O CORTE QUE NÃO ESTANCA: IMAGENS, CARTOGRAFIAS COLONIAIS E RESISTÊNCIAS NA OBRA “AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA” DE EDUARDO GALEANO

  • José Rodrigues de Carvalho Universidade Federal de Goiás/Instituto de Estudos Socioambientais/Laboratório de Estudos de Gênero, Étnico-Raciais e Espacialidades.
Palavras-chave: América Latina, colonialismo, colonialidade, resistência.

Resumo

O presente artigo apresenta uma releitura geográfica da obra “As veias abertas da América Latina” de Eduardo Galeano. Trata-se de um estudo teórico bibliográfico no âmbito da geografia humana, por meio do qual objetivamos identificar e discutir a partir do texto, as estratégias coloniais, de colonialidade e resistências, apontadas pelo autor e as imagens (paisagens imaginárias e concretas), que o mesmo produz em sua forma narrativa sobre elas. Nessa investigação nos guiamos pela linha tênue entre literatura e “racionalidade hegemônica”, procurando perceber como a narrativa de Galeano contribui para ampliar a visão geográfica sobre a América Latina durante o período colonial e da colonialidade contemporânea. Nesse sentido procuramos estabelecer um diálogo entre geografia e literatura. Para isso estabelecemos diálogos com outros autores que também analisaram o sistema colonialista e suas territorialidades no continente e, a partir dessa interação fomos  construindo uma interlocução com as epistemologias pós coloniais.

 

Referências

ARÁOZ, Horacio Machado. 2013. Crisis ecológica, conflictos socioambientales y orden neocolonial: Las paradojas de NuestrAmérica en las fronteras del extractivismo. REBELA, v. 3, n. 1, out. p. 118-155.

ASSIS, Wendell Ficher Teixeira. 2014. Do colonialismo à colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo. CADERNO CRH, Salvador, v. 27, n. 72, Set./Dez. p. 613-627.

BETTO, Frei. 2013. Aldeia do silêncio. Rio de Janeiro: Rocco.

BOTELHO, Maurilio Lima. 2013. Colonialidade e forma da subjetividade moderna: a violência da identificação cultural na América Latina. Espaço e Cultura, UERJ, RJ, n. 34, jul./dez. p. 195-230.

BRUM, Eliane. 2016. A casa é onde não tem fome. Buenos Aires: El País.

DUSSEL, Enrique. 1993. 1492 O encobrimento do outro: a origem do “mito da

modernidade”. Petrópolis – RJ: Vozes.

FANON, Frantz. 1968. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

GALEANO, Eduardo. 2010. As veias abertas da América latina. São Paulo: L&PM. Tradução: Sérgio Faraco. Disponível em http://www.lpm.com.br/livros/Imagens/veiascon.pdf. Acesso em: 08/08/2016.

ITARÄNTA, Emmi. 2015. Memórias da água. Rio de Janeiro: Galera Record.

LANDER, Edgardo. (org.). 2005. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO.

LIMA, Angelita; CHAVEIRO, Eguimar Felício. 2016. Livros nas prateleiras, verbos no chão: aproximações entre geografia, literatura e existência. In: CHAVEIRO, E. F. et. All. (org.). Espaço, sujeito e existência. Goiânia: PUC. p. 51-68.

MEMMI, Albert. 1977. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

NAVARRETE, Julio Mejía. s/d. Colonialidad y des/colonialidad en América Latina: elementos teóricos. Universidad Nacional Mayor de San Marcos. Lima, Peru.

PORTO-GONÇALVERS, Carlos Walter. 2006. De saberes e de territórios: diversidade e emancipação a partir da experiência latino-americana. GEOgraJia-Ano VIII -N. 16. p. 41-55.

QUIJANO, Aníbal. 2005. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO.

SANTOS, Milton. 2006. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Edusp.

SANTOS, Milton et. All. 1998. Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec.

SOUZA, Márcio. 2009. História da Amazônia. Manaus: editora Valer.

VITTE, Claudete de Castro Silva. 2006. Integração, soberania e território na América do Sul: um estudo da IIRSA (Iniciativa de Integração da Infra-Estrutura Regional Sul-Americana).Terra Livre. Ano 22, v.2, a. 27, jan-dez. p. 31-48

Publicado
2017-01-27
Como Citar
Carvalho, J. R. de. (2017). O CORTE QUE NÃO ESTANCA: IMAGENS, CARTOGRAFIAS COLONIAIS E RESISTÊNCIAS NA OBRA “AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA” DE EDUARDO GALEANO. Espaço E Tempo Midiáticos, 1(1), 171-188. Recuperado de https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/midiaticos/article/view/2829
Seção
Artigos