Diversidade florística do estrato arbustivo arbóreo de três áreas de cerrado sensu stricto, Tocantins

  • Rômullo Quirino de Souza Ferreira Universidade Federal do Tocantins
  • Marília Oliveira Camargo Universidade Federal do Tocantins
  • Paulo Ricardo Teixeira Universidade Federal do Tocantins
  • Priscila Bezerra de Souza Universidade Federal do Tocantins
  • Danival José de Souza

Resumo

O objetivo desse trabalho foi realizar um levantamento fitossociológico e determinar a diversidade florística do estrato arbustivo arbóreo de três áreas de cerrado sensu stricto. Esse estudo foi conduzido na cidade de Gurupi - TO, na Fazenda Experimental da UFT Campus de Gurupi sob as coordenadas UTM 11”46’25 S e 49”02’54 W e na cidade de Aliança do Tocantins – TO na propriedade particular Fazenda Nossa Senhora Aparecida sob as respectivas coordenadas UTM 11”46’25 S e 49”02’54 W. Foram instaladas sistematicamente três parcelas de 20 x 50 m em cada área, sendo distanciadas 20 m entre si, perfazendo um total de 3000 m², ou 0,3 ha de área amostral. Foram amostrados todos os indivíduos arbustivo arbóreos com circunferência altura do peito (CAP) ? 10 cm. Foram verificados nos três fragmentos de cerrado sensu stricto avaliados um total de 138 espécies, 43 famílias e 94 gêneros sendo que a distribuição entre as áreas avaliadas ocorreu da seguinte maneira. Na A1foram amostradas 77 espécies, 32 famílias e 61 gêneros, na A2 foram encontradas 85 espécies, 37 famílias e 68 gêneros, e na A3 a distribuição ocorreu com um total de 67 espécies, 29 famílias e 55 gêneros. Os índices de diversidade de Shannon (H’= 3,55 3,52 e 3,70) e equabilidade de Pielou (J’= 0,81 0,79 e 0,87) demostraram respectivamente alta riqueza e diversidade em todas as áreas, evidenciando grande heterogeneidade ambiental e baixa dominância ecológica.

Referências

ALVES H. R.; PRADO JÚNIOR, J. A.; LOPES, S. F.; SILVA, P. P. F.; PEPPE, F. B.; SCHIAVINI, I. Fitossociologia e grupos ecológicos da comunidade lenhosa em um remanescente de cerradão em Uberlândia, MG. Revista Caminhos de Geografia. v.14, n.46, p. 236–245, 2013.

ALMEIDA, S. P.; PROENÇA, C. E. B.; SANO, S. M.; RIBEIRO, J. F. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina, EMBRAPA-CPAC, 464p. 1998.

ALMEIDA, R. F.; FAGG, C. W.; OLIVEIRA, M. C.; MUNHOZ, C. B. R.; LIMA, A. S.; OLIVEIRA, L. S. B. Mudanças florística e estruturais no cerrado sensu stricto ao longo de 27 anos (1985-2012) na Fazenda Água Limpa, Brasília, DF. Revista Rodriguésia. v.65, n.1, p.001-019, 2014.

AQUINO, F. G.; PEREIRA, C. S.; PASSOS, F. B.; OLIVEIRA, M. C. Composição florística e estrutural de um cerrado sentido restrito na área de proteção de manancial mestre D’armas, Distrito Federal. Revista Biosciense Journal. v.30, n.2, p.565-575, 2014.

ANDRADE, L. A. Z.; FELFILI, J. M.; VIOLATTI, L. Fitossociologia de uma área de cerrado denso na RECOR-IBGE, Brasília-DF. Revista Acta Botanica Brasilica. v.16, n.2, p. 225- 240, 2002.

ASSUNÇÃO, S. L.; FELFILI, J. M. Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil. Revista Acta Botanica Brasilica. v.18, n.4, p. 903-909,
2004.

ARCHER, S.; COUGHENOUR, M.; DALL’AGLIO, C.; FERNANDEZ, W.G.; HAY, J.; HOFFMANN, W.; KLIMKl, C.; SILVA, J.; SOLBRIG O. T. Savanna biodiversity and ecosystem properties Pp. 207-224. In: O.T. Solbrig; E. Medina & J.F. Silva (eds.) Biodiversity and savanna ecossystem processes: a globa perpective. Ecological studies, Berlim, Spring- Verlag v.121, 1996.

APG. Angiosperm Phylogeny Group. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal the Linnean Society. n.161, p.105-121, 2009.

BALDUINO, A. P. C.; SOUZA, A. L.; MEIRA NETO, J. A. A.; SILVA, A. F.; SILVAJÚNUIOR, M. C. Fitossociologia e análise comparativa da composição florística do cerrado da flora de Paraopeba - MG. Revista Árvore. v.29, n.1, p. 25-34, 2005.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. W. C. Brown Co. Pub, Iowa. 1984.

