FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO À SAÚDE MENTAL DE PSICÓLOGOS CLÍNICOS

  • Eny Coutinho Souza Silva Pimenta Universidade Luterana do Brasil- Acadêmica de Psicologia
  • Sandra Yvonne Spiendler Rodriguez Universidade Luterana do Brasil
Palavras-chave: saúde mental; fatores de risco e autocuidado.

Resumo

A saúde mental dos psicólogos é um tema pouco estudado pelos pesquisadores, porém é fator primordial desde a formação e na manutenção no exercício laboral e autocuidado. Dessa forma, o objetivo desse estudo foi investigar os fatores de risco e proteção no cotidiano do trabalho clínico. Trata-se de um estudo de método qualitativo, descritivo e observacional. A amostra foi constituída por 09 psicólogos (as) clínicos do estado do Rio Grande do Sul que atuam na região metropolitana de Porto Alegre e região do Vale dos Sinos-RS. Optou-se por amostragem por conveniência do tipo bola de neve. Os dados foram coletados a partir de uma entrevista semi-estruturada e um questionário sociodemográfico. Após a transcrição dos dados a análise de conteúdo foi realizada baseando-se em Bardin. Espera-se que este estudo auxilie a disseminar formas de enfrentamento saudável para a categoria profissional e ministre novas práticas acadêmicas à futuros profissionais.

Biografia do Autor

Eny Coutinho Souza Silva Pimenta, Universidade Luterana do Brasil- Acadêmica de Psicologia

Acadêmica de psicologia na Universidade Luterana do Brasil

Av. Farroupilha, 8001. Bairro São José – Canoas

Cep: 92425-020

Sandra Yvonne Spiendler Rodriguez, Universidade Luterana do Brasil

Professora Adjunta na Universidade Luterana do Brasil

Doutora em Psicologia Social

Mestre em Psicologia Clínica

 Graduada em Administração de Empresas e Psicologia

Av. Farroupilha, 8001. Bairro São José – Canoas

Cep: 92425-020

Referências

Amendola, M. F. (2014). Formação em Psicologia, Demandas Sociais Contemporâneas e Ética: uma Perspectiva. Psicologia: Ciência e Profissão, 34 (4), 971-983. https://doi.org/10.1590/1982-370001762013.

Associação Americana de Psicologia (APA). (2002). Princípios éticos dos psicólogos e código de conduta. American Psychologist, 57, 1060 - 1073.

Bakker, A. B., & Demerouti, E. (2007). The job demands-resources model: state of the art. Journal of Managerial Psychology, 22, 309-328. http://dx.doi.org/10.1108/02683940710733115.

Barboza, J., & Beresin R. (2007). A síndrome de Burnout em graduandos de enfermagem. Einstein. 5(3): 225-230.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Barnett, J. E. & Cooper, N. (2009). Creating a culture of self-care. Clinical Psychology Science Practice, 16, 16–20. https://dx.doi.org/10.1111/j.1468-2850.2009.01138.x.

Bastos, A. V. B., & Gondim, S. M. G. (2011). A pesquisa nacional do psicólogo no Brasil: caracterização geral e procedimentos metodológicos. In A. V. B. Bastos & S. M. G. Gondin (Orgs.), O Trabalho do Psicólogo no Brasil (pp. 4445-451). Artmed.

Brauer, J. F. (2001). Algumas reflexões sobre o tema: o ensino da psicanálise na universidade. Psicologia USP, 12 (2), 201-210. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642001000200017

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2007). Resolução CFP N° 013/2007. Institui a Consolidação das Resoluções relativas ao Título Profissional de Especialista em Psicologia e dispõe sobre normas e procedimentos para seu registro. Brasília, DF.

Ferrari, R., França, F. M. & Magalhães, J. (2012). Avaliação da síndrome de burnout em profissionais de saúde: uma revisão integrativa da literatura. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 3 (3), 1150-1165.

Fundación Iberoamericana de seguridad y salud ocupacional (FISO). (2014). Glosario [Página da Internet]. http://www.fiso-web.org/Biblioteca/PaginacionGlosario?letter=A&page=6

Folkman, S. (2010). Stress, coping, and hope. Psycho-Oncology. 19, 901-908. https://doi.org/10.1002/pon.1836.

Freud, S. (1974). Sobre o ensino da psicanálise na universidade. In. Obras completas. Madrid, España: Alianza. (Originalmente publicado em 1919).

Furegato, A. R. F. (2012). Reconhecendo o estresse. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20 (5), 819- 820. http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n5/pt_01.pdf

Galvão, M. T. R. L. S., & Janeiro, J. M. S. V. (2013). O autocuidado em enfermagem: autogestão, automonitorização e gestão sintomática como conceitos relacionados. Revista Mineira de Enfermagem, 17(1), 231-235. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20130019.

GIL, A. C. (2002). Como elaborar Projetos de Pesquisa (4a ed.). Atlas.

International labour organization (ILO). (1986). Psychosocial factors at work: recognition and control. ILO Publications.

Jacques, M. G. (2007). O nexo causal em saúde/doença mental no trabalho: uma demanda para a psicologia. Psicologia & Sociedade, 19(1), 112-119.

