NARRATIVAS DE POLICIAIS MILITARES DO TOCANTINS SOBRE O TRABALHAR

Palavras-chave: trabalho, policiais militares, sofrimento

Resumo

Objetiva-se discutir as narrativas dos policiais militares do Tocantins sobre as dificuldades encontradas no trabalho e o que fazem para lidar com elas. Utiliza-se o aporte teórico da Psicodinâmica do Trabalho. Participaram do estudo 686 policiais, que responderam duas questões: uma sobre as principais dificuldades que encontram em seu trabalho e outra sobre o que fazem para lidar com estas dificuldades. Fez-se análise de conteúdo que gerou duas categorias: a) “Falta de equipamentos, falta de pessoal, carga horária excessiva” e b) “Sempre penso que o amanhã será melhor”. Conclui-se que as maiores dificuldades estão relacionadas à falta de recursos humanos, a falta de valorização e de autonomia para a realização das tarefas. Para lidar com o sofrimento no trabalho, focam no convívio familiar e na religião, com uma certa inércia e paralisação diante dessa vivência.

 

PALAVRAS CHAVE: Trabalho; Policiais Militares; sofrimento.

 

 

ABSTRACT

We aim to discuss narratives of State Police Officers of Tocantins about the difficulties they face in their work and what they do to cope with them. For such we have used the theoretical contribution of Psychodynamics of Work. Six hundred and eighty-six (686) police officers participated in the study, answering two questions: one about the main difficulties they face in their work and the other about what they do to cope with those difficulties. Our content analysis generated two categories: a) “Lack of equipment, lack of personnel, excessive workload” and b) “I always think that thing will be better tomorrow.” We have concluded the greatest difficulties are related to the lack of human resources, appreciation and autonomy for the accomplishment of the work. In order to cope with the suffering at work they focus on family life and religion, with a certain inertia and paralysis in the face of the suffering experienced.

 

KEYWORDS: Work; State Police; Suffering.

 

 

RESUMEN

Se objetiva discutir las narrativas de los policias militares de Tocantins sobre las dificultades encontradas en el trabajo y lo que hacen para lidiar con ellas. Se utiliza el aporte teórico de la Psicodinámica del Trabajo. Participaron del estudio 686 policias, que respondieron dos cuestiones: una sobre las principales dificultades que encuentran en su trabajo y otra sobre lo que hacen para lidiar con estas dificultades. Se hizo análisis de contenido que generó dos categorias: a) “Falta de equipamientos, falta de personal, carga horaria excesiva” y b) “Siempre pienso que el mañana será mejor”. Se concluye que las mayores dificultades están relacionadas en la falta de recursos humanos, la falta de valorización y de autonomía para la realización de las tareas. Para lidiar con este sufrimiento se focan en el convívio familiar y en la religión, con una cierta inercia y paralización delante del sufrimiento vivenciado.

 

PALABRAS CLAVE: Trabajo; Policias Militares; Sufrimiento.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thatiellen Menezes Ferreira, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Estudante do 8º período de Administração na Universidade Federal do Tocantins, aluna pesquisadora do Grupo de Pesquisa: Trabalho e Emancipação: Coletivo de Pesquisa e Extensão, Email: tatimenezesf@hotmail.com https://orcid.org/0000-0002-0892-1395

Liliam Deisy Ghizoni, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, Mestrado em Educação e Graduação em Psicologia. Professora na Universidade Federal do Tocantins no Curso de Graduação em Administração e na Pós Graduação em Comunicação e Sociedade (PPGCOM/UFT), Email: Ldghizoni@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1254-7455

Referências

ANJOS, F.B.; MENDES, A.M.; DOS SANTOS, A. V.; FACAS, E.P. Trabalho prescrito, real e estratégias de medição do sofrimento de jornalistas de um órgão público. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão. v. 6, n. 4 562-58, 2011.

ANTLOGA, C. S.; MENDES, A. M. Sofrimento e adoecimento dos vendedores de uma empresa de material de construção. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, v. 25 n. 2. p. 255-262. Abr./jun. 2009.

Antunes, R. Desenhando a nova morfologia do trabalho: as múltiplas formas de degradação do trabalho. Revista Critica de Ciências Sociais. 88, 19-34, 2008.