BRIDGEWATER, S.; RATTER, J. A.; RIBEIRO, J. F. Biogeographic patterns, b-diversity and dominance in the cerrado biome of Brazil. Biodiv. Conserv. v.13, p.2295-2318, 2004.

CARVALHO, F. A.; RODRIGUES, F. A.; KILCA, R. V.; SIQUEIRA, A. S.; ARAÚJO, G. M.; SCHIAVINI, I. Composição florística, riqueza e diversidade de um cerrado sensu stricto no sudeste do estado de Goiás. Revista Bioscience Journal. v.24, n. 4, p. 64-72, 2008.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Centro Nacional de Pesquisas de Solos. 3.ed. Rio de
Janeiro, 353 p. 2013.

EITEN, G. The cerrado vegetation of Brazil. Botanical Review. v.38, p.201 - 341, 1972.

FELFILI, J. M.; FAGG, C. W. Floristic composition, diversity and structure of the “cerrado” sensu stricto on rocky soils in northern Goiás and southern Tocantins, Brazil. Revista Brasileira de Botânica. v.30, n.3, p. 375-385, set. 2007.

FELFILI, J. M.; REZENDE, R. P. Conceitos e métodos em fitossociologia. Comunicações técnicas florestais, UNB, Brasília v.5, 2003.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. Floristic composition, phytosociology and comparison of cerrado and gallery forests at Fazenda Água Limpa, Federal District, Brazil. Pp. 393-415. In: P. A. Furley; J. A. Proctor & J. A. Ratter. Nature and dynamics of forest-savanna boudaries, London, Chapman & Hall, 1992.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. A comparative study of cerrado (sensu stricto) vegetation in Central Brazil. Journal of Tropical Ecology. n.9, p.277-289, 1993.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. (eds.). Biogeografia do Bioma Cerrado: estudo fitofisionômico da Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Universidade de Brasília, Brasília. 152 p. 2001.

FELFILI, J. M.; FILGUIERAS, T. S.; HARIDASAN, M.; SILVA JÚNIOR, M. C.; MENDONÇA, R. C.; REZENDE, A. V. Projeto Biogeografia do Bioma Cerrado: vegetação e solos. Caderno de Geociências. v.12, p.75 – 166, 1994.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; NOGUEIRA, P. E.; WALTER, B. M. T.; FELFILI, M. C.; SILVA, M. A.; IMANÃ ENCINAS. Comparação do Cerrado (sensu stricto) nas Chapadas Pratinha e dos Veadeiros. Pp. 6-11. In: L. L. Leite, C. H. Saito (Eds.). Contribuição ao Conhecimento Ecológico do Cerrado. Departamento de Ecologia - Universidade de Brasília. Brasília. 1997.

FELFILI, J. M.; FILGUEIRAS, T. S.; HARIDASAN, M.; SILVA JÚNIOR, M. C.; MENDONÇA, R.; REZENDE, A. V. (eds.). Projeto biogeografia do bioma cerrado: Vegetação e solos. Caderno de Geociências. v.12, p.75-166, 1997.

FERREIRA, Q. S. F.; OLIVEIRA, C. M.; SOUZA, P. B.; ANDRADE, V. C. L.
Fitossociologia e estrutura diamétrica de um cerrado sensu stricto, Gurupi - TO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento sustentável. v.10, n.1, p. 229 – 235, 2015.

FINA, G. B.; MONTEIRO, R. Análise da estrutura arbustivo-arbórea de uma área de cerrado sensu stricto, município de Aquidauana – Mato Grosso do Sul. Revista Árvore. v.37, n.4, p.577-585, 2013.

LISTA DE ESPÉCIES DA FLORA DO BRASIL. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2015.

HAIDAR, R. F.; FELFILI, J.M.; DANASCO, G.; BRANDÃO, M. M. V.; CARNEIRO, D. C.; LOBO, R. N.; AMARAL, A. G. SILVEIRA, I. M. Florística, estrutura e diversidade da mata de galeria da estação ecológica de águas emendadas ESEC-AE. Brasil Central. Revista Heringeriana. v.7, n.1, p. 33-50, 2013.

KENT, M.; COKER, P. Vegetation description and analysis: a practical approach. Belhaven, London. 363 p. 1992.

KUHLMANN, M. Frutos e sementes do cerrado atrativo para a fauna: guia de campo/ Marcelo Kuhlmann; colaborador Christopher Fagg. Brasília, Ed. Rede de Sementes do Cerrado, 360 p. 2012.

KUNZ, S. H.; IVANAUSKAS, M. N.; MARTINS, V. S. Estrutura fitossociológica de um cerradão em Canarana, estado do Mato Grosso, Brasil. Revista Acta Scientiarum Biological Sciences. v.31, n.3, p.255-261, 2009.

LEHN, R. C.; F, M. A.; JÚNIOR, G. A. D. Florística e fitossociologia de uma área de cerrado sensu stricto na região da borda oeste do pantanal, Corumbá, MS, Brasil. Revista Pesquisas Botânicas. n.59, p.129-142, 2008.


