O significado e os sentidos das práticas escolares, nos dizeres de seis estudantes surdos, concluintes do Ensino Fundamental

Autores

  • Márcia Cristina Barreto Fernandes de Abreu Universidade Federal do Tocantins
  • Neide Cardoso de Moura Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.20873/RELPE.2447-6293.e202307

Palavras-chave:

Surdez, Práticas escolares, Análise do discurso, LIBRAS, Constituição dos estudantes surdos

Resumo

O artigo trata de um recorte de pesquisa que propôs analisar a proposta do Ensino Fundamental no que tange ao significado e sentidos dessas práticas escolares, constitutivas dos dizeres de seis estudantes surdos, concluintes do Ensino Fundamental. Foram utilizados como suportes teóricos e metodológicos: Análise do Discurso de abordagem francesa (Pêcheux, 2012). sobre a construção do corpus da pesquisa foram realizadas duas entrevistas, com cada um dos participantes, seis jovens surdos de faixa etária entre 13(treze) e 26(vinte e seis) anos, alunos do Ensino Fundamental (8º e 9º anos), de uma escola da rede pública de Uberlândia – MG. As entrevistas foram realizadas em LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), interpretadas, simultaneamente em português (oral) e registradas em áudio e vídeo. As informações tratadas pela pesquisa sugerem que a constituição dos estudantes surdos resulta: primeiro, da relação do surdo com a sua surdez e segundo, da necessidade de acesso a uma língua para que a comunicação possa ser estabelecida, desenvolvida e ampliada na vida familiar, social, incluindo a instituição escolar.

Biografia do Autor

Márcia Cristina Barreto Fernandes de Abreu, Universidade Federal do Tocantins

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Mestre em Psicologia pela Universidade Católica de Brasílias (UCB) e graduada em Psicologa pela UFU. Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal do Tocantins- Curso de Pedagogia- Campus de Arraias

Neide Cardoso de Moura , Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Pedagogia, mestrado em Psicologia e Doutorado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pós-doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora e pesquisadora da graduação e pós graduação em Educação (PPGE/UFFS) Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)- Campus Chapecó- Santa Catarina.

Referências

ALVES, C. B. A Educação Especial na perspectiva da inclusão: abordagem bilingue na escolarização de pessoas com surdez. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Especial. Brasília: Universidade Federal do Ceará, 2010. Fascículo 04.

BISOL, C.; SPERB, T. M. Discursos sobre a surdez: deficiência, diferença, singularidade e construção de sentido. Revista Teoria e Pesquisa, v. 26, n. 01, p. 7-13, Jan./mar. 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1999

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

PETEAN, E. B. J.; BORGES, C. D. Deficiência auditiva: escolarização e aprendizagem de

língua de sinais na opinião das mães. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 12, n. 24, p. 195-204, 2002.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

TEIXEIRA, M. Análise de discurso e psicanálise: elementos para uma abordagem do sentido ao discurso. 2 ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

Downloads

Publicado

2023-07-30

Como Citar

ABREU, Márcia Cristina Barreto Fernandes de; MOURA , Neide Cardoso de. O significado e os sentidos das práticas escolares, nos dizeres de seis estudantes surdos, concluintes do Ensino Fundamental . RELPE: Revista Leituras em Pedagogia e Educação, [S. l.], v. 7, n. 1, p. e202307, 2023. DOI: 10.20873/RELPE.2447-6293.e202307. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/relpe/article/view/17159. Acesso em: 21 fev. 2024.