Uso do solo no alto curso do rio Lontra, Tocantins

Palavras-chave: mapeamento, curso hídrico, cobertura vegetal, SIG

Resumo

O monitoramento dos recursos naturais tem sido discutido em projetos de integração e análise de dados de natureza diversa, sendo identificados diferentes usos e ocupações do solo. Neste sentido as técnicas de geoprocessamento têm ganhado destaque como ferramenta de análise do uso e ocupação do solo, potencializando o planejamento das atividades a serem desenvolvidas em bacias hidrográficas, considerando a aptidão dos recursos disponíveis e as adequações por meio de gerenciamento agroambiental. O objetivo deste trabalho foi avaliar as características da rede de drenagem do alto curso do Rio Lontra, município de Araguaína (TO), mostrando os seus diferentes usos e ocupações do solo. Para o desenvolvimento dos mapas, foram utilizadas cartas imagens de satélite Landsat 8, sensor OLI, composição RGB das bandas 764, bem como ferramentas de geoprocessamento, manuseadas em plataformas do SIG e datum SIRGAS2000. Assim, foi constatado que a área de estudo possui uma rede de drenagem característica de cursos perenes, com perfil longitudinal e classificada como de 3ª ordem. Além disso, as APP’s dos corpos hídricos, até 2015, sofreram uma supressão de vegetação 8,7 ha e a atividade de uso do solo mais predominante na área é a silvicultura de eucalipto.

Biografia do Autor

Cynthia Karyne Tavares Maciel, Instituto Natureza do Tocantins

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (2008). Foi Docente no Colégio Estadual Brejão- Secretaria da Educação do estado do Tocantins. Atualmente é Inspetora de Recursos Naturais do Instituto Natureza do Tocantins, fazendo parte do setor de Monitoramento e Fiscalização Ambiental. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase no planejamento, execução, acompanhamento, controle e avaliação das atividades e procedimentos técnico administrativos inerentes à inspeção, objeto de sua área de atuação utillizando-se das aplicações da ciência e tecnologia para o desenvolvimento auto-sustentável e à preservação e conservação do meio ambiente.

Olavo da Costa Leite, Universidade Federal do Tocantins

Doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Produção Vegetal, Da Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi (TO), Mestre em Ciências Florestais e Ambientais pela Universidade Federal do Tocantins, graduado em Geografia Bacharelado, pela Universidade Federal de Goiás. Técnico em agropecuária pela Fundação Bradesco. Desenvolve projetos de pesquisas nas temáticas de estudo de conservação do solo e monitoramento aplicado aos recursos hídricos, relacionado ao monitoramento de bacias hidrográficas, recuperação de áreas degradadas. Tem interesse na área Geografia, Engenharia agronômica, Ambiental, Florestal, Geografia e Biologia, áreas afins, especialmente em gestão de recursos hídricos.

Daniel Santana Colares, Instituto Federal do Tocantins

Mestre em Agronomia com área de concentração em irrigação e Drenagem (2004), Formado em Agronomia pela Universidade Federal do Ceará (2000), Técnico em Agropecuária pelo Centro Educacional da Juventude Pe. João Piamarta. Tem experiência na áreas de Silvicultura e Biomassa, atuando principalmente nos seguintes temas: eficiência do uso da água, economia agrícola, climatologia, manejo da água e solo, irrigação localizada.

Jader Nunes Cachoeira, Universidade Federal do Tocantins

Advogado. Mestre em Ciências Florestais e Ambientais pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Doutorando na linha de pesquisa Conservação da Natureza na UFPR. Especialista em Direito Civil, Processual Civil e Administração Pública. Pesquisador na UFT na área de Monitoramento Ambiental. Ministrou aula para o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, nas disciplinas de Legislação Ambiental e Avaliação e Monitoramento de Áreas Naturais do PRONATEC. Tem experiência na área de Direito, bem como em Políticas e Legislação Florestal. Integrante do Grupo de Pesquisas Florestais no Estado do Tocantins (PFT) e do Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo (CeMAF), atuando nas áreas de incêndios florestais, planos operativos de prevenção e combate aos incêndios florestais e atividades socioambientais.

Maria de Paula Soares da Silva, Instituto Federal do Tocantins

Graduada em Agronomia e Mestre em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é Professora do Ensino Básico Técnico e Tecnológico do IFTO Campus Colinas do Tocantins, na área de Agropecuária/Agricultura com ênfase em Engenharia Agrícola sob regime de trabalho em tempo integral, com Dedicação Exclusiva. Atua na área de construções rurais, ambiência agrícola e mecanização.

Referências

ALMEIDA, L.N.; FIGUEROA, F.E.V.; MACIEL, G.F.; DE OLIVEIRA, R.M. Impacto da demanda para dessedentação do rebanho bovino na disponibilidade hídrica: o caso da bacia do Rio Lontra. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, Espírito Santo do Pinhal, v.14, n.1, p.86-97, 2017.

ALVES, F.; DE LIMA, K.C.C.; VIOLA, M.R.; DE SOUZA, P. A.; GIONGO, M.; DE MELLO, C.R. Avaliação temporal dos conflitos de uso do solo na bacia hidrográfica do rio Formoso, Tocantins. Pesquisa Florestal Brasileira, Brasília, v.35, n.83, p.271-283, 2015.

