Do rio Tocantins a Hidrelétrica de Peixe Angical: os peixes e as pescarias na memória dos pescadores

  • Mariza Fernandes Souza Universidade Federal do Tocantins (UFT)
  • Elineide Eugênio Marques Universidade Federal do Tocantins (UFT)
  • Eva Barros Miranda Universidade Federal do Tocantins (UFT)
  • Alice Ferreira Araujo Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Resumo

O processo de modernização tem intensificação do uso de tecnologia e a demanda por energia. O Brasil utiliza principalmente a energia hidráulica, transformada em elétrica para responder a esta demanda. Com isso os rios têm sido modificados pelas barragens a exemplo da Hidrelétrica de Peixe Angical, no rio Tocantins. O barramento do rio acarretou uma série de impactos socioambientais e econômicos para a população da cidade de Peixe, localizada no trecho à jusante da barragem. Nesta pesquisa nós investigar as alterações ocorridas na atividade de pesca e nos peixes a jusante da barragem de Peixe Angical por meio do resgate da memória dos pescadores locais. Para coleta de dados foi utilizado metodologia de grupo focal, com pescadores da região, que vivenciaram o rio e o processo de transformação do ambiente com a construção e operação da usina. Concluímos que é possível descrever o processo de mudança a partir de relatos dos próprios sujeitos que, participando diretamente do processo, são sensíveis as alterações ocorridas nas características e na dinâmica do ambiente aquático e na fauna de peixes. A experiência e o conhecimento acumulado pela observação diária do rio e dos peixes conferem aos pescadores um potencial adaptativo maior do que aqueles que têm pouca experiência. Seguem suas vidas mantendo seu vínculo com o rio e trazem consigo um conhecimento imensurável.

 

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Graduanda em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Tocantins – Campus de Porto Nacional.
##submission.authorWithAffiliation##
Professora do Curso de Ciências Biológicas; Programa de Pós-graduação em Ciências do Ambiente na Universidade Federal do Tocantins.
##submission.authorWithAffiliation##
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente da Universidade Federal do Tocantins.
##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ecologia de Ecótonos da Universidade Federal do Tocantins. 

Referências

AGOSTINHO, A. A.; GOMES, C. L.; PELICICE, F.M. Ecologia e manejo de recursos pesqueiros em reservatórios do Brasil. Maringá: Eduem, 2007. 501p.

AGOSTINHO, A. A.; JÚLIO JR. H. F.; BORGHETTI, J. R. Considerações sobre os impactos dos represamentos na ictiofauna e medidas para sua atenuação. Um estudo de caso: reservatório de Itaipu. Revista Unimar, Maringá, v.14, p.89-107, 1992.

AGOSTINHO, C. S.; AKAMA, A.; LUCINDA, P. H. F. Inserção da UHE Peixe Angical na bacia Araguaia - Tocantins e metodologia de amostragem. In: AGOSTINHO, C. S.; PELICICE, F. M.; MARQUES, E. E. Reservatório de Peixe Angical bases: ecológicas para manejo da ictiofauna. São Carlos: RiMa. p.5-13. 2009.

BARBOSA, E. C.; LOLIS, S. F.; PEREIRA, C. M. R. B. Do rio Tocantins a UHE do Lajeado: a memória da população ribeirinha de Brejinho de Nazaré. Interface, Porto Nacional, v. 9, p. 191-203, 2015.

CAETANO, M. C. A memória na reconstrução da história da educação. Histedbr, Campinas, v.43, n.43. 2011. Disponível em: http://ojs.fe.unicamp.br/ ged/histedbr/article/view/3174/2837. Acesso em: 20 março de 2016.

CAMPOS, A. G.; CHAVES, J. V. Seguro defeso: diagnóstico dos problemas enfrentados pelo programa. Brasília: Ipea, 2014. 67p.

CARVALHO, A. R. Conhecimento ecológico no ‘varjão’ do alto rio Paraná: Alterações Antropogênicas expressas na linguagem dos pescadores. Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n.2, p. 581-589, 2002.

CASTELLUCCI JUNIOR, W. Pescadores da modernagem: experiências e trajetórias nos diversos tempos da vila de Tairu–Itaparica (1960-1990). História Oral, [s.l], v. 16, n.2, p. 27-53, 2013.

CRUZ, C. B.; SILVA, V. P. Grandes projetos de investimento: A construção de hidrelétricas e a criação de novos territórios. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v.22, n.1, p. 181-190, 2010.