Maturana, A. P. P. M. & Valle, T. G. M. (2014). Estratégias de enfrentamento e situações estressoras de profissionais no ambiente hospitalar. Psicologia hospitalar, 12(2), 02-23.

Medeiros, M. A. V., Nunes, M. L. T. & Melo, F. F. M. (2012, agosto). Saúde mental de psicólogos trabalhadores na saúde pública: um estudo a partir de Dejours e Freud. Anais do VIII Seminário do Trabalho: Trabalho e Políticas Sociais no Século XXI, Marília, SP, Brasil. http://www.estudosdotrabalho.org/texto/gt6/saude_mental.pdf.

Ministerio de Empleo y Seguridad Social de la España. (2012). Guía de actuaciones de la inspección de trabajo y Seguridade social sobre riesgos psicosociales. Lerko Print S.A.

Ministerio de la Protección Social da Colombia (2008). Resolución 2646 de julio de 2008, por medio de la cual se establecen los parámetros para la identificación, evaluación, monitoreo e intervención de los factores de riesgo psicosocial en el trabajo. http://www.corporacioncaminos.org/attachments/040_Res2646%202008.pdf

Ministério da saúde. (2008). Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Lista de doenças relacionadas ao trabalho (2a ed.). http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_relacionadas_trabalho_2ed_p1. pdf.

Montenegro, A. R. A. (2019). “A prática faz o mestre”: estudo do treino e integração do autocuidado na formação académica em psicologia [Dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia]. Universidade de Lisboa, Portugal.

Moraes, M. R. C. (2014). Autocuidado e gestão de si: hábitos saudáveis na mídia impressa semanal [Tese de doutorado em Sociologia]. Universidade de São Paulo, SP, Brasil. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-23012015-182017/publico/2014_MariaReginaCarielloMoraes_VOrig.pdf

Moura, R. H., & Luzio, C. A. (2013). A psicologia e seus campos de atuação: demandas contemporâneas. Cultura Acadêmica.

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2001). The world health report 2001. Mental health: new understanding, new hope. World Health Organization. http://www.who.int/whr/2001/en/whr01_en.pdf.

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2014). Mental health: a state of well-being. 2014. http://www.who.int/features/factfiles /mental_health/en/

Paula, G. C. R., Camargo, M. L., & Júnior, E. G. (2018). Estresse Ocupacional e Síndrome de Burnout: considerações sobre a atuação do Psicólogo Organizacional e do Trabalho neste cenário. Revista P&C, 1, 1-17. http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/psicologiaesuasconexoes/article/view/5444/47965131.

Pope, C., & Mays, N. (Org.). (2009). Pesquisa qualitativa na atenção à saúde (3a ed.). Artmed.

Rodriguez, S. Y. S. (2015). Burnout em psicólogos: prevalência e fatores associados. [Tese de Doutorado em Psicologia]. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Rodriguez, S. Y. S., & Carlotto, M. S., Barcinski, M. (2015). Estratégias de Enfrentamento utilizadas pelos psicólogos: uma análise de gênero. Salud & sociedad: investigaciones en psicologia de la salud y psicologia social, 6, 110-119.

Rodriguez, S. Y. S., & Carlotto, M. S. (2017). Preditores da Síndrome de Burnout em Psicólogos. Estudos de Psicologia (Campinas), 34, 141-150.

Rodriguez, S. Y. S., & Carlotto, M. S. (2014). Prevalence and factors associated with the burnout syndrome among psychologists. Ciencia & trabajo, 16(51), 170-176. https://dx.doi.org/10.4067/S0718-24492014000300008.

Rodriguez, S. Y. S., Carlotto, M. S., Ogliari, D., & Giordani, K. (2015). Estressores Ocupacionais Em Psicólogos Clínicos Brasileiros. Psicogente, 18(33), 104-116. https://www.redalyc.org/pdf/4975/497551992010.pdf

Sanzovo, C. E., & Coelho, M. E. C. (2007). Estressores e estratégias de coping em uma amostra de psicólogos clínicos. Estudos de Psicologia, 24(2), 227-238.

Serra, M. V. (2019). Saúde e bem-estar em psicólogos brasileiros: o papel da atividade profissional. [Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde]. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

Thiry-Cherques, H. R. et.al. (2009). Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. Af- Revista PMKT. 4(1). https://docplayer.com.br/15061-Saturacao-em-pesquisa-qualitativa-estimativa-empirica-de-dimensionamento.html.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na esquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, Campinas, 22, (44), 203-220 https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/tematicas/article/view/2144.

Zaslavsky, J., Nunes, M. L. T., & Eizirik, C. L. (2003). A supervisão psicanalítica: revisão e uma proposta de sistematização. Revista de Psiquiatria do RS, 25(2), 297-309.

Zambelli, C. K. et al. (2013). Sobre o conceito de contratransferência em Freud, Ferenczi e Heimann. Psicologia Clínica, 25(1), 179-195. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652013000100012&lng=pt&tlng=pt.

Zanelli, J. C., & Kanan, L. A. (2019). Fatores de risco, proteção psicossocial e trabalho: organizações que emancipam ou que matam (2a ed.). Uniplanc.

Publicado
2021-04-05
Seção
Artigo de Pesquisa