CONSTRUÇÃO IDENTITÁRIA NO FACEBOOK: escrita da (pós)verdade?

Palavras-chave: Pós-verdade, Autoria, Identidade

Resumo

As relações de poder permeiam a sociedade. A internet, em especial no que tange as redes sociais, propiciou que informações estejam disponíveis a quem quiser acessar. Isso não deixa de ser uma forma de concessão de poder que, antes do seu surgimento, estava concentrado nos canais de informação jornalísticos, tais como rádio, televisão e jornais impressos. Se nos tempos de Platão a preocupação era com a circulação dos discursos escritos sem um autor, com a divisão entre discursos falsos e discursos verdadeiros, na contemporaneidade existe um movimento que se preocupa com a chamada pós-verdade: a conquista da opinião pública com menos influência de fatos objetivos. Esse tipo de discurso tem implicações não só no meio jornalístico, mas também na construção identitária dos sujeitos. Diante disso, esse artigo tem como objetivo promover uma reflexão acerca da rede social Facebook como um espaço de escrita de si estabelecendo relações entre as noções de (pós)verdade e de identidade nesse ambiente virtual de interação social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Silveira Brisolara, Centro Universitário Ritter dos Reis(UniRitter)

Doutorado em Letras (UFRGS). Mestrado em Letras (UFRGS). Graduação em Letras (UFRGS). Professora no Centro Universitário Ritter dos Reis(UniRitter). E-mail: valeriabrisolara@yahoo.com.

Bruna Helena Rech Rocha, Colégio La Salle São João

Mestrado em Letras (UFRGS). Graduação em Letras (UFRGS). Professora de Língua Inglesa no Ensino Fundamental no Colégio La Salle São João. E-mail: brunahelenarr@yahoo.com.

Referências

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Lisboa: Edições 70, 2003.

BLOMMAERT. Jan. Discourse: key topics in sociolinguistics. New York: Cambridge University Press, 2005.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. 10ª ed. Tradução de Fernando Tomaz.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

BRISOLARA, Valéria. Autoria e falsa atribuição. Anais do SILEL. Volume 3, Número 1. Uberlândia: EDUFU, 2013.

CHARTIER, Roger. O que é um autor? Revisão de uma genealogia. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

CORACINI, Maria José. Discurso e Escrit(ur)a: entre a necessidade e a impossibilidade de ensinar. In: ECKERT-HOFF, Beatriz. CORACINI, Maria José. (Org.) Escrit(ur)a de Si e alteridade no espaço papel-tela. Campinas: Mercado das Letras, 2010.

FOCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

GOMES, Angela de Castro (Org.). Escrita de si, escrita da história. Rio de janeiro: Editora FGV, 2004.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade?. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2014.

SANTAELLA, Lúcia. Comunicação Ubíqua: repercurssões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SCHNEIDER, Michel. Ladrões de Palavras: Ensaio sobre o plágio, a psicanálise e o pensamento. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

PLATÃO. Fedro. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2014.

Publicado
2018-08-01
Como Citar
BRISOLARA, V. S.; ROCHA, B. H. R. CONSTRUÇÃO IDENTITÁRIA NO FACEBOOK: escrita da (pós)verdade?. Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 648-672, 1 ago. 2018.