ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA MORTALIDADE PÓS NEONATAL ASSOCIADA A CAUSAS EVITÁVEIS EM PALMAS, TOCANTINS E BRASIL

  • Maria Luiza Silva Brito Universidade Federal do Tocantins
  • Daniel Botelho Mariano Universidade Federal do Tocantins
  • Renata dos Santos Oliveira Universidade Federal do Tocantins
  • Tatiane Pires Oliveira Universidade Federal do Tocantins
  • Ana Flávia de Oliveira Castro Universidade Federal do Tocantins
  • Antonio Rozeni Gomes Barbosa Júnior Universidade Federal do Tocantins
  • Glendara Aparecida de Souza Martins Universidade Federal do Tocantins
  • Sandra Maria Botelho Pinheiro Universidade Federal do Tocantins
  • Karolyne Botelho Marques Silva Universidade Federal do Tocantins
Palavras-chave: saúde da criança, mortalidade pós neonatal, atenção primária

Resumo

A mortalidade infantil, em especial a pós neonatal, é um sensível indicador da qualidade de vida de uma população. Objetivou-se apresentar o coeficiente de mortalidade pós neonatal de Palmas, Tocantins e Brasil, no triênio 2014-2016 e expor as principais causas evitáveis desses óbitos. Trata-se de um estudo descritivo exploratório que analisa dados públicos disponibilizados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC). Os resultados apresentaram como principais fatores vinculados a mortalidade pós neonatal a deficiência no diagnóstico e tratamento, em ações de promoção vinculadas a atenção primária, na atenção ao recém-nascido (RN), a gestação e ao parto, e imunizações. Encontrou-se uma redução significativa da mortalidade em Palmas-TO, o oposto dos panoramas Estadual e Nacional. As taxas de mortalidade apresentaram variações. Palmas e Tocantins aumentaram seu valor de 2014 (1,55/1.000 nascidos vivos (NV) e 2,00/1.000 NV, respectivamente) para 2015 (2,30/1.000 NV e 2,07/1.000 NV, respectivamente) e reduziram de 2015 para 2016 (1,34/1.000 NV e 2,06/1.000 NV, respectivamente); o Brasil reduziu seu valor de 2014 (2,05/1.000 NV) para 2015 (1,88/1.000 NV) e aumentou de 2015 para 2016 (2,21/1000 NV). Foi possível concluir que a capacitação e atualização dos profissionais seriam a chave para maior integração com a comunidade, melhoria nos atendimentos, diagnósticos precisos e atuação precoce nas patologias vinculadas à saúde materno-infantil.

Publicado
2019-10-03
Como Citar
Brito, M. L. S., Mariano, D. B., Oliveira, R. dos S., Oliveira, T. P., Castro, A. F. de O., Barbosa Júnior, A. R. G., Martins, G. A. de S., Pinheiro, S. M. B., & Silva, K. B. M. (2019). ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA MORTALIDADE PÓS NEONATAL ASSOCIADA A CAUSAS EVITÁVEIS EM PALMAS, TOCANTINS E BRASIL. DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 6(3), 66-76. https://doi.org/10.20873/uftv6-6183
Seção
Artigos

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)