PERFIL DESCRITIVO DE NOTIFICAÇÕES DE TRANSTORNO MENTAL RELACIONADO AO TRABALHO

  • Fabiana Caetano Dutra Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Alline Sousa Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Josiana Trajano Centro de Referência em Saúde do Trabalhador - CEREST Regional
  • Joyce Barcelos Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Palavras-chave: Notificação Compulsória, Transtorno Mental, Saúde do Trabalhador, Registros Eletrônicos de Saúde

Resumo

Este artigo tem como objetivo descrever o perfil sociodemográfico, ocupacional e clínico, relacionado à evolução dos casos e à avaliação da qualidade do preenchimento dos dados de transtornos mentais relacionados ao trabalho notificados em um município do Estado de Minas Gerais, Brasil, entre 2008-2018. O presente estudo descritivo utilizou dados do Sistema Nacional de Agravos Notificados (Sinan). Foram incluídos os 77 casos de transtorno mental notificados no período analisado. Observou-se crescimento de notificações ao longo dos anos, com maior frequência de 2016 a 2018. A maioria dos notificados era do sexo feminino (51,0%), possuía ensino médio completo (53,3%) e foi notificada pelo Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) (80,5%). As ocupações mais prevalentes entre os casos notificados foram de agente de segurança penitenciário, vigilante, cozinheiro e pedreiro, com predomínio de episódios depressivos. A qualidade do preenchimento foi classificada como boa. Os resultados permitiram a descrição do perfil sociodemográfico, ocupacional e clínico, relacionado à evolução dos casos e à avaliação da qualidade do preenchimento dos dados, evidenciando a importância da articulação intersetorial para promoção de ações de vigilância em saúde mental no trabalho mais efetivas.

Biografia do Autor

Fabiana Caetano Dutra, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

Terapeuta Ocupacional. Doutora em Ciências da Reabilitação.

Docente do Programa de Pós-Graduação em Atenção à Saúde – PPGAS.

Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Trabalho, Participação Social e Saúde – NETRAS.

 

Alline Sousa, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Psicóloga. Doutora em Psicologia Organizacional e do Trabalho.

Josiana Trajano, Centro de Referência em Saúde do Trabalhador - CEREST Regional

Centro de Referência em Saúde do Trabalhador – CEREST Regional, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

Enfermeira. Mestre em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador.

Joyce Barcelos, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

Terapeuta Ocupacional. Mestranda em Atenção à Saúde.

Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Trabalho, Participação Social e Saúde – NETRAS.

Referências

Cavalcante, C. A. A., Santos, R. S., Cavalcante E. F. D. O., Martins, R. L., Silveira, E. A. D., & Silva, E. T. D. (2014). Perfil dos agravos relacionados ao trabalho notificados no Rio Grande do Norte, 2007 a 2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(4), 741-752. http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742014000400016&lng=pt&tlng=pt

Centro Colaborador da Vigilância dos Agravos à Saúde do Trabalhador. Instituto de Saúde Coletiva. Universidade Federal da Bahia. (2019). Boletim Epidemiológico Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho no Brasil, 2006–2017, 13(9), 1-5. https://www.analisepoliticaemsaude.org/oaps/documentos/noticias/ccvisat-bol-transtmentaisfinal-260419/

Cocker, F., Nicholson J. M., Graves, N., Oldenburg, B., Palmer, A. J., Martin, A.,… Sanderson, K. (2014). Depression in working adults: comparing the costs and health outcomes of working when III. PLoS One, 9(9), 1-9. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0105430

Corbière, M., Renard M., St-Arnaud, L., Coutu, M. F., Negrini, A., Sauvé, G., & Lecomte, T. (2015). Union perceptions of factors related to the return to work of employees with depression. Journal of Occupational Rehabilitation, 25(2), 335-347. https://doi.org/10.1007/s10926-014-9542-5

Cordeiro, T. M. S. C., Mattos, A. I. S., Cardoso, M. D. C. B., Santos, K. O. B., & Araújo, T. M. D. (2016). Notificações de transtornos mentais relacionados ao trabalho entre trabalhadores na Bahia: estudo descritivo, 2007-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25(2), pp. 363-372. https://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742016000200015

Corrêa, C. R., & Rodrigues, C. M. L. (2017). Depressão e trabalho: revisão da literatura nacional de 2010 e 2014. Negócios em Projeção, 8(1), 65-74. http://revista.faculdadeprojecao.edu.br/index.php/Projecao1/article/view/773

Ferreira, M. O., & Dutra, F. C. M. S. (2017). Avaliação dos fatores psicossociais, saúde mental e capacidade para o trabalho em policiais militares de Uberaba/MG. Revista Psicologia - Saúde Mental e Segurança Pública, 3(6), 133-151. https://revista.policiamilitar.mg.gov.br/periodicos/index.php/psicologia/article/view/98

Hendriks, S. M., Spijker, J., Light, C. M., Hardeveld, F., De Graaf, R., Batelaan, N. M., Beekman ATF. (2015). Long-term work disability and absenteeism in anxiety and depressive disorders. Journal of Affective Disorders, 178, 121-30. https://doi.org/10.1016/j.jad.2015.03.004

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). IBGE cidades. https://cidades.ibge.gov.br/

