Habitação coletiva e a construção do espaço habitado: o caso do Setor Central de Goiânia (1950 -1960)

Palavras-chave: História da Arquitetura e da Cidade, Habitação Coletiva, Cultura Arquitetônica, Arquitetura Moderna

Resumo

No final da década de 1960, Goiânia já se encontrava estabelecida e edificada. Nesse contexto, os edifícios de habitação coletiva presentes no Setor Central da cidade, representavam uma nova maneira de viver e conceber o espaço habitado. Até os anos 1950, predominava em sua paisagem, residências unifamiliares e edifícios de apartamentos de até quatro pavimentos, conforme prescrevia o primeiro Plano Diretor, de Atílio Correia Lima. A partir do início dos anos 1960, a construção de edifícios de apartamentos em altura passa a modificar substancialmente essa paisagem, não só do ponto de vista de sua morfologia, mas também de sua escala; movimento que se intensifica até o início dos anos 1980. Nesse artigo, analisaremos o Edifício 28 de Agosto e o Edifício Dom Abel, que por suas tipologias edificatórias, são exemplares representativos dos edifícios de habitação coletiva construídos no Setor Central, nas décadas de 1950 e 1960. O objetivo desse artigo é avaliar, sob o ponto de vista das relações espaciais que geram com o espaço urbano e edificado – ou seja, a maneira de fazer a conexão urbana entre o ‘objeto’ e o ‘lugar’–, a capacidade de cada um desses edifícios de produzir, ou não, uma parte de cidade que promova mudanças não somente quantitativas, mas também qualitativas dentro da uma nova concepção de escala urbana.

 

Referências

BONDUKI, Nabil; KOURY, Ana Paula. Os pioneiros da habitação social. Cem anos de política pública no Brasil. Edição Sesc SP., São Paulo, Fundação Editora Unesp, 2014.

BRUNA, Paulo Júlio Valentino. Os primeiros modernos: habitação social no Brasil 1930-1950. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

FROTA, José Artur D.; CAIXETA, Eline Maria M. P. Cine -Teatro Goiânia: estratégias para uma possível requalificação do lugar. Anais do III Seminário Projetar - O Moderno já Passado e o Passado no Moderno, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007.

FROTA, José Artur D.; CAIXETA, Eline Maria M. P. Um Urbanismo Pendular. Goiânia: entre a monumentalidade do urbanismo acadêmico francês e a escala doméstica da tradição da Cidade Jardim. Anais do XII do Seminário de História da Cidade e do Urbanismo - A circulação de ideias na construção da cidade: uma via de mão dupla, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2012.

JORGE, Liziane de Oliveira. Estratégias de flexibilidade na arquitetura residencial multifamiliar. Tese (Doutorado em arquitetura e urbanismo) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. São Paulo, 2012.

LUCAS, Edinardo Rodrigues. Cidades na Cidade: Habitação Social e produção do espaço Urbano em Goiânia. Dissertação (Mestrado em arquitetura e urbanismo) – Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais- (FAV), Goiânia, 2016.

MANSO, Celina Fernandes Almeida. Goiânia: uma concepção urbana, moderna e contemporânea – um certo olhar. Goiânia, Bandeirante, 2001.

MARICATO, Ermínia. As ideias fora do lugar fora das ideias. In.: ARANTES, Otília. A cidade do pensamento único. Editora Vozes, São Paulo, Rio de Janeiro, 2000.

MELLO, Márcia Metran de. “A modernidade e o esqueleto de ema”. In.: CAIXETA, Eline Maria M. P.; ROMEIRO, Bráulio. Interlocuções na arquitetura moderna no Brasil: o caso de Goiânia e outras modernidades. Goiânia, Editora UFG, 2015.

___________________________. Moderno e modernismo: a arquitetura dos dois primeiros fluxos desenvolvimentistas de Goiânia. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil 1900-1990. 3º Ed. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

SEGAWA, Hugo. “Arquitetos peregrinos, nômades e migrantes”. In.: WISSENBACH, Vicente (ed.) Arquitetura no Brasil: anos 1980. São Paulo: Revista Projeto, 1988.

TRAMONTANO, Marcelo. Habitações, metrópoles e modos de vida. 3o. Prêmio Jovens Arquitetos, categoria "Ensaio Crítico". São Paulo: Instituto dos Arquitetos do Brasil / Museu da Casa Brasileira, 1997. Disponível em: http://www.nomads.usp.br/site/livraria/livraria.html. Acessado em: 22/ 11/ 2016.

VAZ, Maria Diva A. Coelho. A transformação do centro de Goiânia: renovação ou reestruturação? Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2002.

WARCHAVCHIK, Gregori. Acerca da arquitetura moderna. 1925. In.: Xavier, Alberto (org.) Depoimento de uma geração – arquitetura moderna brasileira. Cosc & Naif, São Paulo, 2003.
Publicado
2018-04-06