Inflamabilidade de espécies vegetais do cerrado stricto sensu

Palavras-chave: Índice de inflamabilidade, Savana brasileira, incêndios florestais

Resumo

O uso do fogo pode ocasionar danos e benefícios a um ecossistema, sendo essa relação influenciada por dois fatores principais: condições meteorológicas locais e característica do material combustível. Um dos principais fatores que influenciam o processo de combustão é a inflamabilidade dos combustíveis, sendo considerado essencial a compreensão deste para a prevenção de incêndios florestais. Diante disso este trabalho objetivou avaliar o potencial de inflamabilidade das espécies Tabebuia aurea, Pseudobombax grandiflorum, Dimorphandra mollis, Chytraculia concinna, Eriotheca gracilipes e Qualea multiflora do cerrado sensu stricto e indicar as espécies com maior potencial para auxiliar na prevenção de incêndios florestais. O trabalho foi realizado no Laboratório de Pesquisas Florestais no Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo (CeMAF) na Universidade Federal do Tocantins onde os testes de inflamabilidade foram conduzidos para avaliação do tempo para ignição, da frequência de ignição, duração da combustão, índice de combustão e valor de inflamabilidade dos materiais combustíveis, sendo que para cada espécie estudada foram efetuadas 50 queimas em epirradiador, cada queima constituída de 1 ± 0,1 g de material combustível verde. Com base nos dados obtidos verificou-se que dentre as espécies estudadas a que demonstrou maior índice de inflamabilidade foi a Eriotheca gracilipes, por outro lado, identificou-se que as espécies Tabebuia aurea, Pseudobombax grandiflorum e Dimorphandra mollis são consideradas como fracamente inflamáveis, classificando-as como potenciais para uso na prevenção de incêndios florestais.

Biografia do Autor

Francisca Cassia da Silva Silva, Universidade Federal do Tocantins

Engenheira Florestal

Mestranda em Ciências Florestais e Ambientais

Victor Braga Rodrigues Duarte, Universidade Federal do Tocantins

Engenheiro Florestal

Mestrando em Ciências Florestais e Ambientais

Eduardo Ganassoli Neto, Universidade Federal do Paraná

Engenheiro Florestal

Mestre em Engenharia Florestal

Igor Viana Sousa, Universidade Federal do Tocantins

Engenheiro Florestal

Mestrando em Ciências Florestais e Ambientais

Marcos Vinícius Cardoso Silva, Universidade Federal do Tocantins

Engenheiro Florestal

Mestrando em Ciências Florestais e Ambientais

Micael Moreira Santos, Universidade Federal do Tocantins

Engenheiro Florestal

Mestre em Engenharia Florestal

Augustus Caeser Frank Portella, Universidade Federal do Tocantins

Professor adjunto na Universidade Federal do Tocantins

Marcos Giongo, Universidade Federal do Tocantins

Engenheiro Florestal

Professor Adjunto na Universidade Federal do Tocantins

Referências

BATISTA, A.C. Incêndios florestais. Recife: Imprensa Uni-versitária da UFRPE, 115 p. 1990.

BATISTA, A.C.; BIONDI, D. Avaliação da inflamabilidade de Ligustrum licidum Aiton (Oleaceae) para uso potencial em cortinas de segurança na região sul do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 4, n. 4, p. 435-439, 2009. https://doi.org/10.5039/agraria.v4i4a11

BRASIL. O Bioma Cerrado. Ministério do Meio Ambiente (MMA). 2018. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado>, acesso em: 21 de abril de 2019.

COUTINHO, L.M. O cerrado e a ecologia do fogo. Ciência hoje, v. 12, n. 68, p. 23-30, 1990.

HERNANDO, C. Combustibles forestales: inflamabilidad. La defensa contra incendios forestales, fundamentos y experi-encias. McGraw-Hill, p. 3-6, 2000.

HERNANDO, C.L. Combustibles forestales: inflamabilidad. In: Vélez, R.M. (Coord). La defensa contra incêndios fores-tales: fundamentos y experiências, 2. ed. Espanha: Mcgrawhill, 2009.

KOVALSYKI, B.; TAKASHINA, I.C.; TRES, A.; TETTO, A.F.; BATISTA, A.C. Inflamabilidade de espécies arbóreas para uso em cortinas de segurança na prevenção de incên-dios florestais. Pesquisa Florestal Brasileira, v.36, n.88, p.387-391, 2016. https://doi.org/10.4336/2016.pfb.36.88.991

MIRANDA, H.S., BUSTAMANTE, M.M.C.; MIRANDA, A.C. 2002. The fire factor. In Oliveira, PS. and Marquis, RJ. (Eds.). The Cerrados of Brazil: ecology and natural his-tory of a neotropical savanna. New York: Columbia Univer-sity Press. p.51-68.

NEVES, P.C. Avaliação da inflamabilidade de cinco espécies da floresta ombrófila mista. Universidade Federal do Paraná, 2016.

OLIVEIRA, P.S.; MARQUIS, R.J. The cerrados of Brazil: ecology and natural history of a neotropical savanna. Co-lumbia University Press, 2002.

PETRICCIONE, M. Infiammabilità della lettiera di diverse specie vegetali di ambiente mediterraneo. 2006. 48 f. Tese (Doutorado em Biologia Aplicada) - Dipartimento di Biolo-gia Strutturale e Funzionale, Università Degli Studi Di Na-poli Federico II, Napoli. 2006.

RIBEIRO, J.F.; WALTER, B.M.T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. Embrapa Cerrados-Capítulo em livro científico (ALICE). p. 89-166, 1998.

SCARFF, F.R.; WESTOBY, M. Leaf litter flammability in some semi‐arid Australian woodlands. Functional Ecology, v. 20, n. 5, p. 745-752, 2006. https://doi.org/10.1111/j.1365-2435.2006.01174.x

SEPLAN/TO. Atlas do Tocantins: Subsídios ao planejamento da gestão territorial. 2002.

SOARES, R.V.; BATISTA, A.C.; TETTO, A.F. Incêndios florestais: controle, efeitos e uso do fogo. Curitiba, 2ª edição revisada, 255p. 2017.

SOUZA, M.A.; VALE, A.T. Levantamento de plantas de baixa inflamabilidade em áreas queimadas de cerrado no Distrito Federal e análise das suas propriedades físicas. Universidade de Brasília, 2019.

VALETTE, J.C. Inflammabilities of Mediterranean species. Forest fire risk and management, v.16719, p.51-64, 1997.

WHITE, R.H.; ZIPPERER, W.C. Testing and classification of individual plants for fire behaviour: plant selection for the wildland–urban interface. International Journal of Wildland Fire, v.19, n.2, p.213-227, 2010. https://doi.org/10.1071/WF07128

Publicado
2019-10-30
Como Citar
Silva, F. C. da S., Braga Rodrigues Duarte, V., Ganassoli Neto, E., Viana Sousa, I., Cardoso Silva, M. V., Moreira Santos, M., Caeser Frank Portella, A., & Giongo, M. (2019). Inflamabilidade de espécies vegetais do cerrado stricto sensu. Journal of Biotechnology and Biodiversity, 7(2), 315-319. https://doi.org/10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n2.silvasilva

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)