antropologia da política. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

LAZEVEDO, F. A. Imprensa, cobertura eleitoral e objetividade: a eleição de 2000 na capital paulista. Opinião Pública, v. 7, n. 2, 2001.

LEROUX, P. RIUTORT, P. Politiser en distrayant ? L'improbable pari du divertissement. Savoir/Aagir, Paris, n. 28, 2014.

LOURENÇO, L. C. Propaganda negativa: ataque versus votos nas eleições presidenciais de 2002. Opinião Pública, v. 15, n. 1, 2009.

MIGUEL, L. F. A eleição visível: a Rede Globo descobre a política em 2002. Dados, v. 46, n. 2, 2003.

MIGUEL, L. F. Mídia e eleições: a campanha de 1998 na Rede Globo. Dados, v. 42, n. 2, 1999.

NEVEU, E. De quelques effets des processos de mediatisation sur la democraties contemporaines. Réseaux, v. 18 n. 100, 2000.

NEVEU, E. Sociologia do jornalismo. São Paulo: Loyola, 2006.

PEDROSO NETO, A. J. O espaço dos jornalistas da economia brasileiros: gerações, origem social e dinâmica profissional. Repocs, v. 12, n. 23, 2015.

RUBIM, A. A. C. AZEVEDO, F. A. Mídia e política no Brasil. Lua Nova, n. 43, 1998.

SAÏTTA, E. Les transformations du rapport à la politique des journalistes français et italiens. Savoir/Aagir, Paris, n. 28, 2014.

SCHUDSON, M. Discovering the news. A social history of american newspapers. New York: Basic Books, 1981.

SCHUDSON, M. The power of news. Cambridge: Harvard University Press, 2000.

SCHUDSON, M. The sociology of news production. Media Culture Society, n. 11, 1989.

SEDEL, J. Les médias et la banlieue. Paris: Le Bord de Le Eau, 2013.

THOMPSON, J. B. Ideología y cultura moderna. Teoría crítica en la era de la comunicación de masas. Ciudad de México: Universidad Autónoma Metropolitana, 1998a.

THOMPSON, J. B. Los media y la modernidad. Una teoría de los medios de comunicación. Barcelona: Paidós, 1998b.

Publicado
2015-12-08
Como Citar
PEDROSO NETO, A. J. Jornalismo e despolitização. Revista Observatório, v. 1, n. 2, p. 82-100, 8 dez. 2015.