JUVENTUDE ATINGIDA PELA MINERAÇÃO DA VALE S.A NA AMAZÔNIA: articulações comunicativas da Rede Justiça nos Trilhos

Palavras-chave: jornalismo

Resumo

Este artigo analisa as práticas comunicativas da Rede Justiça nos Trilhos, utilizadas no Encontro da Juventude Atingida pela Mineração, como uma importante estratégia para discutir criticamente os impactos da mineração na Amazônia brasileira e fomentar a busca por cidadania com jovens afetados (as) pela mineradora Vale S.A. A metodologia se constitui de observação participante e entrevistas. O quadro teórico está composto, principalmente por Freire (1983), Melucci (1997), Sposito (2000), Mouffe (2003; 1993), Pinsky e Pinsky (2011) e Santos (2008). Buscamos contribuir na visibilização de vozes que são silenciadas na Amazônia.

 

PALAVRAS-CHAVE: Comunicação; Redes de Movimentos Sociais; Juventude Atingida pela Mineração; Rede Justiça nos Trilhos; Amazônia.

 

 

ABSTRACT

This article analyzes the communication practices of the Justice on the Rails Network, used in the Meeting of Youth Affected by Mining, as an important strategy to critically discuss the impacts of mining in the Brazilian Amazon and to promote the search for citizenship with young people affected by mining company Vale S.A. The methodology consists of with participant observation and interviews. The theoretical framework consists mainly of Freire (1983), Melucci (1997), Sposito (2000), Mouffe (2003, 1993), Pinsky and Pinsky (2011) and Santos (2008). We seek to contribute to the visualization of voices that are silenced in the Amazon.

 

KEYWORDS: Communication; Social Movements Network; Youth affected by the mining; Justice On the Rails Network; Amazon.

 

 

RESUMEN

Este artículo analiza las prácticas comunicativas de la Rede Justiça nos Trilhos, utilizadas en el Encuentro de la Juventud Afectada por la Minería, como una importante estrategia para discutir críticamente los impactos de la minería en la Amazonia brasileña y fomentar la búsqueda por ciudadanía con jóvenes afectados por la empresa minera Vale S.A. La metodología se constituye de observación participante y entrevistas. El cuadro teórico está compuesto, principalmente por Freire (1983), Melucci (1997), Sposito (2000), Mouffe (2003, 1993), Pinsky y Pinsky (2011) y Santos (2008). Buscamos contribuir en la visibilización de voces que son silenciadas en la Amazonia.

 

PALABRAS CLAVE: Comunicación; Redes de Movimientos Sociales; Juventud Afectada por la Minería; Rede Justiça nos Trilhos; Amazonia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Pereira Santos, Universidade Federal do Pará

Mestra em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará (UFPA). Integrante do Grupo de Pesquisa Mídias Alternativas na Amazônia (UFPa – CNPq). E-mail: larissasantos.jornalista@gmail.com.

Célia Regina Trindade Chagas Amorim, Universidade Federal do Pará

Doutora e Mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professora do Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCOM) e da Faculdade de Comunicação (Facom) da Universidade Federal do Pará (UFPA). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Mídias Alternativas na Amazônia (UFPA-CNPq). E-mail: celia.trindade.amorim@gmail.com.

Referências

AMORIM, Célia Regina Trindade Chagas. JP: 30 anos de luta pela causa pública. In Jornal Pessoal. Agenda Amazônica de Lúcio Flávio Pinto. Ano XXXI, nº 639, 1ª quinzena de Setembro de 2017.

FREIRE, Paulo. Comunicação ou extensão? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

LIMA, Venício de. Mídia: teoria e política. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

MELUCCI, Alberto. Acción colectiva, vida cotidiana y democracia. El Colégio de México, 1999.

MOUFFE, Chantal. Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Política e sociedade. N.3. Out, 2003, p. 11-26.

_______________. El retorno del lo político: comunidade, ciudadanía, pluralismo, democracia radical. Barcelona: Editorial Paidós, 1993.

PINTO, Lúcio Flávio. Carajás: ontem, hoje e nunca mais? Revista Não Vale. Açailândia.IIEdição,2013.<http://www.justicanostrilhos.org/IMG/pdf/revista_nao_vale_2_-_versao_web_completa.pdf>. Acesso: 14 de jul. 2016.

PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi. História da Cidadania. São Paulo: Contexto, 2013.

REDE JUSTIÇA NOS TRILHOS. Quem somos. Disponível em: http://justicanostrilhos.org/quem-somos. Acesso em 2 abr. 2017.

RIBEIRO JR.; J. A. S.; MARINHO, S. C. O Estado brasileiro, a economia da Vale na Amazônia maranhense e a Rede Justiça nos Trilhos. Geografia Ensino e Pesquisa, v. 17, n.3 p. 34-53, set-dez. 2013.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008. (Coleção Milton Santos).

SPOSITO, Marília Pontes. Algumas hipóteses sobre as relações entre movimentos sociais, juventude e educação. Revista Brasileira de Educação. Caxambu, setembro de 1999.

TOURAINE, Alain. Os novos conflitos sociais: para evitar mal entendidos. Lua Nova. São Paulo, n. 17, jun 1989.

VALE. Quem Somos. Disponível em: http://www.vale.com/brasil/PT/aboutvale/Paginas/default.aspx. Acesso em 4 jun. 2017.

Publicado
2018-10-08
Como Citar
SANTOS, L.; AMORIM, C. R. T. C. JUVENTUDE ATINGIDA PELA MINERAÇÃO DA VALE S.A NA AMAZÔNIA: articulações comunicativas da Rede Justiça nos Trilhos. Revista Observatório, v. 4, n. 6, p. 729-752, 8 out. 2018.
Seção
Tema Livre / Free Theme / Tema Libre