LIBANO, A. M.; FELFILI, J. M. Mudanças temporais na composição florística e na diversidade de um cerrado sentido restrito do Brasil Central em um período de 18 anos (1985- 2003). Revista Acta Botanica Brasilica. v. 20, p. 927-936, 2006.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1/ Harri Lorenzi. 4 ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 2/ Harri Lorenzi. 2 ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002.

MEDEIROS, M. B.; WALTER, M. L. Composição e estrutura de comunidades arbóreas de cerrado stricto sensu no norte do Tocantins e sul do Maranhão. Revista Árvore. v.36, n.4, p.673-683, 2012.

MENDONÇA, R. C.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA JÚNIOR. M. C.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E.; FAGG, C. W. Flora vascular do cerrado: Checklist com 12.356 espécies. In Cerrado: ecologia e flora (S. M. Sano, S. P. Almeida & J. F. Ribeiro, ed.). EMBRAPA-CPAC, Planaltina, p.417-1279, 2008.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: J. Wiley, 547 p, 1974.

NETTESHEIM, F. C.; CARVALHO, D. C.; FONSECA, C, C.; NUNES, R. S.;
CAVALCANTI, D. M.; GABRIEL, M. M.; MENEZES, F. T. Estrutura e florística do estrato arbóreo no cerrado sensu stricto de Buritis, Minas Gerais, Brasil. Revista Rodriguésia. v.61, n.4, p.731-747, 2010.

NEWTON, A. C. Forest Ecology and Conservation – A Handbook of Techinques. Oxford: Oxford University Press, 454 p. 2007.

PEDREIRA, B. R. F.; ALVES, L. R.; LÓLIS, S. F.; VIANA, R. H. O. Composição florística e fitossociológica de espécies arbóreas em uma área de cerrado stricto sensu no munícipio de Porto Nacional - TO. Revista Global Science Technology. v.4, n.1, p.8-15, 2011.

PEREIRA, I. M.; OLIVEIRA, N. F.; GONZAGA, A. P. D.; OLIVEIRA, M. L. R.; MACHADO, E. L. M.; KARAM, D. Estrutura fitossociológica de uma área de cerrado sensu stricto em Sete Lagoas, MG. Revista Enciclopédia Biosfera. v.9, n.17, p.2013-3433, 2013.

RATTER, J. A.; RIBEIRO, J. F.; BRIDGEWATER, S. The Brazilian cerrado vegetation and threats to its biodiversity. Annals of Botany. n.80, p.223-230, 1997.

RATTER, J. A.; BRIDGEWATER, S.; RIBEIRO, J. F. Analysis of the floristic compostition of the Brazilian Cerrado vegetation III: Comparison of the woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany. n.60, p.57-109, 2003.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. As Principais Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: SANO, S. M. et al. (Eds.). Cerrado: ecologia e flora. 1. ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, p. 151-212, 2008.

ROCHA, E.; REYS, P.; SILVA, P. O.; SOARES, M. P. Florística e fitossociologia de um fragmento de cerrado no sudoeste de Goiás Revista Global Science Technology. v.07, n.03, p.110 – 118, 2014.

SANO, E. E.; ROSA, R.; BRITO, J. L. S.; FERREIRA, L. G. Mapeamento de cobertura vegetal do bioma Cerrado: estratégias e resultados. Embrapa Cerrado. Planaltina DF. 2007.

SANTOS-DINIZ, V. S.; SILVA, A. R. L.; RODRIGUES, L. D. M.; CRISTOFOLI, M. Levantamento florístico e fitossociológico do Parque Municipal da Cachoeirinha, Municipio de Iporá, Goiás. Revista Enciclopédia Biosfera. v.8, n.14, p.1310. 2012.

SANTOS, E. R.; LÓLIS, S. F. Análise florística em comunidades florestais nos municípios de Caseara, Marianópolis, e Pium, no estado do Tocantins. Revista Carbono Social. v.01, n.02, p. 24-31, 2007.

SEPLAN. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. 6. ed. Palmas: Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública, 80 p. 2012.


SILVA JÚNIOR, M. C. + 100 árvores do cerrado – Matas de Galeria: guia de campo. Brasília – DF. Ed. Rede de sementes do cerrado, 288 p. 2009.

SILVA JÚNIOR, M. C. 100 árvores do cerrado – sentido restrito: guia de campo. Brasília – DF. Ed. Rede de sementes do cerrado, 304 p. 2012.

SHEPERD, G. J. Fitopac 2: manual do usuário. Campinas: Unicamp, 2010. 91p
Publicado
2017-05-08
Como Citar
DE SOUZA FERREIRA, Rômullo Quirino et al. Diversidade florística do estrato arbustivo arbóreo de três áreas de cerrado sensu stricto, Tocantins. DESAFIOS, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 69-82, maio 2017. ISSN 2359-3652. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/3341>. Acesso em: 14 dez. 2017. doi: https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2017v4n2p69.
Seção
Artigos