DUARTE-ALVES, A.; JUSTO. J. S. Espaço e subjetividade: Estudo com ribeirinhos. Psicologia & Sociedade, [s.l], v.23, n.1, p.181-189, 2011.

ENERPEIXE, 2009. Disponível em: http://www.edp.com.br/geracao-renovaveis /geracao/tocantins/enerpeixe/a-usina/localizacao/Paginas/default.aspx. Acesso em: 16 fevereiro de 2016.

FLICK, U. Grupos focais. In: FLICK, U. Introdução á pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. p. 180-193.

FREITAS, C.E.C.; RIVAS, A. A. F. A pesca e os recursos pesqueiros na Amazônia Ocidental. Ciência e Cultura (SBPC), Campinas, v. 58, p. 30-32, 2006.

GODINHO, H. P.; GODINHO, A. L. Água, peixes e pescadores do São Francisco das Minas Gerais. Belo Horizonte: PUC Minas, 2003. 468p.

GOMES, K. D. 2007. 69f. Caracterização socioeconômica da pesca e percepção dos pescadores do rio Tocantins sobre as mudanças ambientais imediatamente a jusante da barragem da UHE Lajeado – To. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente)-Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2007.

GOMES, M. E. S.; BARBOSA, E. F. Técnica de Grupos Focais para obtenção de dados qualitativos. Educativa. [s.l], 1999. Disponível em: http://www.tecnologiadeprojetos.com.br/. Acesso em: 09 março de 2016.

GOULDING, M. Ecologia da pesca no rio Madeira. Manaus, Inpa, 1979. 172 p.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais Ltda, 1990. 189p.

HILSDORF, A. W. S.; MOREIRA, R. G. Piracema: por que os peixes migram?. Scientific American Brasil, São Paulo, p. 76-80, 2008.
IBGE, 2010. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php? codmun= 171660 . Acesso em: 01 de março de 2015.

MÉRONA, B., A. A.; J, G. M. S.; I. H. A. C. Os peixes e a pesca no baixo rio Tocantins: vinte anos depois da UHE Tucuruí. [s.l]: Eletrobrás Eletronorte, 2010, 208p.

PEREIRA, J. A. G.; MOTA, D. M. O seguro defeso e o uso comum dos recursos naturais numa comunidade ribeirinha do Pará. In: VI ENCONTRO NACIONAL DA ANPPAS, 2012, Belém. Anais...Belém: EMBRAPA, 2012.

PETESSE, M. L.; PETRERE JÚNIOR, M. As barragens e os peixes: o impacto das grandes hidrelétricas nas espécies dos rios represados. Ciência hoje, São Paulo, v.49, n. 293, p. 30-35, 2012.

SANTOS, G. M.; OLIVEIRA-JR, A. B. A pesca no reservatório da hidrelétrica de Balbina (Amazonas, Brasil). Acta Amazonica, v. 29, n. 1, p. 145-163, 1999.

SCHMITZ, H.; MOTA, D. M.; PEREIRA. J. A. G. Pescadores artesanais e seguro defeso: reflexões sobre processos de constituição de identidades numa comunidade ribeirinha da Amazônia. Amazônica- Revista de Antropologia, Pará, v. 5, p. 116-139, 2013.

SENÊ, A. UHE de Lajeado: um estudo do cotidiano do reassentamento de Luzimangues. 2009. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt. Acesso em: 20 de março de 2016.

SILVANO, R. A. M.; HALLWASS, G.; RIBEIRO, A. R.; HASENACK, H.; JURAS, A. A.; LOPES, PRISCILA F. M.; CLAUZET, M.; BEGOSSI, A.; LIMA, R. P.; ZUANON, J.A. S.; Pesca, Etnoictiologia e Ecologia de Peixes em Lagoas e Igarapés do Baixo Rio Tocantins. In: V CONGRESSO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM ENERGIA ELÉTRICA (V CITENEL), 2009, Belém. Anais... Belém: Aneel, 2009.

SMITH, N. J. H. Pesca no rio Amazonas. Manaus, Inpa/ CNPq, 1979. 154 p.

TUNDISI, J. G.; TUNDISI, T. M. Limnologia. 1ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. 631p.
Publicado
2017-02-06
Como Citar
SOUZA, Mariza Fernandes et al. Do rio Tocantins a Hidrelétrica de Peixe Angical: os peixes e as pescarias na memória dos pescadores. Revista Interface (Porto Nacional), [S.l.], n. 12, p. 119-134, fev. 2017. ISSN 2448-2064. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/interface/article/view/2365>. Acesso em: 18 out. 2017.

Palavras-chave

Pesca; Jusante; Impactos socioambientais.