Avaliação de modelos volumétricos para plantio comercial de Calophyllum brasiliense Cambess na região sul do estado do Tocantins

Palavras-chave: cubagem rigorosa, biometria florestal, guanandi

Resumo

A cubagem rigorosa é a medição de vários diâmetros ao longo do tronco da árvore, para a obtenção do volume real de uma única árvore. Para se estimar um volume para determinado plantio, utiliza-se equações volumétricas, que geram o volume com menos erro e mais próximo do volume real. Com isso foi realizada a cubagem rigorosa pelo método de Smalian em 46 árvores, determinadas pela classe de diâmetro, com diâmetro mínimo adotada de 2 centímetros. Foram testadas 9 equações volumétricas, avaliadas com base nos seguintes critérios: Coeficiente de determinação ajustado (R²aj), coeficiente de variação em percentagem (CV%) e análise gráfica de resíduos. Com a análise de dados, o modelo que mais se ajustou foi de Schumacher-Hall, apresentando os seguintes resultados: R² ajustado= 0,979, CV% de 2,24, a análise gráfica de dispersão de resíduos entre os valores observados e estimados, mostrou que a função ln(v) = -15,0053 + 1,29298.ln(d) + 1,266519.ln(h) apresentou ajuste adequado. Com a equação selecionada estimou-se o incremento de 6,22 m3.ha-1 ano, considerando 1.250 árvores por hectare aos 7 anos.

Referências

AZEVEDO, G.B.; SOUSA, G.T.O.; BARRETO, P.A.B.; CONCEICAO JÚNIOR, V. Métodos para predição do vo-lume de eucalipto em diferentes regimes de manejo no Pla-nalto da Conquista. In: II Semana de Engenharia Florestal da Bahia (2ª SEEFLOR-BAHIA), 2011, Vitória da Conquista-BA. Anais..., Vitória da Conquista, 2011a.

CARVALHO, P. E. R. Influência da intensidade luminosa e do substrato no crescimento, no conteúdo de clorofila e na fotossíntese de Cabralea canjerana (Vell.) Mart. subsp. canjerana, Calophyllum brasiliense Cambess. Camb. e Cen-trolobium robustum (Vell.) Mart. ex Benth., na fase juvenil. Tese Doutorado. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 157p. 1996.

CIDRÃO, D.F. Economia florestal: potencialidades do Gua-nandi. 2012. 184 f. Dissertação (Mestrado) – UNIARA, Araraquara, 2012.

DRAPER, N.R.; SMITH, H. Applied regression analysis. 3rd ed. New York: John Wiley & Son, 1998. xvii, 706p.

DUFFECKY, M.D.; FOSSATI, L.C. Avaliação da adaptação de Calophyllum brasiliense Cambess. (Guanandi), família Clusiaceae, no planalto norte catarinense. Ágora: R. Divulg. Cient., Mafra, v.16, n.2, 2009.

FAO. Manual of forest inventory, with special reference to mixed tropical forest. Roma, 1973. 200p.

FINGER, C.A.G. Fundamentos de biometria florestal. Santa Maria: UFSM, CEPEFFATEC, 1992.

KÖPPEN, W.; GEIGER, R. Klimate der Erde. Gotha: Verlag Justus Perthes. 1928.

MELLO, J. M de. Geoestatística aplicada ao inventário flores-tal (Tese de Doutorado). Piracicaba: Doutorado em Recur-sos florestais, Escola Superior de Agricultura Luiz de Quei-roz. Universidade de São Paulo. 2004

MENON, M. U. Ajuste dos modelos de Kozak e do sistema Murkhart e Cao para plantações de Pinus oocarpa. Revista Ambiência, Guarapuava, PR, n.1, p.197-205, 2005.

MIRANDA, R.O.V.; EBLING, A.A.; DAVID, C.H.; FIO-RENTIN, L.D.; SOARES, I.D. Efeito do método de amos-tragem da cubagem rigorosa na precisão de estimativas vo-lumétricas. Atualidades em Mensuração Florestal. Curitiba – Paraná – Brasil. 2014.

PRODAN, M. Forest biometrics. New York: Pergamon Press, 1968. 447p.

ROCHA, T.B., CABACINHA, C.D., ALMEIDA, R.C; PAULA, A.; SANTOS, R.C. Avaliação de métodos de es-timativa de volume para um povoamento de Eucalyptus urophylla S. T. Blake no Planalto da Conquista - BA. Enci-clopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.6, n.10, 2010.

SANO, E.E.; ROSA, R.; BRITO, J.L.; FERREIRA J.R.L.G. 2008. Mapeamento semidetalhado do uso da terra do bioma Cerrado. Planaltina, Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.43, p.153-156.

SCHNEIDER, P.R. ANATRO: Programa de computador ambiente MS-DOS. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 1984.

SCHNEIDER, P.R.; SCHNEIDER, P.S. Introdução ao mane-jo florestal. 2ºEd. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2008, 566p.

SEPLAN - Secretária do Planejamento e Meio Ambiente. Anuário estatístico do estado do Tocantins. Palmas: Direto-ria de Pesquisas e Informações-DPI, 2007.

SILVA, M.C.; VIEIRA, A.C.; ATAÍDE, Y.B.; RAMOS, Y.A.; COELHO, M.C.B.; GIONGO, M.; ERPEN, M.L. Volume, funções probabilísticas e produtividade em plantio de Calophyllum brasiliense no município de Dueré (TO). Advances in Forestry Science, v.6, n.2, p.631-638, 2019. http://dx.doi.org/10.34062/afs.v6i2.7400

SOARES, C.P.B.; NETO, F.P.; SOUZA, A.L. Dendrometria e inventário florestal. Viçosa: UFV, 2006. 276p.

THOMAS, C.; ANDRADE, C.M.; SCHNEIDER, P.R.; FINGER, C.A.G. Comparação de equações volumétricas ajustadas com dados de cubagem e análise de tronco. Ciên-cia Florestal, Santa Maria, v.16, n.3, p.319-327, 2006.

Publicado
2018-10-10
Como Citar
Silva, M. C., Goergen, S. F., Coelho, M. C. B., Giongo, M., Erpen, M. L., & dos Santos, A. F. (2018). Avaliação de modelos volumétricos para plantio comercial de Calophyllum brasiliense Cambess na região sul do estado do Tocantins. Journal of Biotechnology and Biodiversity, 6(1), 202-208. https://doi.org/10.20873/jbb.uft.cemaf.v6n1.cardososilva

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)