TRABALHO E FAMÍLIA

UM OLHAR SOBRE O FILME “VOCÊ NÃO ESTAVA AQUI”

  • Patrícia Da Silva Maia PPGAd/UFF
Palavras-chave: Precarização; sofrimento; uberização; família

Resumo

Esta resenha tem por objetivo analisar criticamente o filme inglês Você não estava aqui, a relação de trabalho pelas plataformas digitais associadas ao uso de TICs conhecida no Brasil por uberização e seus efeitos na saúde mental do trabalhador e de sua família. Para tal, conta a história de um prestador de serviços de entrega que recorre ao trabalho, via aplicativo, sem garantias e nenhum direito. Envolvido pelo discurso de ser o próprio patrão aceita vender o carro da esposa e financiar outro carro como uma das imposições do novo trabalho. Pesquisa teórica sobre a relação de trabalho analisado sob o referencial teórico da precarização do trabalho no Brasil. O filme demonstra também as condições precárias de trabalho e sua relação com o gerenciamento por algoritmos

Biografia do Autor

Patrícia Da Silva Maia, PPGAd/UFF
Universidade Federal Fluminense - UFF  Programa de Pós Graduação em Administração (PPGAd) Niterói, Rio de Janeiro, Brasil Rua Mario Santos Braga, 30 - Centro, Niterói - RJ, 24020-140

Referências

Alves, G. (2000). O novo (e precário) mundo do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Alves, G. (2011). Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo Editorial.

Antunes, R. (2006). Adeus ao trabalho: ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez.

Antunes, R. (2018). O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo.

Antunes, R. & Filgueiras, V. (2020). Plataformas digitais, Uberização do trabalho e regulação no Capitalismo contemporâneo. Contracampo, Niterói, v. 39, n. 1, p. 27-43, abr./jul.

Araújo, M. R. M. de, & Morais, K. R. S de. (2017). Precarização do trabalho e o processo de derrocada do trabalhador. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 20(1), 1-13. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-37172017000100001&lng=pt&tlng=pt

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF.

Castells, M. (2003). A galáxia da Internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

Costa, D. O. & Tambellini, A. T. (2009). A visibilidade dos escondidos. Physis Revista de Saúde Coletiva, 19 (4), 953-968.

Dejours C. (1992). A loucura do trabalho. Ed. Cortez, São Paulo.

Fontes, A. M. M. (2010). Violência nas escolas: A crise da autoridade. Educação em foco, 15(1), 77- 85.

Guerreiro, M. das D.; Abrantes, P. (2005). Como tornar-se adulto: processos de transição na modernidade avançada. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 20, n. 58.

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez.

Sganzerla, I.M & Levandowski, D.C. (2010). Ausência paterna e suas repercussões para o adolescente: Análise da literatura. Psicologia em Revista,16(2), 460-475.

Singer, P. (1995). A precarização é causa do desemprego. Folha de São Paulo, 10.12.1995.

Standing, G. (2015). O precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica.

Publicado
2021-08-10
Seção
Resenha (de livro ou filme)