ANDRADE, M.P.; RIBEIRO, C.B.M; LIMA, R.N.L. Modelagem dinâmica da mudança do uso e cobertura do solo na bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul a partir de imagens MODIS e um modelo de sub-regiões. Revista brasileira de cartografia, Monte Carmelo, v.68, n.5, p.965-978, 2016.

APARECIDO, C.F.F.; VANZELA, L.S.; VAZQUEZ, G.H.; LIMA, R.C. Manejo de bacias hidrográficas e sua influência sobre os recursos hídricos. Irriga, Botucatu, v.21, n.2, p.239-256, 2018.

ASSIS, J.M.O.; CALADO, L.O.; SOUZA, W.M.; SOBRAL, M.C. Mapeamento do uso e ocupação do solo no município de Belém de São Francisco – PE nos anos de 1985 e 2010. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v.7, n.5, p.859-870, 2014. Disponível em: <http://www.revista.ufpe.br/rbgfe/index.php/revista/article/viewFile/1056/615>. Acesso em: 25 mar. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Institui o Novo Código Florestal Brasileiro. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, v. 149, n. 102, p. 1-10, 25 maio 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em: 15 jul 2019.

CARDOSO, C.A.; DIAS, H.C.T.; SOARES, C.P.B.; MARTINS, S.V. Morphometric characterization of Debossan river watershed, Nova Friburgo, RJ. Revista Árvore, Viçosa, v.30, n.2, p.241-248, 2006.

CAVALCANTI, B.S.; MARQUES, G.R.G. Recursos hídricos e gestão de conflitos: A bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul a partir da crise hídrica de 2014-2015. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, Rio de Janeiro, v.15, n.1, p.4-16, 2016.

CHIARANDA, R.; RIZZI, N.E.; COLPINI, C.; SOARES, T. S. Projeção do uso da terra e do potencial de armazenamento da Bacia Hidrográfica do Rio Cuiabá. Geoambiente On-line, Jataí, n.26, p.19-32, 2016.

DONAGEMMA, G.K.; FREITAS, P.L.D.; BALIEIRO, F.D.C.; FONTANA, A.; SPERA, S.T.; LUMBRERAS, J.F; MACEDO, M.C.M. Characterization, agricultural potential, and perspectives for the management of light soils in Brazil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.51, n.9, p.1003-1020, 2016.

LEITE, O.C.; LIMA, S. O.; OLIVEIRA, L.N.; SILVA, R.J.; FREITAS. G.A.; SILVA, A.D.P.; JUNIOR, O.J.F. Morphometric characterization of part of muricizal river watershed -Tocantins, Brazil. Revista Agri-Environmental Sciences, Palmas-TO, v.5, p.1-15, 2019.

MOLEDO, J.C.; SAAD, A.R.; DALMAS, F.B.; ARRUDA, R.D.O.M.; CASADO, F. Impactos ambientais relativos à silvicultura de eucalipto: uma análise comparativa do desenvolvimento e aplicação no plano de manejo florestal. Geociências, São Paulo, v.35, n.4, p.512-530, 2016.

OLIVEIRA, T.G.; FRANCISCO, C.N. Mapeamento das Áreas de Preservação Permanente e as Mudanças no Código Florestal. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v.28, n.54, p.574-587, 2018.

SCHUSSEL, Z.; NASCIMENTO NETO, P. Urban planning based on watersheds: From theoretical debate to municipal management. Ambiente & Sociedade, [S.l], v.18, n.3, p.137-152, 2015.

SILVA, R.F. Análise dos impactos ambientais da Urbanização sobre os recursos hídricos na sub-bacia do Córrego Vargem Grande em Montes Claros-MG. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v.26, n.47, p.966-976, 2016.

SOARES, L.S., LOPES; W.G.R., CASTRO; A.C.L.; DE ARAUJO, G.M.C. Análise morfométrica e priorização de bacias hidrográficas como instrumento de planejamento ambiental integrado. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v.31, p.82-100, 2016.

SOUSA, M.M; DE OLIVEIRA, W. Análise morfológica da rede de drenagem do alto Juruá/AC, extraída de MDE-SRTM. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v.18, n.61, p.44-64, 2017.

TEODORO, V.L.I.; TEIXEIRA, D.; COSTA, D.J.L.; FULLER, B.B. O conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local. Revista Brasileira Multidisciplinar, Araraquara, v.11, n.1, p.137-156, 2007.

TONELLO, K.C.; DIAS, H.C.T.; SOUZA, A.L.; RIBEIRO, C.A.A.S.; LEITE, F.P. Morfometria da bacia hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães -MG. Revista Árvore, Viçosa, v.30, n.5, p.859-870, 2006.

VAEZA, R.F.; MAIA, A.G.; DISPERATI, A.A. Uso e ocupação do solo em bacia hidrográfica urbana a partir de imagens orbitais de alta resolução. Floresta e Ambiente, Seropédica, v.17, n.1, p.23-29, 2010.

VALLE JÚNIOR, R.F.; FERREIRA, A.F.; CHAVES, L.H.; ABDALA, V.L. Diagnóstico das áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do rio Tijuco, Prata - MG, utilizando tecnologia SIG. Global Science and Technology, Rio Verde, GO, v.4, n.1, p.105-114, 2011.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Tavares Maciel, C. K., Leite, O. da C., Colares, D. S., da Silva, A. D. P., Cachoeira, J. N., & Silva, M. de P. S. da. (2019). Uso do solo no alto curso do rio Lontra, Tocantins. Journal of Biotechnology and Biodiversity, 7(4), 424-433. https://doi.org/10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.maciel

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)