ABRAHAO, J. I.; PINHO, D. L. M. As transformações do trabalho e desafios teórico-metodológicos da Ergonomia. Estud. psicol. (Natal), Natal , v. 7, n. spe, p. 45-52, 2002 .

ALBUQUERQUE, C.F.L.; MACHADO, E.P. O currículo da selva: ensino, militarismo e ethos guerreiro nas academias brasileiras de polícia. Revista de las disciplinas del Control Sócial. Capítulo Criminológico, v.29, n.4, p.5-33, 2001.

AMADOR, F.S. Violência policial: verso e reverso do sofrimento. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituição de Psicologia Pontifícia, Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

BARCELLOS, J. A. P. de. Condições e a organização de trabalho dos policiais militares que executam o policiamento ostensivo: um estudo de caso na Brigada Militar de Porto Alegre. 1999. Dissertação (Mestrado em Administração) – Pós Graduação da Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

BEZERRA, A. K. Organização do Trabalho e os Riscos Psicossociais no 1º Batalhão de Polícia Militar de Palmas. Trabalho de Conclusão de Curso (Administração). UFT, Palmas, 2017.

BENDASSOLLI, P.F. Reconhecimento no trabalho: perspectivas e questões contemporâneas. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 17, n. 1, p. 37-46, jan./mar. 2012.

BORGES, Yara Gonçalves Emerik. A Atividade Policial e os Direitos Humanos. Revista Científica Semana Acadêmica - ISSN 2236-6717. Brasília, 2011.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BRITO, D. P. de; GOULART, I. B. Avaliação psicológica e prognóstico de comportamento desviante numa corporação militar. PsicoUSF, Itatiba , v. 10, n. 2, p. 149-160, dez. 2005 .

CUNHA, M.S.C.; GHIZONI, L.D. Narrativas do sofrimento do trabalho de um policial militar afastado. Revista comunicação e inovação, v19, n.39, p, 132-147,2018.

CARVALHO, P. L.de. Mapeamento dos riscos psicossociais relacionados ao trabalho em policiais do 6º Batalhão de Polícia Militar do estado do Tocantins. 2016. 146f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas) – Universidade Federal do Tocantins, Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas, Palmas, 2016.

CASTRO, F. S. O conceito de Trabalho e a Psicologia Histórico-Cultural. Revista Urutágua – acadêmica multidisciplinar – DCS/UEM, Maringá, PR, n.28, semestral, p.123 a 128, mai/out 2013.

CASTRO, T. C. M. Reconhecimento e vida dos guardas municipais: clínica do trabalho na atividade de segurança pública. Dissertação (Mestrado. Psicologia Social e Institucional). Programa de Pós-Graduação - Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

DAMASO, C. R., et al. Práticas institucionais para prevenção e atenção aos riscos psicossociais no trabalho dos Policiais Civis do Distrito Federal: contribuições da psicodinâmica do trabalho. 2014. v, 54 f. Monografia (Especialização em Clínica Psicodinâmica do Trabalho e Gestão do Estresse)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

DEJOURS, C. Entre o desespero e a esperança: como reencantar o trabalho.Revista Cult,nº 139, p.49-53. Set,2009.

Dejours, C. A psicodinâmica do trabalho na pós-modernidade. In A. M. Mendes, S. C. Cruz Lima & E. Facas (Orgs.), Diálogos em psicodinâmica do trabalho. Brasília: Paralelo 15,2007.

DEJOURS, C. Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção. São Paulo, v. 14, n. 3, p. 27-34, Dez. 2004.

DEJOURS, C. A Loucura do Trabalho: Estudo de Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Cortez, Oboré, 1992.

ELIAS, M.A.; Navarro,V.L. A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola. Rev Latino-am Enfermagem. São Paulo,p.517-525,2006.

FERREIRA, T. M. Mapeamento Dos Riscos Psicossociais Entre Policiais Militares da Companhia Independente de Arraias -Tocantins (1º CIPM). Relatório Pibic/CNP (Administração). Universidade Federal do Tocantins. 2017.

