O (inter)agendamento no jornalismo regional: um estudo de dois telejornais de Imperatriz, no Maranhão (Brasil)

Autores

  • Sarah Dantas do Rego Silva Universidade Federal do Maranhão
  • Camilla Quesada Tavares Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2020v6n1a7pt

Palavras-chave:

telejornalismo

Resumo

RESUMO:

Este artigo tem por objetivo investigar o interagendamento entre os telejornais JMTV 1° edição, da TV Mirante, e o Na Hora D, da TV Difusora Sul, ambos da cidade de Imperatriz, no Maranhão. Para essa proposta, foram abordados a teoria do agendamento e a perspectiva de mídia regional e local no âmbito televisivo. Metodologicamente, este artigo está ancorado na análise de conteúdo quantitativa, e possui um corpus de 73 matérias analisadas dos dois telejornais, 26 do JMTV e 47 do Na Hora D – durante a primeira semana do mês de agosto de 2019. Sobre os principais achados da pesquisa, tem-se uma limitação no que é proposto sobre regionalismo e percebeu-se que, no período de análise, houve interagendamento midiático entre os dois telejornais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sarah Dantas do Rego Silva, Universidade Federal do Maranhão

Masters’ degree student in Communication at the Universidade Federal do Maranhão (UFMA, Brazil) funded by Capes Foundation (Brazil). Member of the Research Group on Communication, Politics and Society (COPS-UFMA). s.dantassarah@gmail.com.

Camilla Quesada Tavares, Universidade Federal do Maranhão

Ph.D. in Communication (Universidade Federal Fluminense, Brazil), Masters’ degree in Applied Social Sciences (Universidade Estadual de Ponta Grossa, Brazil). Professor of Communication at Universidade Federal do Maranhão (Imperatriz, Maranhão, Brazil). camilla.tavares8@gmail.com.

Referências

Aguiar, S. (2016). Territórios do Jornalismo: Geografias da mídia local e regional no Brasil. Petrópolis: Vozes. Editora PUC-Rio.

Anjos, M.P. (2015). Agendamento e interagendamento temático no processo de produção jornalística no telejornalismo regional. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Jornalismo, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, PR, Brasil. Recuperado de https://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/47.

Bauer, M. (2002) Análise de conteúdo clássica: uma revisão. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Bazi, R. E. R. (2001). TV Regional: Trajetórias e perspectivas. Campinas: Alínea.

Dantas, S. (2018). O que há de regional na programação do Jornal Hoje? Representatividade do Nordeste na mídia nacional (Trabalho de Conclusão de curso). Universidade Federal do Maranhão – UFMA, Imperatriz, MA, Brasil.

Guzzoni, J. (2001). A comunidade na TV: uma análise sobre a regionalização da notícia e o processo de participação popular. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, 24.

Herscovitz, H. G. (2008). Análise de conteúdo em jornalismo. In C. Lago, & M. Benetti (Orgs.), Metodologia de pesquisa em jornalismo. (2a ed., Cap. 2, pp. 123-142). Petrópolis: Vozes.

Kurth, E. (2006). Representação das emissoras regionais na grade nacional de programação das redes de televisão. Estudos em Jornalismo e Mídia, 3(1), 91-98. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/jornalismo/article/view/2245/1947. doi: https://doi.org/10.5007/%25x

Lippmann, W. (2008). Opinião Pública. Petrópolis: Vozes.

Maffesoli, M. (2003). A comunicação sem fim (teoria pós-moderna da comunicação). Revista Famecos, 10(20), 13-20. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/3198/2463 doi: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2003.20.3198

Mattos, S. (2012). A Diversidade e o Regionalismo na Televisão Brasileira. Bibliocom, 4(1), 18-28. Recuperado de http://www.portcom.intercom.org.br/revistas/index.php/bibliocom/article/view/1196/1116

Maxwell, M. (2004). A teoria da Agenda: Mídia e a opinião pública. Petrópolis: Vozes.

Peruzzo, C. M. K. (2005). Mídia regional e local: aspectos conceituais e tendências. Comunicação & Sociedade, 26(43), 67-84. Recuperado de https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO/article/view/8637/6170 doi: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v26n43p67-84.

Shoemaker, P. J., & VOS, T. P. (2011). Teoria do gatekeeping: Seleção e construção da notícia. (V. Nickel, Trad.). São Paulo: Penso.

Simões, C. F. (2011). TV a cabo, TV aberta e regionalização da televisão brasileira nos anos 90. Revista Eptic, 8(3), 129-151. Recuperado de https://seer.ufs.br/index.php/eptic/article/view/270.

Siqueira, F.C., & Vizeu, A. (2014). Jornalismo em transformação: As escolhas dos formatos de notícias na TV. In A. Vizeu, E. Mello, F. Porcello, & I. Coutinho (Orgs.), Telejornalismo em questão. (Vol. 3., Cap. 2, pp. 53-76). Florianópolis: Insular.

Sousa, J.P. (2002.) Por que as notícias são como são? Construindo uma teoria da notícia. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação, 2002, 01-17. Recuperado de http://www.bocc.ubi.pt/pag/sousa-jorge-pedro-construindo-teoria-da-noticia.pdf.

Traquina, N. (1999). As notícias. In N. Traquina. (Org.). Jornalismo: Questões, teorias e "estórias". (2a ed., Cap. 10, pp. 167-176). Lisboa: Vega Editora.

______. (2005). Teorias do jornalismo. Florianópolis: Insular.

Vizeu, A. E. P. J., Cerqueira, L. (2019). “O lugar de referência” do telejornalismo local: O papel dos saberes, dos dispositivos didáticos e da temporalidade. In I. Coutinho, & C. Emerim (Orgs.), Telejornalismo Local: Teorias e Conceitos. (Vol 8., Cap. 2, pp. 41-60) Florianópolis: Insular.

White, D. M. (2016). O gatekeeper: uma análise de caso na seleção de notícias. In: N. Traquina (Org.). Jornalismo: questões, teorias e "estórias". (2a ed., Cap. 8, pp. 142-151). Lisboa: Vega Editora.

Wolf, M. (2008). Teorias da Comunicação de massa. (K. Jannini, Trad.). (3a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Publicado

2020-01-03

Como Citar

SILVA, Sarah Dantas do Rego; TAVARES, Camilla Quesada. O (inter)agendamento no jornalismo regional: um estudo de dois telejornais de Imperatriz, no Maranhão (Brasil). Revista Observatório , [S. l.], v. 6, n. 1, p. a7pt, 2020. DOI: 10.20873/uft.2447-4266.2020v6n1a7pt. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/10301. Acesso em: 17 abr. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.