A invisibilização identitária da África lusófona na Folha de S. Paulo e em O Globo

Palavras-chave: Jornalismo, Invisibilização., África portuguesa, Identidades

Resumo

Com o objetivo de compreender como os jornais Folha de S. Paulo e O Globo noticiaram as relações entre Brasil e África portuguesa, investigamos as notícias nesses jornais no período de 1996 a 2006, quando a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) fez dez anos de instituída. Esse trabalho se insere num debate sobre jornalismo e construções identitárias. Os resultados desse levantamento indicam existir uma produção midiática de ausências, de não ditos e de ditos, que tem sua base na história racial brasileira, e que propõe o apagamento dos traços étnico raciais entre os países de língua portuguesa, resultando em invisibilizações identitárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elton Antunes, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), doutor em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E-mail: eltunes@uol.com.br.

José Cristian Góes, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Comunicação na Universidade Federal de Minas Gerais, jornalista, especialista em Comunicação na Gestão de Crise (Gama Filho) e em Gestão Pública (FGV/Esaf), mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). E-mail: cristiangoes_brasil@yahoo.com.br.

Referências

ANTUNES, E. e VAZ, P. B. Mídia: um aro, um halo e um elo. In: GUIMARÃES, C. e FRANÇA, V. (Orgs). Na mídia, na rua - narrativas do cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

BARBOSA, N. Diretor de filme premiado em Cannes quer romper a "invisibilidade" da África e criar pontes com o Brasil. UOL. Disponível em: http://cinema.uol.com.br/ultnot/2010/ll/20/diretor-de-filme-premiado-em-

cannes-quer-romper-a-invisibilidade-da-africa-e-criar-pontes-com-o-

brasil.ihtm Acesso em: 20 nov. 2010.

BRAGA, J. L. Nem rara, nem ausente - tentativa. Matrizes, São Paulo: ECA-USP,

, p 65-81. Disponível em http://www.matrizes.usp.br/index.php/matrizes/article/view/179 Acesso em

/8/2014.

CUNHA, E. L. Estampas do imaginário: literatura, história e identidade cultural. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006.

DELEUZE, G. iQue és un dispositivo? In: BALBIER, E. et al. Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990, pp. 155-161.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade. 13 a Ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 13 a Ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FREYRE, G. Casa Grande & Senzala. 2 a Ed. Rio de Janeiro: Ed. José Olympio, 1946.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. 32 a Ed. São Paulo: Cia Editora Nacional, 2005.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11 a ed. RJ: DP&A, 2006.

MIYAMOTO, S. O Brasil e a comunidade dos países de língua portuguesa (CPLP). Revista Brasileira de Política Internacional, 2009, pp. 22-42. Disponível http://www.redalvc.org/articulo.oa7id =35814269002 Acesso:11/8/2013.

QUÉRÉ, L De um modelo epistemológico da comunicação a um modelo

praxiológico. Trad. por Lúcia Lamounier Sena e Vera Lígia Westin. Do original:

"D'un modèle épistemologique de la communication à un modèle

praxéologique". In: Réseaux, Paris: Tekhné, 1991.

RODRIGUES, N. As raças humanas. São Paulo: Ed. Progresso, 1957.

ROMERO, S. História da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Ed. José Olympio, 1943.

SANTOS, B. S. Modernidade, identidade e a cultura de fronteira. Tempo Social. USP, SP, 1993, pp. 31-52. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/11597 Acesso em 02/06/2014.

SHOHAT, E, e STAM, R. Crítica da imagem eurocêntrica. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

SODRÉ, M. Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis/RJ: Vozes, 1999.

XAVIER, I. Prefácio. In: STAM, R & SHOHAT, E. Crítica da imagem eurocêntrica. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

Publicado
2015-09-30
Como Citar
ANTUNES, E.; GÓES, J. A invisibilização identitária da África lusófona na Folha de S. Paulo e em O Globo. Revista Observatório, v. 1, n. 1, p. 147-170, 30 set. 2015.