A COBERTURA DO BNDES NOS GOVERNOS FHC E LULA: bases ortodoxas nas narrativas sobre privatizações e PAC

Palavras-chave: Produção Simbólica, Jornalismo Econômico, BNDES, Campo dos Economistas, Enquadramentos

Resumo

O estudo buscou analisar as relações entre economia e mídia, de forma a demonstrar suas particularidades e afinidades através da análise sobre o tratamento da imprensa brasileira ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A pesquisa partiu dos seguintes pressupostos. O jornalismo, em especial o econômico, se constitui campo de produção simbólica marcado pelas relações de autonomia e heteronomia em relação a outros campos, especificamente o dos economistas. O BNDES é uma importante instituição de formação e atuação do campo dos economistas e teve suas funções alteradas nos governos dos ex-presidentes do Brasil Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e Luís Inácio Lula da Silva (2003-2010), de forma a estar mais alinhado com o viés ortodoxo/liberal no primeiro e heterodoxo/(neo)desenvolvimentista no segundo. Assim, foi aplicada a análise de enquadramento nas matérias sobre o BNDES que constavam nas editorias de dos jornais Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e O Globo nos anos 1996 a 1998, para representar o período FHC, e 2007 a 2009, do governo Lula. A análise identificou que os enquadramentos acionados para tratar o BNDES no período foram alinhados com uma visão ortodoxa da economia, tanto quanto à incidência de framings especificamente ligados a um ou outro polo do campo do pensamento econômico, quanto à observação de enquadramentos imbuídos de cargas de julgamento negativo no período considerado (neo)desenvolvimentista do Banco. Essa afinidade revelou que campos do jornalismo econômico e dos economistas se relacionam de tal maneira a fazer com que princípios simbólicos e tomadas de posição do segundo se reproduzam no primeiro.

 

PALAVRAS-CHAVE: Produção Simbólica; Jornalismo Econômico; BNDES; Campo dos Economistas; Enquadramentos.

 

 

ABSTRACT

This study sought to analyze the relations between economy and the media, in order to demonstrate their particularities and affinities through the analysis of the treatment of the Brazilian press to the National Bank for Economic and Social Development (BNDES). The following assumptions based the research. Journalism, especially the economic one, constitutes a field of symbolic production characterized by relations of autonomy and heteronomy towards to other fields, specifically that of economists. BNDES is an important institution for training and acting in the field of economists and has had its functions changed in the governments of the former presidents of Brazil Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) and Luís Inácio Lula da Silva (2003-2010), being more aligned with the orthodox/liberal bias in the first, and heterodox/(neo)developmentalist in the second. Thus, mediaticframing analysis was performed in the articles of the economics-oriented publications about the BNDES in the newspapers Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo and O Globo, in the years of 1996 to 1998, representing the FHC period, and of 2007 to 2009, of the Lula government. The analysis identified that the framings applied to treat the BNDES in the period were aligned with an orthodox view of the economy, as far as the incidence of framings specifically linked to one or another pole of the field of economic thought, as far as the observation of frames imbued with negative judgment in the considered (neo) developmental period of the Bank. This affinity revealed that fields of economic journalism and economists are so closely related that symbolic principles and positions of the latter are reproduced in the former.

 

KEYWORDS: Symbolic Production; Economic Journalism; BNDES; Field of Economists; Frames.

 

 

RESUMEN

El estudio buscó analizar las relaciones entre economía y medios, para demostrar sus particularidades y afinidades a través del análisis sobre el tratamiento de la prensa brasileña al Banco Nacional del Desarrollo Económico y Social (BNDES). La investigación partió de los siguientes supuestos. El periodismo, en especial el económico, se constituye campo de producción simbólica marcado por las relaciones de autonomía y heteronomía en relación a otros campos, específicamente el de los economistas. El BNDES es una importante institución de formación y actuación del campo de los economistas y tuvo sus funciones alteradas en los gobiernos de los ex presidentes de Brasil Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) y Luís Inácio Lula da Silva (2003-2010), para estar más alineado con el sesgo ortodoxo / liberal en el primero y heterodoxo / (neo) desarrollista en el segundo. Así, se aplicó el análisis de encuadramiento en las materias sobre el BNDES que constaban en las editoriales de los periódicos Folha de São Paulo, El Estado de São Paulo y O Globo en los años 1996 a 1998, para representar el período FHC, y 2007 a 2009, del gobierno de Lula. El análisis identificó que los encuadres accionados para tratar el BNDES en el período fueron alineados con una visión ortodoxa de la economía, tanto en cuanto a la incidencia de framings específicamente ligados a uno u otro polo del campo del pensamiento económico, en cuanto a la observación de encuadres imbuidos de cargas de carga juicio negativo en el período considerado (neo) desarrollista del Banco. Esta afinidad reveló que campos del periodismo económico y de los economistas se relacionan de tal manera a hacer que principios simbólicos y tomas de posición del segundo se reproduzcan en el primero..

 

PALABRAS CLAVE: Producción Simbólica; Periodismo Económico; BNDES; Campo de los Economistas; Marcos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaize Ferreira Macedo Rosa, Universidade Federal do Tocantins

Jornalista. Mestre em Comunicação e Sociedade pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação e Sociedade (PPGCOM-UFT). E-mail: thaizefmacedo@gmail.com.