FACAS, E. P. et al.Sofrimento Ético e (in)dignidade no trabalho bancário: análise clínica e dos riscos psicossociais. In: J. K. Monteiro; F. O. Vieira; A. M. Mendes, (Orgs.). Trabalho & prazer: teoria, pesquisa e práticas. Curitiba: Juruá, p. 233-255,2015.

FACAS, E. P. Protocolo de avaliação dos riscos psicossociais no trabalho – contribuições da psicodinâmica do trabalho. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil, 193 p. 2013.

FERREIRA, Â. S. A Psicodinâmica do Trabalho de profissionais de odontologia do centro de ambulatorial de um Hospital Universitário. Dissertação (Mestrado profissionalizante em Psicologia) – Pós-Graduação em Psicologia Social, UNB, Brasília, 2013.

FÍGARO, R. Atividade de comunicação e trabalho dos jornalistas. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. E-compós, Brasília, v.16, n.1, jan./abr, p. 01-20, 2013.

FONTANA, R. T.; LAUTERT, L. A situação de trabalho da enfermagem e os riscos ocupacionais na perspectiva da ergologia. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 21, n. 6, p. 1306-1313, Dec. 2013.

FERREIRA, J. B.; MENDES, A. M. A sabedoria prática: estudo com base na psicodinâmica do trabalho de criação literária. Rev. Psicol., Organ. Trab. vol.12, n.2, pp. 141-154, 2012.

FRIGOTTO, G. A interdisciplinaridade como necessidade e como problema nas ciências sociais. Revista do Centro de Educação e Letras, nº 1 - p. 41.62 . UNIOESTE/Foz,2008.

FRAGA, C. Peculiaridades do trabalho policial militar. Revista Virtual Textos & Contextos. n.6, ano V, 2006.

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS. Missão, visão e valores. Site do governo do estado do Tocantins. Disponível em: <https://www.pm.to.gov.br/institucional/a-corporacao/missao-e-valores/> Acesso em: 10 de junho de 2018 .

GHIZONI, L.D.Clínica Psicodinâmica da Cooperação na Associação de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis da Região Centro Norte de Palmas – TO (ASCAMPA). Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil, 308 p. ,2013.

Ianni, O. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

LIMA, D. M. V. Trabalho e sofrimento do policial militar do Estado de Goiás. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Faculdade de Educação - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Goiás – UFG, Goiânia, GO, 2018.

LEIRNER, Piero de Camargo. Sobre “nomes de guerra”: classificação e terminologia militares. Etnográfica, Lisboa , v. 12, n. 1, p. 195-214, 2008 .

MARTINS, R.M. O discurso organizacional como um instrumento de controle: a (des)construção de identidades sociais em uma montadora do ABC paulista. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM), FACECLA, n.° 2, 2012. Acesso em: 14 mai. 2018.

MOTTA, L.G. Jornalismo e configuração narrativa da história do presente. E-Compós, v.1, n.1,2004. Acesso em: 14 mai. 2018.

MATOS, S. Riscos Psicossociais em Trabalhadores na Arábia Saudita. Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Ciências Empresariais, Instituto Politécnico de Setúbal, 2014.

MENDES, A. M.; ARAUJO, L. K. Clínica Psicodinâmica do Trabalho: o sujeito em ação. 154p. Curitiba: Juruá, 2012.

MERLO, A. R. C.; MENDES, A. M. B. Perspectivas do uso da psicodinâmica do trabalho no Brasil: teoria, pesquisa e ação. Cadernos de Psicologia Social e do Trabalho, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 141-156,2009.

MENDES, A. M. Da psicodinâmica à psicopatologia do trabalho. Em A. M. Mendes. (Org.), Psicodinâmica do Trabalho: teoria, método e pesquisas (pp. 29-48). São Paulo: Casa do Psicólogo. 368p. 2007.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MOREIRA, F. H. et al . De elemento a cidadão: transformações no cotidiano do trabalho do policial militar. Cad. psicol. soc. trab., São Paulo , v. 2, p. 25-38, dez. 1999 .

NEFFA,J.C. O trabalho humano e a sua centralidade.Revista Ciências do Trabalho - Nº 4.Junho,2015.