Instituto Nacional de Seguro Social. (2019). Comunicação de Acidente de Trabalho – CAT. https://www.inss.gov.br/servicos-do-inss/comunicacao-de-acidente-de-trabalho-cat/

Jaskowiak, C. R., & Fontana, R. T. (2015). O trabalho no cárcere: reflexões acerca da saúde do agente penitenciário. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(2), 235-243. https://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680208i

Joosen, M. W. C., Arends, I., Lugtenberg, M., Timmermans, J. A. W. M., Bruijs-Schaapveld, B. C. T. M., Terluin, B.,… Brouwers, E. P. M. (2017). Barriers to and facilitators of return to work after sick leave in workers with common mental disorders: Perspectives of workers, mental health professionals, occupational health professionals, general physicians and managers. Tilburg, NE: IOSH. https://research.tilburguniversity.edu/en/publications/barriers-to-and-facilitators-of-return-to-work-after-sick-leave-i

Leão, L. H. C., & Minayo, C. G. (2014). A questão da saúde mental na vigilância em saúde do trabalhador. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 19(12), 4649-4658. https://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141912.12732014

Merlo, A. R. C. (2014). Sofrimento psíquico e atenção à saúde mental. In A. R C. Merlo, C. G. Bottega, & K. Z. Perez (Orgs.). Atenção à saúde mental do trabalhador: sofrimentos e transtornos psíquicos relacionados ao trabalho (pp. 12-29). Porto Alegre, RS: Evangraf.

Ministério da Economia. (2013). Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE. http://receita.economia.gov.br/orientacao/tributaria/cadastros/cadastro-nacional-de-pessoas-juridicas-cnpj/classificacao-nacional-de-atividades-economicas-2013-cnae

Ministério da Saúde. (2005). Portaria nº 2.437, de 07 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a ampliação e o fortalecimento da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador - RENAST no Sistema Único de Saúde - SUS e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2005/prt2437_07_12_2005.html

Ministério da Saúde. (2012). Resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS) nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União, Brasília. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Ministério da Saúde. (2015). SINAN relatórios: manual de operações. Versão 4.8. Brasília, DF: Ministério da Saúde. http://portalsinan.saude.gov.br/sistemas-auxiliares/sinan-relatorios

Ministério da Saúde. (2016). Resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS) nº 510, de 07 de abril de 2016. Diário Oficial da União, Brasília. http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22917581

Ministério da Saúde. (2017). Portaria de Consolidação nº 4, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre os sistemas e os subsistemas do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0004_03_10_2017.html

Ministério do Trabalho e Emprego. (2010). Classificação Brasileira de Ocupações. 3a. ed. Brasília, DF: MTE. https://wp.ufpel.edu.br/observatoriosocial/files/2014/09/CBO-Livro-1.pdf

Nielsen, M. B., Tangen, T., Idsoe, T. Matthiesen, S. B, & Magerøy N. (2015). Post-traumatic stress disorder as a consequence of bullying at work and at school. A literature review and meta-analysis. Aggression and Violent Behavior, 21, 17-24. https://doi.org/10.1016/j.avb.2015.01.001

Occupational Safety and Health Act-OSHA. (2016). Guidelines for preventing workplace violence for healthcare and social service workers. Washington, DC: Department of Labor Occupational Safety and Health Administration. https://www.osha.gov/Publications/osha3148.pdf

Perobelli, F. S., Cardoso, V. L., Vale, V.A., & Souza, L.C. (2016). Localização do setor de serviços e sua relação com questões espaciais no Brasil: uma análise a partir do Censo Demográfico de 2010. Revista Brasileira de Economia de Empresas, 16(1), 53-77. Recuperado de: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rbee/article/viewFile/6753/4555

Prefeitura Municipal de Uberaba - PMU. (2019). Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo. Recuperado em 11 mai. 2019. http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/acervo/desenvolvimento_economico/arquivos/uberaba_em_dados/Edicao_2009/capitulo_04.pdf

Santi, D. B., Barbieri, A. R., & Cheade, M. F. M. (2018). Absenteísmo-doença no serviço público brasileiro: uma revisão integrativa da literatura. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 16(1), 71-81. http://www.rbmt.org.br/details/296/pt-BR/absenteismo-doenca-no-servico-publico-brasileiro--uma-revisao-integrativa-da-literatura

Schaefer, L. S., Lobo, B. O. M., & Kristensen, C. H. (2012). Transtorno de estresse pós-traumático decorrente de acidente de trabalho: implicações psicológicas, socioeconômicas e jurídicas. Estudos de Psicologia, 17(2), 329-336. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2012000200018

Scozzafave, M. C. S., Camelo, S. H. H., Soares, M. I., Rocha, F. L. R., Gaiolli. C. C. L. O., & Leal, L. A. (2017). Violence as psychosocial risk in the work of psychiatric nurses and management strategies. International Archives of Medicine, 10(43), 1-10. http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2307/2006

Sticca, M. G., Galinari, L. S., & Alves, A. M. (2018). Flexible work: collective bargaining agreements with flexibilization practices. International Journal on Working Conditions, 16, 1-11. DOI: 10.25762/tcdb-7e87

Vieira, C. E. C., Lima, F. P. A, & Lima, M. E. A. (Orgs.). (2010). O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento. Belo Horizonte, MG: Fumarc.

Publicado
2021-02-17
Seção
Artigo de Pesquisa