COMPARAÇÃO ENTRE MODOS DE ADMINISTRAÇÃO DE FITOTERÁPICOS A BASE DE MELISSA OFFICINALIS – UMA DISCUSSÃO FARMACOCINÉTICA

  • Guilherme Nobre L. do Nascimento, Dr. Universidade Federal do Tocantins
  • Yasmym Oliveira de Morais, Sra. Universidade Federal do Tocantins - UFT
Palavras-chave: Fenóis totais, Folin-ciocalteau, Melissa officinalis

Resumo

A Melissa officinalis L. (Lamiaceae) apresenta altos níveis de compostos fenólicos que apresentam entre outros efeitos biológicos a atividade anti-inflamatória, inibindo a atividade da ciclooxigenase e a inibição do citocromo P450. Devido seus efeitos biológicos tem ganhado espaço de destaque em diversos estudos. Os compostos fenólicos amplamente presentes nos vegetais formam-se constituintes da nossa alimentação, destacando-se chás e as cápsulas de fitoterápicos. O objetivo do presente estudo foi comparar a diferença de disponibilidade de moléculas ativas provenientes de plantas medicinais em duas diferentes formas de uso, cápsulas e chá.  Após simulação in vitro da digestão gástrica os compostos fenólicos totais foram determinados empregando-se o método espectrofotométrico de Folin-Ciocalteau. Obtivemos valores maiores de teor de fenóis totais na digestão das cápsulas do que nos chás de Melissa officinalis. Indicando que provavelmente as cápsulas apresentam maior disponibilidade de princípios ativos que as infusões. Vale ressaltar a necessidade de mais estudos para a comparação do teor de fenóis totais das infusões de Melissa officinalis, além de uso de outras plantas para verificar a melhor forma de uso das plantas medicinais.

Biografia do Autor

Guilherme Nobre L. do Nascimento, Dr., Universidade Federal do Tocantins

Laboratório de Ciências Básicas e da Saúde (LaCiBS), curso de nutrição da UFT / Campus Palmas.

Yasmym Oliveira de Morais, Sra., Universidade Federal do Tocantins - UFT

Laboratório de Ciências Básicas e da Saúde (LaCiBS), curso de nutrição da UFT / Campus Palmas.

Referências

BARNES, J.; ANDERSON, L.A.; PHILLIPSON, J.D. Plantas medicinales: guía para los profesionales de la salud. Pharma editors. 1ª ed., p. 568, 2005.

BERNARDES, N.R.; GLÓRIA, L.L.; NUNES, C.R.; PESSANHA, F.F.; MUZITANO, M.F.; OLIVEIRA, B.D. Quantificação dos Teores de Taninos e Fenóis Totais e Avaliação da Atividade Antioxidante dos Frutos de Aroeira. VÉRTICES. v. 13, n. 3, p. 117-128, 2011.

BORGES, Marta Barreto. Avaliação do efeito da simulação in vitro da digestão gastrointestinal nas propriedades antioxidantes das infusões de cidreira e tília. Lisboa, 56f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Segurança Alimentar) - Faculdade de Ciências e Tecnologia. 2012.

BRAIBANTE, M.E.F.; SILVA, D.; BRAIBANTE, H.T.S.; PAZINATO, M.S. . A Química dos Chás. Quím. Nova Esc. v. 36, n.3, p. 168-175, 2014.

BRUTON, L.L.; LAZO, J.S.; PARKER, K.L. Goodman & Gilmar. As bases farmacológicas da terapêutica. Ed. 11. McGraw-Hill Interamericana do Brasil, p. 1821,2007.

DUTRA, V.C. Dossiê técnico: Manipulação de cápsulas. Serviços Brasileiros de Resposta Técnicas. 2012.

HALLIWELL, B. Free radicals and antioxidants: A personal view. Nutrition Reviews, v. 52, n. 8, p. 253-265, 1994.

MARQUES, O.C.P.. Desenvolvimento de formas farmacêuticas sólidas orais de Uncaria tomentosa com actividade antioxidante. Coimbra. 2008. Dissertação. Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra. 2008.

MÜZELL, D.P. Propriedades biológicas de extratos de Melissa officinalis L. (LAMIACEAE) em ratos wistar. Porto Alegre, 2006. Dissertação (Biologia Celular e Molecular) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 2006.

NAKAMURA ,T.; SILVA, F.S.; SILVA, D.X.; SOUZA M.W.; MOYA, H.D. Determinação da atividade antioxidante e do teor total de polifenol em amostras de chá de ervas comercializadas em sachets. ABCS Health Sci. v. 38, n. 1, p. 8-16, 2013.

Rocha, W.S.; Lopes, R.M.; Silva, D.B.; Vieira, R.F.; Silva, J.P.; Agostini-Costa, T.S. Compostos fenólicos totais e taninos Condensados em frutas nativas do cerrado. Rev. Bras. Frutic. v. 33, n. 4, p. 1215-1221, 2011.

YAMAGUCHY, T; TAKAMURA, H.; MATOBA, T.; TERAO, J. HPLC method for evaluation of the free radical-scavenging activity of foods by using 1,1-diphenyl-2-picrylhydrazyl. Biosci. Biotechnol. Biochem. v. 62, n. 6, p. 1201-1204, 1998.
Publicado
2017-02-21
Como Citar
Nascimento, G. N. L. do, & de Morais, Y. O. (2017). COMPARAÇÃO ENTRE MODOS DE ADMINISTRAÇÃO DE FITOTERÁPICOS A BASE DE MELISSA OFFICINALIS – UMA DISCUSSÃO FARMACOCINÉTICA. DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 3(Especial), 111-117. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2016v3nespp111