NEVES, E. B. Gerenciamento do risco ocupacional no Exército Brasileiro: aspectos normativos e práticos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 23, n. 9, p. 2127-2133, 2007 .

OREJUELA, J. J. Primero afirmar, luego integrar La interdisciplinariedad y las ciencias sociales. Revista Científica Guillermo de Ockham. Vol. 7, N. 1, pp. 41-56, 2009.

PEREIRA, R. M.; OLIVEIRA, S. R. Taylorismo e Fordismo: A racionalidade Técnica na organização. In: Piccinini, V. C. (org.). Sociologia e Administração: Relações Sociais nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, p.239-256, 2011.

ROSÁRIO, R. N. G. Mapeamento dos Riscos Psicossociais entre Servidores do 7º BPM de Guaraí-TO. Trabalho de Conclusão de Curso (Administração). UFT, Palmas, 2017.

ROLO, D. Constrangimentos organizacionais, distorção da comunicação e sofrimento ético: o caso dos centros de atendimento telefónico. Laboreal, Porto v. 10, n. 1, p. 79-83, jul. 2014.

REBECHI, C. N.; FÍGARO, R. A comunicação no mundo do trabalho e a comunicação da organização: duas dimensões distintas. Animus – Revista Interamericana de Comunicação Midiática, v.12, n.24, 2013.

RODRIGUES, P., ALVARO, A.L.T., RONDINA, R. Sofrimento no trabalho na visão de Dejours. Revista científica eletrônica de psicologia, ano IV, n.07, Nov. 2006.

RIBEIRO, I.M. Uma cultura estressante: suas origens e conseqüências. 1995. Trabalho de Conclusão de curso (Centro de Aperfeiçoamento de Oficiais) - Estudos Superiores da Polícia Militar de São Paulo, São Paulo, 1995.

SALES, L. J. M.; SÁ. L. D.. A condição do policial militar em atendimento clínico: uma análise das narrativas sobre adoecimento, sofrimento e medo. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 13, n. 25, p. 181-206, jan./jun. 2016.

SERAFIM, A. C. et al . Riscos psicossociais e incapacidade do servidor público: um estudo de caso. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 32, n. 3, p. 686-705, 2012.

SOUZA, E. R. de et al . Fatores associados ao sofrimento psíquico de policiais militares da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 28, n. 7, p. 1297-1311, July 2012 .

SILVA, M. B.; VIEIRA, S. B. O processo de trabalho do Militar Estadual e a Saúde Mental. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 161-170, 2008.

SPODE, C. B.; MERLO, A. R. C. Trabalho policial e saúde mental: uma pesquisa junto aos Capitães da Polícia Militar. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre , v. 19, n. 3, p. 362-370, 2006 .

SOUZA, E. R.; MINAYO, M. C. S. Policial, risco como profissão: morbimortalidade vinculada ao trabalho. Ciênc. saúde coletiva, v. 10, n. 4, p. 917-928, 2005.

TOMAZ, W. N. A. Riscos Psicossociais relacionados ao Trabalho de Servidores do 5° Batalhão da Polícia Militar do Tocantins. Trabalho de Conclusão de Curso em Administração. UFT, Palmas-TO, 2017.

TRAESEL, E. S.; MERLO, A. R. C. Trabalho imaterial no contexto da enfermagem hospitalar: vivências coletivas dos trabalhadores na perspectiva da Psicodinâmica do Trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 36 (123), 40-55, 2011.

VASCONCELOS, C. L. V. Sofrimento ético. In F. O. Vieira, A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Orgs.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 421-424). Curitiba: Juruá, 2013.

ZANATTA, D. Organização, condições do trabalho e percepção de riscos à saúde por parte dos trabalhadores: um estudo em uma indústria cerâmica. Florianópolis, 2002.Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Psicologia) Curso de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, 2002.

Publicado
2018-10-08
Como Citar
FERREIRA, T.; GHIZONI, L. NARRATIVAS DE POLICIAIS MILITARES DO TOCANTINS SOBRE O TRABALHAR. Revista Observatório, v. 4, n. 6, p. 597-635, 8 out. 2018.
Seção
Tema Livre / Free Theme / Tema Libre

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##