SAFESKILL: um serious game para estudantes e profissionais de segurança do trabalho

Palavras-chave: Serious games, Game design, Segurança do trabalho, Construção Civil

Resumo

A discussão em torno dos jogos digitais vem crescendo nos últimos vinte anos, especialmente no que se refere à mediação destes artefatos culturais em distintos espaços de aprendizagem, inclusive os voltados para formação e qualificação profissional.  Considerando essa possibilidade, surgiu o interesse por um estudo que subsidiasse o desenvolvimento de um Documento de Game Design (GDD) para um serious game, denominado SafeSkill e que contribuísse para a formação e requalificação de técnicos e engenheiros de segurança do trabalho, tendo como foco a aplicação da Norma Regulamentadora nº 18. O presente artigo apresenta os resultados desse estudo e suas contribuições para desenvolver habilidades que promovam a segurança no trabalho com situações de risco, identificando, avaliando, controlando e evitando a ocorrência de acidentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliton Elói Brandão de Freitas, Centro Universitário Senai – Cimatec

Mestre em Gestão de Tecnologias Industriais pelo Campus Integrado de Manufatura e Tecnologia - SENAI CIMATEC (2017), pós-graduado em Desenvolvimento de Sistemas Web 2.0 pelo Centro Universitário CESMAC (2011), graduado em Formação Pedagógica para Educação Profissional pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2010) e graduado em Sistemas de Informação pela Faculdade Alagoana de Tecnologia (2008). Possui experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Sistemas de Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: engenharia de software, desenvolvimento web, web design e usabilidade. E-mail: elitonfreitas@gmail.com. 

Lynn Rosalina Gama Alves, Universidade Federal da Bahia

Pós-doutorado em Jogos digitais e aprendizagem pela Universidade de Turim na Itália, doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Professora do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da UFBA, coordenadora do grupo de pesquisa Comunidades Virtuais.E-mail: lynnalves@gmail.com.

Velda Gama Alves Torres, Universidade Federal da Bahia

Comunicóloga, Publicitária, Doutoranda e Mestra em Cultura e Sociedade (POSCULTURA/IHAC/UFBA), Especialista em Gestão da Comunicação (ECA/USP) e em Marketing Estratégico (FACULDADE RUY BARBOSA). Consultora de Comunicação e professora universitária (UCSAL). Integra o Grupo de Estudo e Pesquisa de Práticas e Produtos da Cultura Midiática (IHAC / /UFBA) e o Grupo de Pesquisa Comunidades Virtuais (UNEB). E-mail: veldatorres@uol.com.br.

Referências

ABT, Clark C. Serious games. University Press of America, 1987.

ADDISON, Angela et al. The importance of engaging engineering and construction learners in virtual worlds and serious games. CONVR 2013, p. 448-457, 2013.

ALVES, Lynn Gama. A cultura lúdica e cultura digital: interfaces possíveis. Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, v. 3, n. 2, 2014.

ALVES, Lynn. Games e Educação: Desvendando o Labirinto da Pesquisa. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, v. 22, n. 40, 2013.

BATTAIOLA, André L. Jogos por computador–histórico, relevância tecnológica e mercadológica, tendências e técnicas de implementação. Anais da XIX Jornada de Atualização em Informática. Proceedings. Curitiba: SBC, v. 2, p. 83-122, 2000.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora Nº 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2015. Disponível em: <http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR18/NR18atualizada2015.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2015.

CONNOLLY, Thomas M. et al. A systematic literature review of empirical evidence on computer games and serious games. Computers & Education, v. 59, n. 2, p. 661-686, 2012.

COSTA, Alex Bastos; SANTANA, Hadassah Laís S., ALMEIDA, Wilson B. O não cumprimento dos contratos de licença e uso de software e sua distribuição indevida por não detentor de Direito autoral. id/507402, 2014.

DE PAULA, Bruno Henrique; VALENTE, José Armando. Jogos digitais e educação: uma possibilidade de mudança da abordagem pedagógica no ensino formal. Revista Iberoamericana de Educación, v. 70, n. 1, p. 9-28, 2016.

DONOVAN, Lynda. The use of serious games in the corporate sector. A State of the Art Report. Learnovate Centre (December 2012), 2012.

FLEURY, Afonso; SAKUDA, Luiz Ojima; CORDEIRO, José Henrique Dell’Osso. I Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais. São Paulo: GEDIGames/USP, 2014.

BLIND REVIEW.

GEE, James Paul. Good video games and good learning. In: Phi Kappa Phi Forum. THE HONOR SOCIETY OF PHI KAPPA PHI, 2005. p. 33.

GROS, Begona. The impact of digital games in education. First Monday, v. 8, n. 7, p. 6-26, 2003.

KARLSSON, Börje Felipe Fernandes. A layered artificial intelligence engine architecture prototype. CEP, v. 50740, 2003.

KLOPFER, E.; OSTERWEIL, S.; SALEN, K. Moving Learning Games Forward: obstacles, opportunities & openness. 2009. Cambridge, MA: The Education Arcade, 2009.

LEITE, P.; MENDONÇA, V. Diretrizes para Game Design de Jogos Educacionais. Proceedings of SBGames, Art & Design Track. 2013.

MEIRELLES, Fernando S. 27ª Pesquisa: Administração e Uso da TI nas Empresas. 27ª Edição. FGV. 2016.

NOGUEIRA, Adriana S.; GALDINO, Anderson L. Games como agentes motivadores na educação. 2012.

PRENSKY, Marc. Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: SENAC. 2012.

RICHVOLDSEN, Håvard. Serious Gaming: Serious content in an entertaining framework. 2009.

ROUSE III, Richard. Game design: Theory and practice. Jones & Bartlett Learning, 2a edição, 2010.

SAVI, Rafael; ULBRICHT, Vania Ribas. Jogos digitais educacionais: benefícios e desafios. RENOTE, v. 6, n. 1, 2008.

SCHELL, Jesse. The Art of Game Design: A book of lenses. CRC Press, 2014.

SCHUYTEMA, Paul. Design de games: uma abordagem prática. Cengage Learning, 2008.

Publicado
2018-06-29
Como Citar
FREITAS, E. E. B. DE; ALVES, L. R. G.; TORRES, V. G. A. SAFESKILL: um serious game para estudantes e profissionais de segurança do trabalho. Revista Observatório, v. 4, n. 4, p. 173-200, 29 jun. 2018.