Antonio José Pedroso Neto, Universidade Federal do Tocantins

Sociólogo. Doutor em Ciências Sociais (UFSCar). Professore Adjunto IV da UFT. Pesquisador do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional (PPGDR) e Comunicação e Sociedade (PPGCOM) da UFT. Desde 2009 é bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq com projetos sobre mídia e economia no Brasil, especialmente sobre o jornalismo econômico. E-mail: ajpedrosoneto@uol.com.br.  

Referências

ASSIS, K. G. Para além da racionalidade: as complexidades inerentes à relação economia, política e mídia. Tomo, n. 30 jan/jun, 2017.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

_____________. O mercado dos bens simbólicos. In. A Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2009. p. 99-181.

_____________. Sobre a Televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

_____________. A oferta e a demanda de opiniões. In: A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, 2007. p. 412-421.

BUGIATO, C. M. A política de financiamento do BNDES e a burguesia brasileira. 2016. 282 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 2016.

CHAMPAGNE, P. La double dépendance. Quelques remarques sur les rapports entre les champs politique, économique et journalistique. In Hermès – La Revue. Communication Et Politique, nº 17-18, Paris, 1995.

_______________. Formar a opinião: o novo jogo político. Petrópolis-RJ: Vozes, 1998.

COSTA, G. M. M. et al. Memórias do Desenvolvimento. Ano 5, n 5, Rio de Janeiro: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2016.

COSTA, K. F. BNDES: atuação, papel e ideário nos governos Fernando Henrique e Lula. Encontro Anual da Anpocs, 30, 2006. Anais... Caxambu/MG: Anpocs, 2006.

____________. Metamorfoses: o papel do BNDES na reordenação da economia brasileira. 2011. 313 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 2011.

DINIZ, A. N. BNDES: de agente desenvolvimentista a gestor da privatização – 1952-2002. 2004. 133 f. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas, 2004.

DUVAL, J. Analisar um espaço social. In: PAUGAM, S. A pesquisa sociológica. Rio de Janeiro: Vozes, 2015. p. 218-237.

Entman, R. M. 1993. Framing: toward clarification of a fractured paradigma. Journal of Communication 43(4)

HAAL, S. et al. A produção social das notícias: o mugging nos media. In: TRAQUINA, N. (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: VEJA, 1999.

HACKETT, R. A. Declínio de um paradigma? A parcialidade e a objetividade nos estudos dos media noticiosos. In: TRAQUINA, N. (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: VEJA, 1999.

HIRT, C. O lugar e o papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro. 2016. 432 f. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016.

___________. Meritocracia de Laços: gênese e reconfiguração do espaço dos economistas no Brasil. 2017. 851 f. Tese (Doutorado em sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras, Ciências Humanas, São Paulo. 2017.

LOUREIRO, M. R. Os economistas no governo. Gestão econômica e democracia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1997.

________________. A participação dos economistas no governo. Análise, v. 17, n. 2, p. 345-359, jul/dez 2006.

MARCHETTI, D. El análisis sociológico de laproducción de información mediática. Comunicación y médios, n 18, p. 19-29, 2008.

MORLOTCH, H; LESTER, M. As notícias como procedimento intencional: acerca do uso estratégico de acontecimentos de rotina, acidentes e escândalos. In: TRAQUINA, N (Org.). Jornalismo questões, teorias e “estórias”. Lisboa: VEJA, 1999. pp. 34-51.

PEDROSO NETO, A. J.; UNDURRAGA, T. The Elective Affinity between Elite Journalists and Mainstream Economists in Brazil, Journalism Studies. Journalism Studies, 2017. Disponível em http://dx.doi.org/10.1080/1461670X.2017.1334572. Acesso em jul 2107.

PEDROSO NETO, A. Jornalismo e despolitização. Revista Observatório, v. 1, n. 2, p. 82-100, 8 dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2015v1n2p82.

PORTO, M. Enquadramentos da mídia e política. In: RUBIM, A. A. C. (org). Comunicação e política: conceitos e abordagens. Salvador: EDUFBA, 2004.

PULITI, Paula. A Financeirização do noticiário econômico no Brasil (1989-2002). 150 f. (Tese) - Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponíveis/27/27154/tde-26112009-153158/>.

SALLUM JR., B.; GOULART, J. O. O Estado brasileiro contemporâneo: liberalização econômica, política e sociedade nos governos FHC e Lula. Revista de Sociologia e Política, 2016, vol.24, n.60, pp.115-135.

SCHUDSON, M. Discovering the news. A social history of American newspapers. New York: Basic Books Inc. Publishers, 1981.

_______________. The sociology of news production. Media, Culture & Society. jul/1989.

TUCHMAN, G. A objectividade como ritual estratégico uma análise da noção de objectividade dos jornalistas. In: TRAQUINA, N. (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: VEJA, 1999.

_____________. As notícias como uma realidade construída. In: Pissarra, E.J. (org.). Comunicação e Sociedade – os efeitos sociais dos meios de comunicação de massa. Lisboa: Livros Horizonte, 2002.

WEBER, M. Sociologia da imprensa: um programa de pesquisa. In Revista Española de Investigaciones Sociales – REIS, nº 57/1992, p. 251-259.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
ROSA, T. F. M.; PEDROSO NETO, A. J. A COBERTURA DO BNDES NOS GOVERNOS FHC E LULA: bases ortodoxas nas narrativas sobre privatizações e PAC. Revista Observatório, v. 5, n. 4, p. 525-578, 1 jul. 2019.
Seção
Tema Livre / Free Theme / Tema Libre