O TURISMO REVALORIZANDO E INTEGRANDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL E AMBIENTAL NA AMAZÔNIA SUL-OCIDENTAL

  • Demerson de Sousa Lima
Palavras-chave: Turismo. Patrimônio. Território

Resumo

Nas últimas décadas o patrimônio histórico cultural da porção sul da Amazônia passa a ser valorado pelo poder público e privado como produtos para oferta turística e o desenvolvimento do turismo regional. O processo intensifica-se após a conclusão da Estrada do Pacífico interligando por via terrestre a região da tríplice fronteira do Brasil, Bolívia e o Peru com a América Latina, abrindo perspectivas do desenvolvimento e integração do setor turístico regional e internacional. A busca de compreender as relações entre o patrimônio histórico-cultural e ambiental e a relação com oferta turística no Estado do Acre, vislumbrando as potencialidades e perspectivas do turismo focadas no patrimônio histórico-cultural e da valorização de suas paisagens para o turismo é o foco de análise deste ensaio. A metodologia além da revisão bibliográfica, referente às temáticas analisadas e de informações in loco obtidas de órgãos governamentais foram somadas a vivências e experiências de campo que possibilitaram as análises conclusivas. Os principais resultados demonstram que esta região de fronteira, a par do valioso patrimônio histórico-cultural, composto por sítios arqueológicos, unidades de conservação, festas religiosas, espaços e produtos rurais e urbanos, elenco de atrativos que é ofertado como produto para o consumo do turismo em todo Estado do Acre e demais mercados emissores, possibilita a preservação histórico-cultural e territorial ali existente.

Referências

ACRE. Governo do Estado. Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Zoneamento ecológico-econômico Fase II: documento síntese – Escala 1:250.000. Rio Branco: SEMA, 2010.

ALMEIDA, M. G. de. Sentidos das Festas no Território Patrimonial e Turístico. In: COSTA, E. B.; BRUSADIM, L. B.; PIRES, M. do C. (Org.). Valor patrimonial e turismo: limiar entre história, território e poder. São Paulo: Outras Expressões, 2012. p. 157-171.

BEZERRA, M.J. Invenções do Acre: um olhar social sobre a história institucional da região acreana. Rio Branco-AC: EAC Editor, 2016.

BEZERRA, M.J.; NEVES, M.V. Trajetórias Acreanas – Índios, seringueiros, ribeirinhos, sírio-libaneses e sulistas como atores da formação do Acre. In: ACRE, Governo do Estado do Acre. Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Programa Estadual de Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre. Livro Temático IV - Cultural político: memórias, identidades e territorialidades. Rio Branco-AC: SEMA, 2010. p. 12-39.

BECKER, Bertha K. A urbe Amazônica: a floresta e a cidade. Rio de Janeiro-RJ: Garamond, 2013.

LIMA, Dermeson de S. Turismo e o desenvolvimento sustentável: as potencialidades e o perfil da demanda turística de Xapuri-AC. Rio Branco-AC: DEGEO/UFAC, 2003a. (Monografia de Graduação em Geografia).

VALCUENDE, José M. (Coord.). História e memória das três fronteiras: Brasil, Peru e Bolívia. São PauloSP: Ed. EDUC, 2009.

SILVA, R.D. Espaços de peregrinação: a devoção nas estradas da seringa. Porto Velho-RO: Universidade Federal de RondôniaUNIR, 2015. (Dissertação de Mestrado em Geografia).

LIMA, D. S.; FRANCO, C. A. da C. Dinâmica Populacional do Projetos de Assentamentos da Regional do Baixo Acre. In: Anais XLVI Congresso da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural, 2008, Rio Branco - AC. Anais do XLVI SOBER, 2008.

LOUREIRO, A.J. Cadernos de Cultura do Acre. (Projeto Poronga). Rio de Janeiro-RJ: Fundação Roberto Marinho, 2003.
Publicado
2018-08-01